Leia documento da Lava Jato com o apelido de Toffoli que motivou censura pelo STF

Supremo mandou tirar do ar textos da revista Crusoé e do site O Antagonista

São Paulo

Na sexta-feira (12), o ministro Alexandre de Moraes (STF) determinou que os sites da revista Crusoé e O Antagonista retirassem do ar reportagem e notas publicadas horas antes sobre uma menção ao presidente do Supremo, Dias Toffoli, feita em um email pelo empresário e delator Marcelo Odebrecht.

mensagem em que Marcelo chama o ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo, de “amigo do amigo de meu pai” foi escrita em julho de 2007 e faz referência a uma das obras campeãs em propina na Operação Lava Jato: a usina de Santo Antônio, com mais de R$ 100 milhões em suborno, segundo delatores da Odebrecht e Andrade Gutierrez.

No email, enviado agora à Polícia Federal pelo empresário no âmbito de uma apuração da Lava Jato no Paraná, Marcelo faz a seguinte pergunta a dois executivos da Odebrecht: “Afinal vocês fecharam com o amigo do amigo do meu pai?”.

O amigo do pai de Marcelo, Emilio Odebrecht, era Lula, segundo a delação da companhia. Toffoli, diz Marcelo, então chefe da AGU (Advocacia Geral da União) do governo Lula e ex-assessor petista, era o amigo de Lula nesse jogo de apelidos cifrados.

Adriano Maia, que foi diretor jurídico da Odebrecht e cuidava dos contatos com o Judiciário, respondeu à pergunta de Marcelo: “Em curso”. Não há, porém, nenhuma menção a pagamentos ou irregularidades.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli
O presidente do STF, ministro Dias Toffoli - Pedro Ladeira/Folhapress

A decisão de Moraes pela censura, que atendeu a um pedido de Toffoli, ocorre no âmbito de um inquérito aberto pelo STF em março para apurar fake news e divulgação de mensagens que atentem contra a honra dos integrantes do tribunal.

Entidades de defesa da liberdade de imprensa e advogados que pesquisam o tema criticaram a decisão de Moraes. Para as organizações, a determinação caracteriza censura, põe em risco um direito constitucional e merece repúdio.

Nesta quinta-feira (18), em entrevista ao jornal Valor Econômico, Toffoli defendeu a censura determinada pela corte. ​

"Se você publica uma matéria chamando alguém de criminoso, acusando alguém de ter participado de um esquema, e isso é uma inverdade, tem que ser tirado do ar. Ponto. Simples assim." Toffoli completou: "É necessário mostrar autoridade e limites. Não há que se falar em censura neste caso da Crusoé e do Antagonista".

Leia, a seguir, a íntegra do documento enviado por Marcelo Odebrecht à Polícia Federal.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.