Doria corteja Tabata e diz que deputada é rosto e alma do PSDB

Governador de SP diz que trocou mensagens com parlamentar novata, que é ameaçada de expulsão do PDT

Igor Gielow
São Paulo

O governador de São Paulo, João ​Doria (PSDB), defende a filiação da deputada Tabata Amaral ao seu partido, caso ela seja expulsa do PDT por ter contrariado determinação do partido na votação da reforma da Previdência.

“Troquei mensagens com ela. Ela é rosto, alma e coração do novo PSDB”, disse Doria, de Londres, onde está em missão comercial.

Ele ressalta que não fez convite à deputada, pois isso cabe ao presidente do partido, Bruno Araújo (PE).

O governador João Doria e a deputada Tabata Amaral, em encontro em abril, em São Paulo
O governador João Doria e a deputada Tabata Amaral, em encontro em abril, em São Paulo - Reprodução/Facebook

Tabata entrou na mira de caciques do PDT por ter votado a favor do texto-base da reforma da Previdência na quarta (10). Principal líder do partido, o ex-governador Ciro Gomes (CE) defendeu sua expulsão imediata.

“Acho que ela deveria sair, assim como os outros deputados do partido que votaram a favor da reforma”, afirmou o ex-candidato à Presidência. 

Tabata só pode mudar de sigla sem perder o cargo se for expulsa —o entendimento do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é que o partido não pode requerer o mandato de um parlamentar que tenha sido banido por ele. 

O político que foi afastado pode se filiar imediatamente a outra legenda. Há especulações de que o PPS poderia ser o destino de Tabata se o PDT cumprir sua ameaça.

A jovem de 25 anos vem chamando a atenção por sua atitude inquisitorial na Câmara e atraiu diversas críticas da esquerda por ser fotografada em evento com Doria.

Ele rejeita as críticas como sectarismo da mesma linhagem que ironiza o fato de ela ser uma pessoa da periferia que ascendeu após ganhar bolsa da fundação do bilionário Jorge Paulo Lemann.

Para Doria, Tabata seria um ativo de peso em sua tentativa de renovar a imagem do PSDB —partido que ele domina desde a debacle eleitoral de seu ex-mentor e antecessor Geraldo Alckmin na eleição presidencial do ano passado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.