Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Sete partidos de oposição questionam Toffoli e Maia sobre pacto com Bolsonaro

Siglas como PSOL e PT contestam presença do STF em costura de apoio às reformas do governo

Catia Seabra
Rio de Janeiro

Dirigentes de sete partidos de oposição a Jair Bolsonaro (PSL) reunidos nesta quarta-feira (29) decidiram questionar a participação do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, em reunião com o presidente da República para a costura de um pacto em apoio às reformas encampadas pelo governo federal

Os representantes de PT, PSOL, PSB, PDT, PC do B, Rede e PCB também vão divulgar nota em que contestam o que chamam de tibieza do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A oposição contesta a presença de Maia na reunião dois dias depois de ser pessoalmente criticado durante manifestação de entusiastas de Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro em encontro na terça com o presidente do STF, Dias Toffoli, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre
O presidente Jair Bolsonaro em encontro na terça com o presidente do STF, Dias Toffoli, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre - Marcos Correa - 28.mai.19/Presidência da República

Na manhã de terça (28), Bolsonaro debateu com Maia, Toffoli e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), um texto inicial que fala sobre um "terceiro pacto republicano pela realização de macrorreformas estruturais" e prega "a colaboração efetiva dos três Poderes".

​O ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) afirmou que a ideia é assinar um documento final com os compromissos assumidos pelo Executivo, Legislativo e Judiciário no dia 10 de junho, no Palácio do Planalto. 

O texto inicial em discussão elenca cinco temas como prioritários: as reformas previdenciária e tributária, a revisão do pacto federativo, a desburocratização da administração pública e aprimoramento de uma política nacional de segurança pública.

Presidente do PSOL, Juliano Medeiros afirma que Maia e Toffoli representam Poderes que foram duramente criticados nos atos de rua de domingo (26), realizados com apoio de aliados de Bolsonaro.

Os partidos solicitaram uma reunião com Toffoli para se manifestar contra sua presença na reunião, já que caberá ao STF deliberar sobre controvérsias legais acerca das reformas.

“Que pacto é esse? Sobre qual reforma? Nós também defendemos uma reforma tributária. Mas, certamente, não é a mesma de Bolsonaro”, criticou o presidente do PSOL.

O primeiro pacto entre Executivo, Legislativo e Judiciário foi firmado em 2004, no governo Lula, "por um Judiciário mais rápido e republicano". O segundo, em 2009, falava em "um sistema de Justiça mais acessível, ágil e efetivo". 

Ainda segundo o presidente do PSOL, os partidos avaliaram o tamanho da manifestação de domingo em apoio a Bolsonaro.

Concordaram que ela foi grande, mas menor do que o protesto do dia 15 contra bloqueio de verbas da educação e também insuficiente para legitimar uma ofensiva de Bolsonaro sobre o Congresso.

A expectativa da oposição é que um protesto previsto para quinta (30) seja maior do que o ato de apoio ao governo, ainda que menor do que a manifestação do dia 15. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.