Em casa de SP, bebê de um ano só come na creche, e 5 pessoas dividem 4 ovos

Fazedor de pipa discorda de Bolsonaro, que nesta sexta (19) negou que exista fome no Brasil

Thiago Amâncio
São Paulo

O jantar desta sexta-feira (19) na casa de Jadilson Morais da Silva, 25, serão os quatro ovos que restaram, que serão repartidos entre cinco pessoas: ele, sua mulher, sua mãe, sua irmã e seu filho.

“O que mata a fome do meu filho é a creche. Aqui em casa não tem nada para dar para ele”, resume Jadilson à Folha, por telefone.

Ele é categórico ao discordar do presidente Jair Bolsonaro (PSL), que afirmou que "falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira.”

Passo fome, às vezes, sim. Fico o dia todo sem comer nada. Comemos porque meu irmão às vezes ganha uma cesta na igreja, algum vizinho ajuda, a gente recebe uma caixinha de leite”, diz ele.

A situação da família, que vive na Brasilândia, zona norte de São Paulo, chegou a esse ponto há três anos, quando seu pai, que sustentava a família com um salário de segurança, morreu. 

A única renda da casa hoje é a pensão que a mãe de Jadilson recebe, de R$ 1.500. O problema é que R$ 300 são comprometidos logo de cara, de prestações de um empréstimo que pegou para enterrar o marido. Outros R$ 650 vão para o aluguel (que aumentou recentemente). As outras contas passam de R$ 100. “Não sobra nem para o gás”, afirma.

Jadilson já trabalhou em metalúrgica, lava-rápido e transportadora, mas ficou desempregado. Na última segunda-feira (15), conseguiu um emprego numa loja de pipas, em que espera ganhar cerca de R$ 800 por mês, se sua produção for boa.

“A gente tinha R$ 900 em conta atrasada, e iam cortar nossa luz. Mas o pessoal do emprego do meu irmão fez uma vaquinha para pagar”, conta. “O que salvou essa semana foi a comprinha que uns jornalistas fizeram para ajudar, pagaram até a fralda do meu filho.”

O menino, Bernardo, de um ano e três meses, é a maior preocupação da casa. “Quando ele não está em aula, damos um jeito, compramos uma bolacha. Ele não pediu para nascer nesse mundo, nós fazemos o que podemos. E assim vamos levando a vida.”

A mulher dele, Joelma, 19, faz bico de faxineira, quando consegue. Ela morou a vida toda em um abrigo de órfãos e tem problemas de audição. “Já pedi dinheiro na rua, mas não gosto, me sinto muito envergonhada. Às vezes querem jogar coisas na nossa cara, fico muito chateada”, diz.

Colaborou Fabrício Lobel

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.