Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

DEM faz ato com indiretas a Bolsonaro e evita apoio formal ao governo federal

Presidente do partido, ACM Neto disse que base governista deveria conter provocações e focar reformas

Daniel Carvalho Bruno Boghossian
Brasília

Em uma convenção com várias indiretas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) nesta quinta-feira (30), o DEM evitou dar apoio formal ao governo, comprometendo-se apenas com a agenda de reformas econômicas defendidas pelo Palácio do Planalto.

Na titularidade das pastas da Casa Civil, da Saúde e da Agricultura e nas presidências da Câmara e do Senado, alcançadas com apoio do governo, o partido tem sido alvo de críticas de correligionários e apoiadores de Bolsonaro, que cobram uma declaração explícita de adesão.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à esquerda, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) - Pedro França/Agência Senado

De dentro do DEM, as cobranças foram vocalizadas pelo ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

"O presidente da República precisa do apoio do Democratas. Não é apoio ao presidente, é apoio ao país. Eu peço: vamos assumir o governo para sairmos da crise e mostrarmos que temos como ajudar a população brasileira", disse Caiado.

Onyx foi além e especulou sobre a volta de Bolsonaro ao DEM. O presidente integrou os quadros do PFL (antigo nome do Democratas) em 2005, mas, no mesmo ano, migrou para o PP.

"Nós vencemos e hoje temos a Presidência. Um ex-filiado do PFL, um ex-filiado do Democratas e que olha para o nosso partido com imenso respeito e, por que não dizer, com o olho de quem sabe gostaria de voltar para casa", disse o ministro em seu discurso.

Quando lhe foi perguntado pela Folha, após o evento, se havia alguma sinalização do presidente nesse sentido, Onyx respondeu rindo: "Eu vejo nos olhos dele".

Mas os demais oradores foram em outra direção. Antes mesmo do início da convenção, o presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, disse que o propósito do ato não era definir apoio ao governo.

"Temos compromisso com a agenda do país, independentemente de compor uma base formal", disse Neto em entrevista.

Indagado sobre as críticas dos aliados de Bolsonaro, afirmou que não cairia em provocações.

 

"Não acho que é o momento de alimentar esse tipo de polêmica ou discussão. Honestamente, quem tem preocupação com o andamento da agenda do país deve somar esforços, e não utilizar redes sociais ou mesmo o plenário da Câmara ou do Senado para provocações", disse o prefeito de Salvador.

"Não digo que essa seja uma questão do governo, mas alguns aliados do governo perdem tempo com fogo amigo. Poderiam estar somando esforços e concentrando energia no que é importante, que é o avanço dessas reformas, principalmente na Câmara dos Deputados, com relação à reforma da Previdência", afirmou ACM Neto.

Logo em seguida, em discurso, o presidente do DEM defendeu a democracia e os respeitos às instituições, em especial o Congresso, alvo constante de ataques de Bolsonaro e de seus seguidores na política e nas ruas. Ele também falou a favor da política, "que existe para evitar a guerra".

"Prego a convivência e o respeito com a diferença. Não é porque o outro não pensa igual a mim que eu tenho que demonizar o outro, condenar o outro", afirmou.

O presidente do DEM disse que os eleitores "não foram às urnas para defender radicalismos à direita ou à esquerda" e falou da legitimidade dos Poderes.

"Reconhecemos a autoridade e a legitimidade do presidente, que não foi dada por nenhum partido, foi dada pelas ruas, pelo povo brasileiro nas urnas. Mesma legitimidade que foi concedida ao Parlamento brasileiro, aos deputados e senadores", disse ACM Neto, pregando união entre Legislativo e Executivo.

Ainda rebatendo indiretamente críticas feitas pelo presidente e seu entorno, refutou a pecha de fisiologista.

"Nosso partido jamais aceitou qualquer tipo de proposta. Nunca admitimos o troca-troca da velha política. Este partido não se guia nem se pauta por circunstâncias ou conveniências. O Democratas não aceita rótulos ou muito menos carimbos", afirmou.

O DEM tenta se livrar do título de líder do centrão, grupo de partidos na Câmara que é conhecido por pressionar governos em troca de cargos e liberação de emendas.

"O DEM implodiu o centrão. Talvez algumas pessoas enganadas tentam nos rotular. Mas não há como se brigar com a história. O centrão foi destruído exatamente pelo deputado Rodrigo Maia", disse o líder do Democratas na Câmara, Elmar Nascimento (BA).

"A forma pejorativa que muitas vezes tratam o Democratas e outros partidos  é o caminho do enfraquecimento não destes partidos, mas da democracia", fez coro o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ).

O deputado também minimizou a falta de apoio formal da sua legenda ao governo Bolsonaro.

"Ser ou não ser governo não é o mais importante. O mais importante é ser a favor de uma agenda que construa um futuro melhor para a população brasileira."

Rodrigo Maia também rebateu, indiretamente, a tentativa de Bolsonaro de atribuir ao Congresso suas dificuldades.

"Não é tudo responsabilidade do Parlamento. Vamos separar as responsabilidades. Não podem transferir todas as responsabilidades e todos os males do Brasil para a Câmara", disse o presidente da Câmara

Rodrigo Maia também cobrou racionalidade e equilíbrio, mas não citou nomes.

"O Brasil está precisando de racionalidade, de equilíbrio. Menos discurso para fora e mais compromisso com a pauta de mudanças que este Brasil tanto precisa", afirmou.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), ressaltou o apoio que sua legenda já dá ao governo.

"Não sei que outro partido tem ajudado mais o governo, muitas vezes mais até que o partido do presidente da República", afirmou.

Recondução

ACM Neto foi reconduzido à presidência do DEM na manhã desta quinta-feira. Chegou ao comando  do partido em março do ano passado, substituindo o ex-senador Agripino Maia (RN).

Prefeito de Salvador no segundo mandato e provável candidato ao governo da Bahia em 2022, Antonio Carlos Peixoto de Magalhães Neto, 40, é formado em direito e assumiu o primeiro mandato de deputado federal em 2003. No partido desde 1997, é neto do senador Antonio Carlos Magalhães (1927-2007).

O DEM chamou-se PFL (Partido da Frente Liberal) até 2007. O partido só teve candidato a presidente da República uma vez, em 1989, quando ainda se chamava PFL. O candidato foi o ex-ministro Aureliano Chaves.

Em 1994 e em 1998, elegeu Marco Maciel vice-presidente de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

No ano passado, Rodrigo Maia ensaiou uma candidatura ao Palácio do Planalto, mas a ideia não decolou.

O DEM apoiou a candidatura derrotada de Geraldo Alckmin (PSDB) no primeiro turno e alguns dos seus principais nomes abraçaram o nome de Jair Bolsonaro (PSL) no segundo, embora a sigla não tenha dado apoio formal a ninguém.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.