Veja o que Moro já disse sobre diálogos vazados com procuradores da Lava Jato

Ministro da Justiça esteve no Senado e na Câmara e falou sobre vazamento de mensagens

São Paulo

Desde que vieram à tona as suas trocas de mensagens com o procurador Deltan Dallagnol, chefe da Lava Jato, o ex-juiz tem repetido que sempre agiu conforme a lei e que não pode garantir a veracidade dos diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil.

Nesta semana, em audiência na Câmara, a estratégia de Moro foi organizada em 7 frentes:

1) colocou-se como vítima de ataque hacker de um grupo criminoso organizado; 

2) disse não ter como garantir a autenticidade integral das mensagens e apontou que elas podem ter sido adulteradas;

3) refutou a possibilidade de conluio com o Ministério Público;

4) qualificou a divulgação das mensagens de sensacionalista;

5) desqualificou os que apontaram irregularidades na sua atuação quando juiz da Lava Jato;

6) negou comandar a investigação realizada pela Polícia Federal e disse acompanhar como vítima;

7) sugeriu que o objetivo do vazamento das mensagens seria invalidar as condenações da Lava Lato.

Confira, abaixo, o que o ministro tem dito sobre o assunto.

Regras e atuação na Lava Jato

"Estou absolutamente tranquilo em relação à conduta que realizei como juiz. Houve aplicação imparcial da lei em casos graves de corrupção e lavagem de dinheiro."

"Nunca atuei nestes processos movido por questão ideológica ou político-partidária. O fato de ter emitido sentenças a agentes políticos me trouxe dissabores, me trouxe pesos. Sou constantemente atacado há quatro, cinco anos, por ter cumprido meu dever."

Sessão na CCJ do Senado, em 19.jun

"Não sou eu que sou investigado por corrupção. Sempre agi com correção e aplicação imparcial da lei

Acho que existe muito revanchismo. Tenho certeza que se durante a condução da Lava Jato eu tivesse me omitido, deixado a corrupção florescer, virado os olhos para o outro lado, eu não sofreria estes ataques. Tenho certeza que isso não aconteceria.

Sessão na CCJ da Câmara, em 2.jul

 

Conluio com procuradores e contato entre as partes do processo

“Na verdade, eu me manifestei ontem [domingo], não vi nada de mais nas mensagens. Havia uma invasão criminosa de celulares de procuradores, pra mim isso é um fato bastante grave ter havido essa invasão e essa divulgação. E, quanto ao conteúdo, no que diz respeito a minha pessoa, eu não vi nada de mais."

“Não tem nenhuma orientação [ao Ministério Público] ali"

Entrevista a jornalistas em Manaus, em 10.jun

"Se falou muito em conluio. Não houve conluio nenhum."

"É normal no Brasil esses contatos entre juiz, advogado e Ministério Público ou policiais. O que tem que ser avaliado é o conteúdo destes contatos."

"O que posso assegurar é que, na condução dos trabalhos de juiz no âmbito da Operação Lava Jato, sempre agi conforme a lei."

Sessão na CCJ do Senado, em 19.jun 

"É uma dinâmica dentro da 13ª Vara Federal (em Curitiba), o dia inteiro proferindo decisão urgente. E a gente recebia procurador, advogado, a gente falava com advogado, a gente falava com todo mundo. E eventualmente utilizava aplicativos de mensagem para tratar isso de maneira dinâmica maior. Mas, quanto à natureza das minhas comunicações, estou absolutamente tranquilo."

Entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, publicada em 14.jun

"Quanto ao conteúdo das mensagens que me citam, não se vislumbra qualquer anormalidade ou direcionamento da atuação enquanto magistrado, apesar de terem sido retiradas de contexto e do sensacionalismo das matérias, que ignoram o gigantesco esquema de corrupção revelado pela Operação Lava Jato”

Nota publicada em 9.jun

"Não há qualquer maior ilicitude naquele conteúdo que foi divulgado, é comum que juízes falem com procuradores, é comum que juízes falem com advogados."
 

"Se ouve muito da anulação do processo do ex-presidente [Lula], tem que se perguntar então quem defende Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, Renato Duque, todos estes inocentes que teriam sido condenados segundo este site de notícias. Precisamos de defensores destas pessoas. Que elas sejam colocadas imediatamente em liberdade já que foram condenadas pelos malvados procuradores da Lava Jato, pelos desonestos policiais e pelo juiz parcial"

 

Sessão na CCJ da Câmara, em 2.jul

 

 

Tamanho da crise e cargo no governo

"Tendo a pensar que esse ‘escândalo’ é consideravelmente menos escandaloso do que o Intercept relatou ou do que eu acreditava originalmente."

Citação do artigo “O Incrível Escândalo que Encolheu? Novas Reflexões sobre o Vazamento da Lava Jato”, de Matthew Stephenson, professor de direito em Harvard. Trechos do texto foram mencionados por Moro durante sessão na CCJ do Senado, em 19.jun

"Eu não tenho nenhum apego pelo cargo em si. Apresente tudo. Vamos submeter isso, então, ao escrutínio público. E, se houver ali irregularidade da minha parte, eu saio. Mas não houve. Por quê? Porque eu sempre agi com base na lei e de maneira imparcial"

"Estou absolutamente tranquilo em relação à conduta que realizei como juiz. Houve aplicação imparcial da lei em casos graves de corrupção e lavagem de dinheiro."  

Sessão na CCJ do Senado, em 19.jun  

 "Hackers de juízes, procuradores, jornalistas e talvez de parlamentares, bem como suas linhas auxiliares ou escândalos falsos não vão interferir na missão [como ministro da Justiça]"

No Twitter, em 12.jun

 

Autenticidade

"Ainda que tenha alguma coisa verdadeira, essas mensagens podem ser total ou parcialmente alteradas para caracterizar uma situação de escândalo"

"Hoje não tenho controle do meu Telegram, está lá com o hacker."

Sessão na CCJ do Senado, em 19.jun

“Em relação ao que troquei, não posso confirmar porque não tenho mais as mensagens, mas tenho absoluta confiança de que sempre agi com lisura dentro da minha profissão”.

Entrevista ao Programa do Ratinho, do SBT, exibida em 18.jun

 

Descuido

“Nós lá na 13ª Vara Federal, pela notoriedade das investigações, nós recebíamos várias dessas por dia. Eu recebi aquela informação e, aí assim, vamos dizer, foi até um descuido meu, apenas passei pelo aplicativo. Mas não tem nenhuma anormalidade nisso. Não havia nem ação penal em curso”

“Eu acho que simplesmente receber uma notícia-crime e repassar a informação não pode ser qualificado como uma conduta imprópria.”

“Eventualmente pode ter havido um descuido formal, mas isso não é nenhum ilícito, se é a indagação nesse sentido. Eu não cometi nenhum ilícito e estou absolutamente tranquilo de todos os atos que cometi enquanto juiz da Lava Jato.”

Entrevista a jornalistas na sede da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Brasília, em 14.jun. Moro se referia à mensagem em que ele repassa a Deltan Dallagnol dica que pode contribuir para apuração de caso ligado a Lula

 

Ataque hacker

"Fui vítima de um ataque criminoso de hackers. Clonaram meu telefone, tentaram obter dados do meu aparelho celular, de aplicativos."

Entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, publicada em 14.jun

“Existe um grupo criminoso organizado cujo objetivo é obstaculizar investigações ou buscar anulação de quem já foi condenado por corrupção, quem tem conta na Suíça ou recebeu favores de empreiteiras. O objetivo é muito grave, além de ser um ataque às instituições” 

Entrevista ao Programa do Ratinho, do SBT, exibida em 18.jun

“A Polícia Federal está empenhada, mas essas investigações às vezes levam algum tempo dada a dificuldade de rastrear. Eu não acredito que seja um autor só, acho que é um grupo criminoso contratado para atacar as instituições brasileiras."

“Se eles acham que as instituições brasileiras são frágeis e vão se intimidar, eles estão completamente equivocados. O que vai acontecer é que eles vão ser identificados e punidos na forma da ​lei” 

Entrevista a jornalistas na sede da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Brasília, em 14.jun

 

"A minha opinião, e aqui é uma opinião informal, é que alguém com muitos recursos está por trás dessas invasões. E o objetivo principal seria invalidar condenações da operação Lava Jato e impedir novas investigações. Alguém com recursos porque não é a tentativa de ataque de um celular, mas a tentativa de ataque de vários, em alguns casos, talvez, com sucesso, o que não parece corresponder a atividade de um adolescente com espinha na frente de um computador"

Sessão na CCJ da Câmara, em 2.jul

Investigação

Eu não dirijo investigação da Polícia Federal, nem essa, nem qualquer outra. Meu papel é dar estrutura e autonomia à Polícia Federal apenas. Estou acompanhando apenas diante da relevância do tema e como vítima, mas evidentemente as decisões a serem tomadas no âmbito da investigação pertencem exclusivamente aos investigadores da Polícia Federal, ao juiz, quando provocado, e ao Ministério Público, quando provocado, aqueles que forem competentes para essas matérias.

Sessão na CCJ da Câmara, em 2.jul

Sensacionalismo

"Está havendo muito sensacionalismo em cima dessas supostas mensagens." 

Entrevista a jornalistas em Manaus, em 10.jun

"É informação realmente ou apenas se quer construir uma narrativa político-partidária? E se apresentam essas mensagens de formas desconexas, com sinais de adulteração, sem o material completo. Se faz um carnaval em cima disso, com pleno sensacionalismo e algumas pessoas embarcaram. Quando se reflete melhor sobre o que está sendo divulgado é um balão vazio"

Sessão na CCJ da Câmara, em 2.jul

MBL

“Se de fato usei [o termo 'tontos'], peço escusas, mas saibam que têm todo o meu respeito e sempre terão”,

Em gravação publicada no Youtube pelo deputado estadual Arthur Mamãe Falei (DEM-SP), do MBL, em 23.jun. Moro pedia desculpas por mensagem em que se refere a manifestantes como "tontos do MBL"

 

 

Divulgação de áudio entre Lula e Dilma

"Acho que existe uma grande diferença entre uma interceptação telefônica autorizada judicialmente após pedido da polícia, do ministério público e levantamento de sigilo desse material por decisão judicial transparente e o hackeamento, por um grupo criminoso organizado, de autoridades públicas com divulgação, depois, ilegal, deste conteúdo"

Sessão na CCJ do Senado, em 19.jun. Moro se referia à sua decisão de abrir sigilo de conversa entre Lula e Dilma Rousseff, em 2016

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.