Perícia aponta série de elementos de autenticidade em áudio de Deltan

Em gravação divulgada pelo Intercept, procurador comemora proibição de entrevista de Lula

São Paulo

Perícia contratada pela Folha mostra uma série de elementos de autenticidade na gravação de áudio atribuída ao procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, e divulgada pelo The Intercept Brasil no último dia 9.

No arquivo de som disponibilizado pelo Intercept, Deltan diz que a proibição de entrevista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Folha, no ano passado, era “uma notícia boa”.

Segundo o parecer técnico elaborado pela empresa especializada em perícias IBP (Instituto Brasileiro de Peritos), não foram encontrados vestígios de descontinuidades ou eventos acústicos que indiquem a existência de cortes, inserções ou modificações no áudio.

 

Com base em métodos de fonoaudiologia forense, a perícia indica semelhança entre a voz que consta no registro divulgado pelo Intercept e uma amostra de voz obtida a partir de uma entrevista com Deltan publicada também no Youtube, assim como a gravação desse áudio.

Uma das etapas do trabalho técnico foi a busca por elementos que pudessem excluir a hipótese de que a voz e a fala presentes nos áudios fossem da mesma pessoa.

Em outra fase, os peritos analisaram diferentes parâmetros técnicos e verificaram que as amostras são compatíveis.

O parecer foi assinado por Giuliano Giova, doutor em Sistemas Eletrônicos pela Escola Politécnica da USP, Gustavo Batistuzzo, engenheiro pela Escola Politécnica da USP, Priscila Haydée de Souza, fonoaudióloga pela UNESP e mestre em Fonoaudiologia pela PUC/SP, Aline Cristina Pacheco Castilho, fonoaudióloga pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP e doutora em Neurociências pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP, e Jefferson Jesus Hengles Ameida, engenheiro e mestre pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Perícia aponta série de elementos de autenticidade em áudio de Deltan
Perícia aponta série de elementos de autenticidade em áudio de Deltan - Reprodução

A amostra para a comparação das vozes foi um arquivo de vídeo que contém uma entrevista de Deltan para o jornalista argentino Hugo Alconada Mon sobre a Operação Lava Jato.

Os arquivos foram examinados com base em fundamentos da fonoaudiologia (com análises perceptivo-auditiva, acústica e perceptivo-visual), da tecnologia da informação e da engenharia.

O trabalho técnico aponta que não há vestígios de edição no áudio disponibilizado pelo Intercept.

"Não há indícios de descontinuidades na expressividade da voz, ou seja, as falas do interlocutor observadas durante a análise do arquivo apresentaram coerência na evolução do ritmo, intensidade e entonação, não apresentando variações de velocidade, pitch, loudness ou súbitas interrupções e transições rápidas, que alterassem a coerência e a linearidade do discurso", segundo a perícia.

Os técnicos realizaram uma análise denominada perceptivo-auditiva, pela qual são verificados os elementos que caracterizam o perfil de comunicação de cada pessoa. Esse exames contém avaliações sobre padrões das vogais e consoantes, ritmo de fala, padrões de entonação, qualidade de voz, velocidade de fala e hábitos apresentados pelo falante.

A perícia também incluiu uma análise acústica, que abordou parâmetros como a frequência da voz do procurador.

No parecer, os técnicos apontam que há diferenças nas amostras decorrentes dos contextos distintos em que as falas ocorreram.

Na gravação divulgada pelo Intercept, o discurso foi coloquial, uma vez que realizado em um grupo privado com pessoas conhecidas. Já na outra amostra, uma entrevista para o público em geral, o tom foi mais formal.

Porém tais fatores não levaram os peritos a atestar que as falas são de pessoas diferentes.

“As alterações encontradas na fluidez do discurso, em relação aos quesitos ritmo de fala e entonação, são possíveis de se encontrar e não excluem a hipótese de que os áudios sejam de autoria de um mesmo interlocutor”, segundo o laudo.

Em sua parte conclusiva, o parecer relata que “a aplicação dos diversos métodos próprios das áreas de fonoaudiologia forense indica semelhança nos parâmetros analisados entre a amostra de voz questionada e a amostra de voz padrão, o que indica que a amostra questionada é compatível com a voz e fala do Procurador da República Sr. Deltan Dallagnol”.

A perícia indica ainda que a voz no arquivo divulgado pelo Intercept sugere que o falante possivelmente estava com uma obstrução nas vias aéreas superiores, a exemplo do que ocorre quando uma pessoa está com gripe, mas tal condição não invalidou a conclusão de compatibilidade entre as amostras.

O laudo aponta que as características técnicas do arquivo divulgado pelo Intercept no Youtube não permitiram chegar à conclusão de que o áudio original tenha sido gerado diretamente no aplicativo Telegram, mas isso não impediu a constatação de que não há indícios de cortes ou adulterações no áudio.

Como foi feita a perícia

Comparação
Os peritos compararam o áudio com um vídeo de uma entrevista de Deltan para o jornalista argentino Hugo Alconada Mon

O que foi avaliado
Itens como padrões das vogais e consoantes, ritmo de fala, padrões de entonação, qualidade de voz, velocidade de fala, frequência da voz e hábitos apresentados pelo falante

ConclusãoA perícia concluiu que o áudio é compatível com a voz e a fala de Deltan. Os peritos também não encontraram indícios de que o áudio foi editado ou manipulado
 

PARA ENTENDER AS CONVERSAS

O que são Desde 9.jun, o site The Intercept Brasil vem divulgando um pacote de conversas envolvendo procuradores da República em Curitiba e Sergio Moro, na época juiz responsável pelos processos da Lava Jato

Período Os diálogos aconteceram desde 2015 pelo aplicativo Telegram

Fonte O site informou que obteve o material de uma fonte anônima que procurou a reportagem. O vazamento, segundo o Intercept, não está ligado ao ataque ao celular de Moro, em 4.jun

Análise A Folha teve acesso ao material e não detectou nenhum indício de que ele possa ter sido adulterado. Os repórteres, por exemplo, encontraram diversas mensagens que eles próprios trocaram com a força-tarefa nos últimos anos

Conteúdo As mensagens indicam troca de colaboração entre Moro e a força-tarefa da Lava Jato. Segundo a lei, o juiz não pode auxiliar ou aconselhar nenhuma das partes do processo

Defesa Moro afirma ser alvo de um ataque hacker que mira as instituições e que tem como objetivo anular condenações por corrupção. O ex-juiz diz ainda não ter como garantir a veracidade das mensagens (mas também não as nega), refuta a possibilidade de ter feito conluio com o Ministério Público e chama a divulgação das mensagens de sensacionalista

Consequências O vazamento pode levar à anulação de condenações proferidas por Moro, caso haja entendimento que ele era suspeito (comprometido com uma das partes). Isso inclui o julgamento do ex-presidente Lula

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.