Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Aplaudido no PSDB de MG, Aécio chama governos Zema e Bolsonaro de principiantes

Longe dos holofotes após suspeitas, ex-senador assume posição de destaque em convenção estadual tucana

Fernanda Canofre
Belo Horizonte

Longe dos holofotes desde que tomou posse como deputado federal na Câmara, Aécio Neves assumiu posição de destaque neste sábado (4) na convenção estadual do PSDB em Minas Gerais e definiu as gestões de Jair Bolsonaro (PSL) e de Romeu Zema (Novo) como "governos de principiantes". 

"São governos que estão aprendendo com a roda girando. Isso não é demérito para ninguém”, afirmou Aécio, que criticou principalmente a política externa do presidente da República e foi incisivo na defesa de independência do PSDB em Minas em relação ao governador Zema.

O deputado federal Aécio Neves fala com jornalistas na convenção estadual do PSDB em Minas Gerais neste sábado (04/05)
O deputado federal Aécio Neves na convenção estadual do PSDB em Minas Gerais neste sábado (04/05) - Fernanda Canofre/Folhapress

O tucano passou a ser alvo de críticas de caciques do partido pelo país especialmente após ser gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS, em maio de 2017, pedindo R$ 2 milhões. Investigado na Lava Jato, perdeu protagonismo e teve sua expulsão da sigla cogitada por correligionários. 

Neste sábado, no evento do PSDB mineiro, saiu do papel de vidraça —e ensaiou críticas mais incisivas ao governo federal. 

O ex-senador e atual deputado disse estar travando “um embate forte contra uma politica externa equivocada” de Bolsonaro. O tucano vai assumir a presidência de uma subcomissão na Câmara dos Deputados para discutir a participação do Brasil em organismos internacionais. 

Entre os temas estão o acordo da base de Alcântara com os Estados Unidos e a troca de um lugar na OMC (Organização Mundial do Comércio) pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Sobre esse último, Aécio afirmou foi "uma surpresa”, depois da viagem do presidente aos EUA, já que o assunto nunca foi debatido internamente. 

Na avaliação dele, o país saiu de uma política externa com viés ideológico de esquerda, que seria a responsável pelo fortalecimento do governo de Nicolás Maduro na Venezuela, mas agora vê “outra face da mesma moeda” com o atual Itamaraty.

“Ao negar e questionar esse alinhamento, na verdade, o governo Bolsonaro busca um alinhamento à direita que também não corresponde à tradição da política externa brasileira. A nossa tradição é de pragmatismo, de equilíbrio em favor dos interesses do país”, afirmou. 

Convenção estadual do PSDB em Minas Gerais, com presença do deputado federal e ex-senador Aécio Neves (na foto, conversando com o novo presidente estadual do partido, Paulo Abi-Ackel)
Convenção estadual do PSDB em Minas Gerais, com presença do deputado federal e ex-senador Aécio Neves (na foto, conversando com o novo presidente estadual do partido, Paulo Abi-Ackel) - Fernanda Canofre/Folhapress

Aécio não fez críticas pontuais a ações de Zema, mas foi incisivo na defesa de que o PSDB marque independência. Desde o início do governo, a liderança na Assembleia Legislativa e a secretaria de governo de Zema estão nas mãos de tucanos: o deputado Luiz Humberto Carneiro, que foi líder no governo de Antonio Anastasia, e Custódio de Mattos. Nenhum dos dois apareceu na convenção estadual. 

“[Zema] buscou esses quadros, ele não pediu autorização do partido, ele não submeteu essas escolhas ao partido. É natural que ele vá percebendo com o tempo a qualidade dos quadros do PSDB. O PSDB não se negou a ceder seus quadros ao governo, mas é muito diferente de sermos porta-vozes políticos de uma agenda que não conhecemos, não discutimos”, declarou Aécio a jornalistas. 

Segundo ele, o partido não sabe o que Zema pretende fazer para a reforma do estado ou na questão das privatizações. No discurso para correligionários, Aécio defendeu de forma apaixonada a posição ideológica de social-democrata.

“Somos social-democratas, sim. Porque acreditamos no mercado, acreditamos que é importante dar condições para que as pessoas invistam e gerem empregos, mas o nosso programa não é do ultraliberalismo. Achamos que o Estado tem papel importante nas políticas sociais e na diminuição das desigualdades”, disse, aplaudido pelo público. 

Nas últimas semanas, lideranças tucanas começaram a conversar internamente com as bancadas federal e estadual sobre a mudança de posição diante do governo do estado. “Independência” virou a palavra de ordem adotada. 

O novo presidente estadual da legenda, deputado federal Paulo Abi-Ackel, do grupo de Aécio, afirmou que, a partir de agora, deputados que quiserem participar do governo o farão “de forma pessoal e individual”. O partido Novo, diz ele, não é um projeto do PSDB e os tucanos não estão “inteiramente alinhados” ao projeto de Zema.

“Os deputados estaduais do PSDB estão fazendo um papel histórico, no sentido de ajudar Minas e o governo. Nunca vocês nos encontrarão numa posição irracional. Sempre votaremos com os assuntos que sejam do interesse do estado. O que acontece é que devemos, daqui para frente, avaliar melhor nossa posição em relação ao apoio ao governo do estado”, explicou Abi-Ackel. 


Candidato derrotado por Zema no segundo turno, o senador Antonio Anastasia evitou esse discurso. O atual governo tem entre seus quadros vários nomes que fizeram parte da gestão dele quando governador e o tucano têm mantido um relacionamento próximo a Zema desde o início do governo. Anastasia diz que isso se deve a sua posição de senador e que tem apenas "respeito e cordialidade no trato". 

“Eu fui o candidato derrotado das eleições, vocês conhecem meu estilo. É indelicado, é incorreto fazer avaliação. A avaliação sempre é feita no momento oportuno, pela população”, respondeu sobre os primeiros quatro meses de governo.

“Eu não quero fazer avaliação porque, primeiro, sou professor universitário, mas estou afastado da universidade. Não vou dar nota a ninguém, nem a mim, nem aos outros. Tem que respeitar isso.”

Aécio foi aplaudido e ovacionado nas duas salas da convenção, posou para fotos com quem o parava nos corredores e na mesa principal, e esperou para falar com a imprensa. Estava à vontade e sorridente.

No discurso de cerca de 10 minutos, disse que “para quem vive as intempéries da política” não há nada mais valioso do que sentir “o abraço, o carinho, o olhar afetuoso” de quem conhece sua história. 

Na fala, afirmou que “ninguém em Minas e talvez no Brasil foi vítima de ataques, ofensas e acusações tão torpes” como aquelas direcionadas a ele.

Para jornalistas e para o público, repetiu a frase estampada em uma camiseta que Fernando Collor de Mello usou na época de seu impeachment: o tempo é o senhor da razão.  

“Conheço meu passado, sei o que fiz e o que posso ainda fazer. O tempo, o tempo é o senhor da razão. É o tempo que vai demonstrar, de forma muito clara que os ataques dos quais hoje somos vítimas tem muito a ver com a importância que adquirimos. Nós tucanos não temos razão para nos envergonhar de absolutamente nada”, disse. 

Ex-ministro do governo Michel Temer (MDB), Antonio Imbassahy (PSDB-BA) participou do evento, segundo ele, a pedido do governador de São Paulo, João Doria . Atualmente, ele é chefe do escritório de governo de Doria em Brasília.

PREFEITURA

As lideranças tucanas falaram superficialmente sobre o que farão na disputa para a prefeitura da capital, no ano que vem. O PSDB é o partido com maior número de prefeituras em Minas Gerais. 

Segundo o novo presidente, o assunto ainda será debatido internamente, para definir se o partido terá candidato próprio ou apoiará algum aliado. O atual prefeito Alexandre Kalil já anunciou que irá deixar o PHS para se filiar ao PSD. O convite veio de Gilberto Kassab, que foi aliado dos tucanos em São Paulo. 

“Vou verificar com as bases do partido, com a militância que é grande, para ver qual é exatamente o desejo das bases. Se é ter uma candidatura própria ou apoiar companheiros nossos que estejam, eventualmente, em outros partidos”, disse Abi-Ackel. 

Anastasia afirmou que a decisão depende de construções políticas futuras, mas ressaltou o nome do atual prefeito. 

“O que eu tenho dito publicamente, não escondo, é que admiro a administração do prefeito Kalil. Acho que ele é um bom prefeito, está bem avaliado, mas num momento oportuno, não só o PSDB, mas os demais partidos, vão discutir questões eleitorais”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.