Servidores da Assembleia de SP fazem serviço de empresa contratada por R$ 2,6 mi

Triagem de notícias automática, feita por vencedora de licitação, não está disponível em gabinetes

São Paulo

Embora a Assembleia Legislativa de São Paulo tenha feito há mais de nove meses um contrato anual de quase R$ 2,6 milhões para uma empresa automatizar sua triagem diária de notícias, o serviço continua a ser feito manualmente por quatro funcionários da Casa.

Após um longo processo licitatório iniciado em 2017, a Boxnet Serviço de Informações Ltda assinou em 20 de junho contrato de um ano, que pode ser renovado, para expandir a chamada clipagem da Assembleia.

A clipagem é a pesquisa de notícias que mencionam os interessados —nesse caso, a Assembleia e seus deputados.

Em vez de serem monitorados 17 jornais e seis sites, como já era feito, a Boxnet expandiria o serviço para 441 órgãos de imprensa, incluindo TV e rádio.

Além disso, produziria relatórios estatísticos, serviços de alerta e avaliação da exposição da Casa, inclusive nas redes sociais. Pelo contrato, faria até workshops (oficinas) a funcionários da Casa sobre o seu sistema.

Só que, nove meses depois, o serviço ainda não foi nem instalado nos gabinetes de deputados, que continuam a receber o antigo clipping de informações feito por funcionários do Legislativo.

Gabinetes de parlamentares —de reeleitos e novatos, de aliados e opositores do presidente Cauê Macris (PSDB)— disseram à Folha que não recebem as clipagens ou relatórios do serviço.

Desde o contrato, mais de metade dos 94 deputados não se reelegeu e uma nova legislatura foi empossada.

Procurada, a Assembleia afirma em nota que "assim que o sistema estiver instalado em 100% dos gabinetes, a clipagem realizada pelo Departamento de Comunicação será descontinuada". A previsão atual é que ainda em abril isso aconteça.

A Boxnet diz que presta o serviço para a Assembleia desde a contratação.

O pregão eletrônico que levou à contratação da firma se iniciou em setembro de 2017, durante a presidência de Macris, e só foi encerrado em abril de 2018.

O edital previa um "sistema de captura de dados e informações com gestão e controle por plataforma modular de gestão da informação", incluindo licenciamento, suporte, treinamento, serviço de sustentação operacional e integrações diversas.

Durante os sete meses do pregão, duas outras empresas venceram a concorrência, mas acabaram reprovadas posteriormente.

A primeira após um recurso da Boxnet: a mesa acatou o pedido da empresa contra a vencedora, que não era especializada em clipagem. Outra caiu porque não passou no teste de comprovação da eficácia dos seus serviços.

Por fim, a Boxnet acabou contratada por R$ 2,58 milhões. A empresa já presta serviços para a Prefeitura de São Paulo (em contrato de R$ 1,4 milhões) e para o Governo de São Paulo (R$ 7 milhões, para as secretarias da Casa Civil, Pessoa com Deficiência, Fazenda e Cultura).

Ela tem polêmicas em seu histórico: durante a reeleição de Gilberto Kassab (então DEM, hoje PSD) à Prefeitura de São Paulo, em 2008, monitorou adversários de campanha apesar de ser paga com dinheiro da prefeitura.

 
À época, o diretor da Boxnet, Décio Paes Manso, disse que o serviço buscava entre 400 e 500 palavras-chave e não distinguia fatos relacionados à campanha ou não.

Procurado, o Departamento de Comunicação da Assembleia afirma em nota que "foi contratada a empresa que ofereceu melhor preço e comprovou a capacidade técnica de executar os serviços, por meio de aplicação de prova objetiva".

"Os serviços são auditados pelo Departamento de Comunicação, com o recebimento de relatórios mensais das matérias que dizem respeito à Assembleia e ainda informações estatísticas sobre as redes sociais do Poder Legislativo", diz a nota.

Ainda afirma que a clipagem dos servidores, que não inclui rádio/TV e não atua os finais de semana, "tem capacidade significativamente reduzida de captação de meios de comunicação do estado".

"O serviço será descontinuado ainda neste início de abril, quando 100% dos gabinetes estarão operando plenamente com o sistema." 

A Boxnet diz que desde a contratação fornece à Diretoria de Comunicação da Assembleia clipping geral, em plataforma digital, para acompanhamento da cobertura de imprensa de SP e nacional. As informações, diz, se referem ao institucional da Casa.

"Tudo se faz via prestação de relatórios de medição e entregas que fazem parte da comprovação do serviço e liberação de autorização de ordem de pagamento."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.