Queiroz pagou R$ 133 mil em internação no Einstein com dinheiro vivo

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro é alvo de investigação do Ministério Público

Rio de Janeiro

O policial militar aposentado Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), pagou R$ 133,6 mil em dinheiro vivo sua cirurgia, internação e equipe médica no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, entre o fim do ano passado e o início de 2019.

De acordo com o advogado Paulo Klein, que defende Queiroz, o PM aposentado pagou em espécie R$ 64,6 mil ao Albert Einstein pelos serviços hospitalares, R$ 60 mil à equipe médica e R$ 9 mil ao oncologista. O hospital recebeu também R$ 5,4 mil por cartão de crédito.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (24) pelo jornal O Globo e confirmada pela Folha.

O advogado afirma que o pagamento está dentro da capacidade financeira da família de Queiroz que, somada, tem uma renda anual de R$ 500 mil, segundo ele.

O dinheiro, disse o advogado, fazia parte de uma reserva financeira que tinha como objetivo amortizar uma dívida imobiliária. A defesa não explicou porque foi usado dinheiro em espécie.

O ex-assessor ficou internado de 30 de dezembro a 8 de janeiro no Albert Einstein para cirurgia e tratamento de um câncer.

O PM aposentado é pivô da investigação do Ministério Público do Rio contra o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente. A apuração começou após um relatório do governo federal ter apontado a movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz de janeiro de 2016 a janeiro de 2017.

Além do volume movimentado, chamou a atenção a forma com que as operações se davam: saques e depósitos em dinheiro vivo. As transações ocorriam em data próxima do pagamento de servidores da Assembleia Legislativa do Rio.

Pivô da investigação contra Flávio, Queiroz reconheceu ter recolhido parte do salário de servidores do gabinete do então deputado estadual Flávio, de 2007 a 2018, na Assembleia Legislativa do Rio.

O objetivo, disse Queiroz, era contratar assessores informais para o então deputado e ampliar a base eleitoral do filho do presidente da República.

Desde então, Flávio já afirmou que talvez tenha confiado demais no ex-assessor. A interlocutores o presidente Jair Bolsonaro já falou em traição, como informou a coluna Painel da Folha.

A defesa nega que a prática de contratar assessores informais seja um crime, mas o policial militar aposentado diz se sentir culpado pela crise política. Ele era uma espécie de chefe de gabinete de Flávio.

Em razão da internação, Queiroz não compareceu aos depoimentos marcados no Ministério Público no fim do ano passado e no início de 2019. Sua defesa apresentou petição na qual admitiu que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete.

Ele diz que usava esse dinheiro para remunerar assessores informais de Flávio, sem o conhecimento do então deputado. Segundo o ex-assessor, essa medida gerou ganhos eleitorais ao chefe.

Segundo o Ministério Público do Rio, há indícios robustos dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio. Foi com base nesses indícios que a Promotoria solicitou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de 86 pessoas e nove empresas.

Flávio Bolsonaro foi um dos atingidos pela medida, deferida pelo juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal do Rio de Janeiro. Uma das bases para a conclusão do Ministério Público foi o posicionamento da defesa do ex-assessor FabrícioQueiroz

O advogado Paulo Klein disse que “vê com naturalidade o fato do Ministério Público investigar a origem dos recursos utilizados para pagamento das despesas médicas do Fabrício Queiroz”.

“A comprovação dos pagamentos com recursos próprios e dentro da sua capacidade econômica só reforçam que ele jamais cometeu qualquer crime”, afirmou a defesa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.