Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Governador do PT reivindica autoria de obra que será inaugurada por Bolsonaro

Novo aeroporto de Vitória da Conquista receberá presidente em evento na terça (23)

João Pedro Pitombo
Salvador

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), e o presidente Jair Bolsonaro (PSL) travam uma disputa de bastidor pela paternidade da obra do novo aeroporto de Vitória da Conquista (518 km de Salvador).

A obra será inaugurada na próxima terça-feira (23), quando avião presidencial com Jair Bolsonaro irá aterrissar na cidade no voo inaugural do aeroporto.

Com um investimento de R$ 106 milhões, sendo R$ 75 milhões do governo federal e R$ 31 milhões do governo do estado, o novo aeroporto tem capacidade para atender até 500 mil passageiros por ano. Foi batizado com o nome do cineasta Glauber Rocha, que nasceu em Vitória da Conquista.

Em uma peça publicitária divulgada nesta quarta-feira (17), o governo da Bahia reivindica a autoria do aeroporto e ironiza, por meio de uma canção do repentista Onildo Barbosa, a profusão de “pais da obra”.

“Quando o filho é bonito, qualquer pai quer assumir / o aeroporto é lindo venha e ver e aplaudir / foi o governo do Estado que deu um duro danado / e conseguiu construir”, canta o repentista.

Nos bastidores, contudo, deputados da oposição ao petista Rui Costa e até mesmo o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM), provável candidato ao governo da Bahia em 2022, tentam disputar os louros do novo aeroporto.

Na última quarta-feira (10), ACM Neto reuniu-se em Brasília com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, para organizar a participação de Bolsonaro na inauguração do aeroporto. Também participou da reunião o prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (MDB), que é aliado de ACM Neto.

O próprio governador Rui Costa, por sua vez, disse que convidou o presidente para participar da inauguração pelo fato de ele “representar o ente federal”.  Mas fez questão de destacar que não houve repasses para a obra na gestão do presidente Bolsonaro.

"Mesmo o atual governo não tendo contribuído com um real, porque todo o pagamento foi feito até novembro [de 2018], entendo que o atual governo representa o ente federal. Se tem recurso federal, eu fiz questão de ligar para o ministro e estendi o convite para o presidente da República", disse Costa nesta quarta-feira (17).

Aliada de Jair Bolsonaro, a deputada federal Dayane Pimentel (PSL) criticou a postura do governador: "Convidou quem pagou pela festa? Imagina só o absurdo e a falta de noção republicana", afirmou.

O líder do DEM na Câmara dos Deputados, Elmar Nascimento, também ironizou o convite do governador ao presidente.

“É a mesma coisa de convidar o aniversariante para o aniversário dele. A festa é do presidente porque foi uma obra financiada majoritariamente com recurso federal”, afirma o deputado.

Ele ainda lembra que R$ 40 milhões para a obra foram garantidos por uma emenda de bandada coordenada pelo então senador ACM Júnior (DEM), que assumiu o mandato no Senado em 2007 após a morte do pai.

O deputado ainda destaca que a obra foi iniciada em 2012, mas teve os recursos contingenciados durante o governo da presidente Dilma Rousseff (PT). Depois, voltou a ganhar fôlego na gestão Temer.

“Ninguém quer falar o nome dele porque virou quase um palavrão. Mas, para ser justo com a história, se essa obra tem um pai ele é Geddel Vieira Lima. Ele que a apadrinhou e fez com que ela saísse do papel”, afirma Elmar.

Ex-ministro de Temer, Geddel está preso preventivamente desde setembro de 2017 na penitenciária da Papuda, em Brasília. Na época, a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador ligado ao emedebista. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.