Advogado diz que intenção de suposto hacker era vender conversas de Moro para o PT

Defensor afirma que cliente não sabe se ocorreu a venda do material ao partido

Reynaldo Turollo Jr. Ricardo Della Coletta
Brasília

O advogado de um dos suspeitos de hackear o celular do ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmou nesta quarta-feira (24) que, segundo seu cliente, o objetivo de Walter Delgatti Neto, outro envolvido no caso, era vender o conteúdo das mensagens interceptadas ao Partido dos Trabalhadores.

As declarações foram dadas por Ariovaldo Moreira, defensor de Gustavo Henrique Elias Santos e de sua mulher, Suelen Oliveira  —ambos em prisão temporária no âmbito da Operação Spoofing. Delgatti também está detido.

"Ele [Elias Santos] confirma que o Walter [Delgatti] tinha ao menos informações acerca da conta de Telegram do juiz Moro. A única coisa que ele acrescentou a mais é que a intenção [de Delgatti] era vender essas informações ao PT", disse Moreira a jornalistas, na Superintendência da Polícia Federal em Brasília, depois de acompanhar os depoimentos de seus clientes.

Walter Delgatti, suspeito de hackear autoridades, é visto na Superintendência da Policia Federal em Brasília
Walter Delgatti, suspeito de hackear autoridades, é visto na Superintendência da Policia Federal em Brasília - Mateus Bonomi/Folhapress

O advogado disse ainda que Elias Santos "não estava envolvido na empreitada criminosa" e que seu cliente não sabe se a venda do material ao partido político de fato ocorreu.

"O Walter disse que a intenção seria vender ao PT", reafirmou o advogado.

Questionado por jornalistas sobre o fato de Delgatti ter sido filiado ao DEM, o advogado disse que a mesma pergunta foi feita a seu cliente no interrogatório, mas que Elias Santos "não soube responder".

"O que o Gustavo sabe é que o Walter tem uma certa afinidade com o Partido dos Trabalhadores", argumentou o defensor.

Conforme antecipou a coluna Painel, a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, afirmou em nota que Moro comanda a investigação da Polícia Federal “com o claro objetivo de produzir mais uma armação contra o PT”.

Moreira já havia comentado o caso de seu cliente mais cedo nesta quarta-feira. Ele havia dito que Delgatti chegou a mostrar parte do conteúdo interceptado para Elias Santos, ponto que reafirmou no final da tarde desta quarta.

“O próprio Vermelho [apelido de Delgatti Neto] mostrou algumas coisas para ele [Elias Santos], e ele assustou e falou: 'Meu, cuidado com isso aí porque pode dar problema'. Na verdade, ele não acreditou naquilo, mas, pelo que foi narrado, mostraram algo para ele a respeito disso [invasão do celular de Moro]”, disse o advogado na manhã desta quarta.

Além de Elias Santos, Suelen e Delgatti, o quarto preso é Danilo Cristiano Marques.

Todos são naturais de Araraquara (SP), mas viviam ultimamente em cidades diferentes. Segundo a PF, os mandados de prisão foram cumpridos nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto (SP).

Na decisão em que autorizou a prisão dos quatro suspeitos, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, afirma que há "fortes indícios que os investigados integram organização criminosa para a prática de crimes e se uniram para violar o sigilo telefônico de diversas autoridades brasileiras via invasão do aplicativo Telegram".

Moro associou a prisão dos quatro suspeitos à divulgação, pelo site The Intercept Brasil, de mensagens que mostram interferência do ex-juiz da Lava Jato nas investigações da força-tarefa. 

Essa conexão, no entanto, não está citada na decisão do juiz Vallisney de Souza Oliveira. Tampouco há menção no pedido do Ministério Público que as fundamentou.

ENTENDA A OPERAÇÃO

Qual o resultado da operação da PF?
Nesta terça (23), quatro pessoas foram presas sob suspeita de hackear telefones de autoridades, incluindo Moro e Deltan. Foram cumpridas 11 ordens judiciais, das quais 7 de busca e apreensão e 4 de prisão temporária nas cidades de São Paulo, Araraquara (SP) e Ribeirão Preto (SP). Os quatro presos foram transferidos para Brasília, onde prestariam depoimento à PF

As prisões têm relação com as mensagens trocadas entre Moro e procuradores da Lava Jato divulgadas desde junho pelo site The Intercept Brasil?
A investigação ainda não conseguiu estabelecer com exatidão se o grupo sob investigação em São Paulo tem ligação com o pacote de mensagens. Também não há provas de que os diálogos, enviados ao Intercept por fonte anônima, foram obtidos a partir de ataque hacker

Como a investigação começou?
O inquérito em curso foi aberto em Brasília para apurar, inicialmente, o ataque a aparelhos de Moro, do juiz federal Abel Gomes, relator da Lava Jato no TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região), do juiz federal no Rio Flávio Lucas e dos delegados da PF em São Paulo Rafael Fernandes e Flávio Reis. Segundo investigadores, a apuração mostrou que o celular de Deltan também foi alvo do grupo

Quando Moro foi hackeado?
Segundo o ministro afirmou ao Senado, em 4 de junho, por volta das 18h, seu próprio número lhe telefonou três vezes. Segundo a Polícia Federal, os invasores não roubaram dados do aparelho. De acordo com o Intercept, não há ligação entre as mensagens e o ataque, visto que o pacote de conversas já estava com o site quando ocorreu a invasão

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.