Descrição de chapéu Previdência

Ciro diz que Tabata deveria deixar PDT: 'erro que não pode passar impune'

O ex-governador do Ceará participou de vários atos de campanha da deputada em 2018

Luciano Nagel
UOL

O ex-governador do Ceará Ciro Gomes (CE) afirmou na tarde desta quinta-feira (11), em um evento realizado na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, que a deputada federal Tabata Amaral (SP) deveria deixar o PDT.

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP), no plenário da câmara dos deputados, durante a votação da Reforma da Previdência. Ele foi favorável ao texto - Pedro Ladeira/Folhapress

Candidato à Presidência da República no ano passado, ele se mostrou decepcionado com a correligionária, que, nesta quarta, votou favoravelmente à aprovação do texto-base da reforma da Previdência na Câmara.

"Para mim, neste momento, ainda estou com aquele sofrimento que no verso de Djavan fala em 'desgosto de filha' e esse sentimento não é bom conselheiro para providências que devemos tomar", disse Ciro, que participou de diversos atos de campanha ao lado de Tabata durante a eleição do ano passado.

"É certo que, em minha opinião, ela cometeu um erro indesculpável, mas vale lembrar que a deputada tem 25 anos e ainda é uma idade em que as pessoas podem errar, embora no caso, um erro desse contra a melhor tradição do trabalhismo brasileiro e contra o povo mais pobre, é um erro que não pode passar impune", afirmou o ex-governador.

"Não acho, francamente, que ela tenha mais lugar para ficar no PDT. Acho que ela deveria sair, assim como os outros deputados do partido que votaram a favor da reforma também", afirmou.

De acordo com Ciro Gomes, "isso tudo será examinado nos devidos procedimentos que o PDT abrirá a partir da quarta-feira que vem", referindo-se a um procedimento da comissão de ética do partido que será instaurado. Mas para ele, Tabata e os outros pedetistas que contrariaram a orientação do partido deveriam deixar a sigla.

Nesta quarta, após a votação, a deputada disse que não vendeu seu voto e que o "sim" às mudanças nas regras de aposentadoria não significam um "sim" ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), tampouco um "não" à orientação do partido.

Ciro Gomes participa, na tarde desta quinta-feira, de evento como palestrante na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, onde faz uma avaliação dos seis primeiros meses do governo Bolsonaro.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.