Ex-assessora de Marielle vira dor de cabeça para governo Witzel na Assembleia do Rio

Ao denunciar governador à ONU, deputada estadual Renata Souza foi alvo de pedido de cassação

Rio de Janeiro

—“Cheia da marra!” e "Nariz em pé!" são algumas das expressões que a deputada estadual Renata Souza (PSOL), 36, ouviu de seus pares da Assembleia Legislativa do Rio, dias após ter denunciado à ONU o governador Wilson Witzel (PSC).

“Deve ser porque estão acostumados a submeter mulheres, em especial as negras, enquanto suas serviçais. Quando uma favelada, feminista negra, debate no Parlamento em pé de igualdade com homens brancos da elite econômica e política, é arrogante”, diz à Folha a ex-chefe de gabinete da vereadora assassinada Marielle Franco, favelada, feminista negra e integrantes do PSOL como ela.

Mulher de vermelho posa para foto em janela
A deputada estadual Renata Souza (PSOL-RJ) no prédio da Alerj - Zo Guimaraes /Folhapress

Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia do Rio, Renata recorreu ao órgão máximo da diplomacia mundial depois de Witzel ter postado um vídeo em que sobrevoa Angra dos Reis (RJ) de helicóptero. 

“Vamos botar fim na bandidagem”, disse o governador, ao anunciar o início de uma operação da Polícia Civil. Naquele percurso, da aeronave em que estava partiram tiros de metralhadora em cima de uma tenda de orações evangélica. Ela foi confundida com um ponto do tráfico —ninguém se feriu.

Sob ataque de deputados governistas, Renata virou alvo de um pedido de cassação na Assembleia, endossado pelo governador. Ela faria parte daqueles que “estão desonrando o voto que receberam” com “crime de informação falsa”. E essa deputada, disse Witzel sem citar o nome dela, mereceria ser removida do cargo por causa isso.

O presidente da Casa, André Ceciliano (PT), arquivou a proposta, por entender que, ao contrário do que alegavam outros deputados, a deputada não agiu em nome de toda a Comissão de Direitos Humanos.

Já a representação feita por deputados do mesmo PSC de Witzel no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar ainda tramita no colegiado, que é autônomo. Dos 69 colegas de Renata, 36 já haviam assinado uma moção de repúdio contra ela.

Se não foi o suficiente para derrubá-la, o episódio consolidou a deputada como um dos rostos mais públicos da oposição, lugar já ocupado pelo homem para quem ela e a amiga do Complexo da Maré, Marielle, trabalharam por mais de uma década: o companheiro de partido Marcelo Freixo, hoje deputado federal.

Renata usa códigos típicos da bancada, como se referir ao seu mandato no gênero feminino (“mandata”) e pontuar publicações virtuais com hashtags como #LuteComoUmaPreta.

Estreou em uma Assembleia sobretudo branca (69% dos eleitos se identificam assim) e masculina (83%). De pele preta como a sua, só mais três parlamentares —dois deles são, como ela, do PSOL e ex-assessoras de Marielle, assassinada em março de 2018.

O primeiro discurso de Renata na tribuna foi sobre Marielle, com quem ia à praia do Leme na juventude e que, minutos antes de ser assassinada, ganhou uma bronca da chefe de gabinete porque não queria acordar cedo para uma reunião no dia seguinte.

Renata diz que uma máxima de Angela Davis, ícone do feminismo negro, a ajudou a levantar da cama após a morte da vereadora: "Quando a mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela”.

As duas aprenderam na marra a lidar com o racismo, afirma. Fizeram PUC, uma das faculdades da elite carioca, com bolsa, e lá "veio a realidade dolorida sobre o quanto a desigualdade social é cruel", diz Renata.

"Meus amigos de turma já falavam inglês e passavam férias na Europa, nos EUA. Morar na favela também era algo estranho para colegas e professores."

Como o dia em que ela não chegou às 7h, início da aula, e um docente quis saber por quê. "Respondi que acordava todos dos dias às 4h pra chegar no horário, mas teve um acidente na avenida Brasil que me fez atrasar. Ele não aceitou a minha resposta, disse que eu estava sendo vitimista."

Não só vitimista, como parasita da tragédia de Marielle: assim muitos de seus colegas a veem na Assembleia.

Desafetos costumam lembrar que a vereadora havia apontado outra assessora para sua chefia de gabinete, mas morreu antes de acontecer a troca. Segundo Renata, era um rodízio já pré-acordado na chefia, e não uma desavença entre as duas.

Um dos colegas na Casa, Rodrigo Amorim (PSL), guarda emoldurada em seu gabinete uma placa de rua com o nome de Marielle, a mesma que ele quebrou na eleição da qual despontou como o deputado estadual mais votado no Rio —Renata foi a nona.

À época Witzel posou para um retrato com ele, outro candidato e a placa partida. Já no governo, ele pediu desculpas à família da vereadora.

Já Rodrigo não vê por que se desculpar, pois diz que homenagear Marielle com nome de rua deveria seguir o trâmite legal, e não fruto de vandalismo: colar por cima uma placa sobre outra já existente.

Também não vê motivos para poupar Renata, por entender que ela deu "carteirada como presidente da Comissão de Direitos Humanos" na hora de levar à ONU uma "denúncia caluniosa e covarde" contra o governador.

Se não cassá-la, deveria haver "algum tipo de sanção pelo gesto leviano que ela cometeu", como removê-la da comissão. Na semana passada, selado o arquivamento da cassação, o aliado de Witzel e da família Bolsonaro distribuiu no plenário uma pizza, "PSOL" escrito com calabresa.

Renata afirma que vê o dedo do governador no processo todo. Se isso se confirmar, diz ela, seria "no mínimo um processo extremamente antidemocrático, pois fere a autonomia dos Poderes".

Para Marcelo Freixo, "Witzel está acostumado a caçar com cedilha, em cima do helicóptero, mas cassar é um processo com outro caminho, não vem do desejo do governador".

Procurado por meio de sua assessoria, Witzel não quis falar sobre o tema.

Correligionários lembram que ele só se pronunciou sobre o caso um dia depois de deputados solicitarem a entrega do mandato de Renata, então não seria o mentor da ideia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.