Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Justiça manda soltar três assessores de ministro ligados a laranjas do PSL

Auxiliares de Marcelo Álvaro Antônio estavam presos temporariamente desde quinta (27)

Brasília

O juiz Renan Chaves Machado, da 26ª Zona Eleitoral de Minas Gerais, determinou nesta segunda-feira (1º) a soltura do assessor especial e de dois ex-auxiliares do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Os três estavam em prisão temporária desde quinta-feira (27), quando foram detidos pela Polícia Federal em decorrência das investigações sobre as candidaturas laranjas do PSL de Minas Gerais.

As prisões temporárias têm prazo de cinco dias, prorrogáveis. Na sexta-feira (28), o juiz havia negado o pedido de soltura feito pela defesa, que argumentava que clientes já haviam prestado depoimento e todos os esclarecimentos devidos.

Estavam presos Mateus Von Rondon, assessor especial e braço direito de Álvaro Antônio, Roberto Soares e Haissander de Paula, ex-assessores e que coordenaram a campanha do político no Vale do Aço de Minas. A residência deles também foi alvo de busca e apreensão.

A investigação sobre as candidaturas laranjas do PSL começou após revelação da Folha, que mostrou em fevereiro o direcionamento de R$ 279 mil em verbas públicas do PSL para quatro candidatas do partido em Minas que tiveram, juntas, apenas cerca de 2.000 votos —um indicativo de que não houve campanha real.

Parte do dinheiro foi parar em empresas de Von Rondon e ligadas a Roberto Soares. A suspeita é a de que as quatro candidatas tenham sido usadas para desvio de dinheiro público eleitoral. Na época, Álvaro Antônio era o comandante do PSL em Minas Gerais.

Elas foram chamadas a prestar novo depoimento nesta segunda, mas permaneceram caladas.

O presidente Bolsonaro, que é do PSL, afirmou durante viagem ao Japão que determinou ao ministro da Justiça, Sergio Moro, a investigação de candidaturas laranjas em outros partidos. O caso foi discutido pelo presidente em reunião com o ex-juiz nesta segunda.

O ministro do Turismo sempre negou participação em irregularidades. 

Segundo o ministério, Von Rondon deve voltar ao trabalho nesta terça (2). A pasta informou que os dias em que ele ficou afastado, por estar preso, não podem ser descontados de seu salário, conforme jurisprudência do STF.

O advogado de Von Rondon, João Marcos Braga, disse que a prisão de seu cliente causou estranheza porque parece ter sido decretada apenas para a polícia interrogá-lo —o que, em seu entendimento, foi vetado desde que o STF proibiu conduções coercitivas para fins de interrogatório.

“Muito se perguntou sobre o ministro [do Turismo], sobre questões políticas envolvendo o partido em Minas Gerais”, e pouco sobre os fatos em si, disse Braga. Segundo ele, Álvaro Antônio não é investigado no inquérito. 

O advogado disse que a PF apreendeu na casa de Von Rondon documentos, pen-drives, notebook e celular. Segundo ele, seu cliente provará que a prisão foi injusta porque ele não cometeu nenhum crime.

Por fim, o defensor lançou dúvidas sobre a atuação do delegado que conduz o inquérito em Minas, Marinho Rezende, porque ele aparece em uma foto ao lado da ex-deputada Jô Moraes (PC do B-MG). “Não quero crer que essa seja uma investigação de cunho político”, disse Braga. 

Procurada, a PF informou que a foto foi tirada numa solenidade pública de posse do superintendente da instituição em Minas, em janeiro de 2018, realizada na sede da OAB local. Segundo a PF, o delegado não tem nenhum vínculo com a ex-deputada. Na foto original, havia mais pessoas além do delegado e da ex-deputada. 

Roberto Soares e Haissander de Paula também negaram ter promovido esquema de candidaturas laranjas.

Colaborou Reynaldo Turollo Jr. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.