Descrição de chapéu BBC News Brasil Lava Jato

Se Moro cometeu algum erro, terá valido a pena para salvar Brasil da corrupção, diz Doria

Em entrevista, governador paulista afirma que reeleição 'não costuma funcionar bem' no Brasil

Laís Alegretti
Londres | BBC News Brasil

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), é bastante enfático ao defender a atuação de Sergio Moro, ministro da Justiça e da Segurança Pública, como juiz federal responsável pelos casos da Operação Lava Jato em Curitiba.

O hoje ministro tem sido alvo de questionamentos e críticas depois que o site The Intercept Brasil publicou uma série de mensagens privadas atribuídas a ele, nas quais orienta procuradores da força-tarefa a mudar ordens de fases da investigação, incluir provas e vazar delações.

O governador de São Paulo, João Doria, durante entrevista à BBC News Brasil em Londres
O governador de São Paulo, João Doria, durante entrevista à BBC News Brasil em Londres - Elisa Kriezis/BBC

Sobre o teor do material divulgado, Doria afirma que não deixa de apoiar Moro mesmo que o conteúdo tenha sua veracidade comprovada.

"Tenho grande respeito pelo ministro e pelo ex-juiz Sergio Moro. E acho que, se algum erro foi cometido —isso ainda precisa ser apurado, dado que até o presente momento o vazamento desses áudios não são legais—, entendo que, mesmo assim, o benefício daquilo que foi feito pela Operação Lava Jato para salvar o Brasil da corrupção e de um extenso período que prejudicou milhões de brasileiros e assaltou os cofres públicos faz com que eu mantenha meu respeito por Sergio Moro", disse à BBC News Brasil em Londres, onde se reuniu com investidores.

Questionado se as ações de Moro teriam valido a pena, caso os diálogos sejam reais, Doria afirma: "Na minha visão, sim".

Ao longo da entrevista, Doria também falou sobre seus planos para a próxima eleição presidencial ("É hora de gestão, não é hora de eleição") e criticou o mecanismo de reeleição no Brasil, ao comentar a possibilidade aventada pelo presidente Jair Bolsonaro para 2022.

"Todos os governadores e presidentes que foram reeleitos não cumpriram em seu segundo mandato uma tarefa melhor do que cumpriram em seu primeiro mandato. A instituição da reeleição é legítima, democrática, mas no Brasil ela não costuma funcionar bem", afirmou Doria.

Doria, que deixou a Prefeitura de São Paulo após um ano e três meses à frente do cargo para se candidatar ao governo do estado em 2018, disse que "muitas vezes" um governo, antes de chegar à metade, já está se mobilizando por uma reeleição.

Sobre os primeiros seis meses do governo Bolsonaro, Doria diz que a relação com o Congresso "poderia ter sido melhor". "Mais paz no PSL vai ajudar o governo a viver em paz também", afirmou.

Apesar dos problemas de diálogo entre Executivo e Legislativo, na opinião de Doria houve um entendimento entre os envolvidos e a reforma da Previdência será aprovada pelo Congresso até setembro.

Confira os principais trechos da entrevista:

O sr. veio a Londres para uma rodada de reuniões em busca de investimentos e parcerias. Mas o Brasil está em um momento delicado. Como o sr. vende a imagem do Brasil com o nível de investimento do jeito que está, com o crescimento do jeito que está e com essa promessa, há muito tempo, de o país aprovar uma reforma da Previdência? Na qualidade de governador de São Paulo, a minha prioridade é vender São Paulo. São Paulo tem imagem boa aqui na Inglaterra, dado ao fato de que, ao longo dos últimos mais de cem anos, investimentos britânicos se consolidaram lá em São Paulo.

E, no âmbito do Brasil, o fato de estarmos na iminência da aprovação da reforma da Previdência, gerou um sentimento —pelo menos dos investidores com os quais falamos até agora— positivo em relação às perspectivas do Brasil, dando imagem melhor para esses novos investimentos que o Brasil certamente saberá captar ao longo dos próximos meses.

Essa iminência que o sr. menciona, de aprovar a reforma da Previdência, está aí há algum tempo, inclusive antes do governo atual. O sr. disse que garantiu aos investidores que a reforma será aprovada. No papel de governador de São Paulo, como o sr. pode dizer com tanta certeza que a reforma será aprovada agora? Eu tenho dialogado quase que diariamente com líderes do Congresso Nacional, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e isso me dá a convicção de que a aprovação é iminente.

Na próxima semana, tudo indica que aprovação na Câmara acontecerá e, após o recesso, num prazo de 30 a 40 dias, o Senado vai ratificar esta aprovação. Debaterá, cumprirá seu papel federativo, mas estou absolutamente convicto de que no mês de setembro já teremos a reforma da Previdência aprovada.

O sr. vem defendendo, junto com a necessidade de uma reforma da Previdência, que estados e municípios estejam contidos nessa proposta, que não é o que está chegando ao plenário da Câmara hoje. Essa reforma que o sr. diz que em setembro estará aprovada terá estados e municípios ou, como o sr. falou antes, o próximo presidente terá que fazer uma nova reforma? Eu espero que sim. Vinte e dois dos 27 governadores são favoráveis à inclusão de estados e municípios e já declararam isso.

Apenas cinco manifestaram posições contrárias, mas eu diria até não definitivamente contrárias. Desejam que negociações possam ser feitas, com objetivo de melhorar as condições fiscais e de dívidas que seus estados têm com o governo federal, para que possam traduzir os votos no plenário, tanto na Câmara quanto no Senado.

Eu ainda tenho a esperança de que estados e municípios possam ser incluídos no Senado, no plenário, para que a reforma da Previdência seja completa. Sendo completa, ela será mais duradoura: não será uma reforma para cinco anos, e sim uma reforma para dez a 20 anos.

Com inclusão de estados e municípios, ela é duradoura e completa. É uma reforma para dez e talvez 20 anos. Se não houver inclusão de estados e municípios, provavelmente o futuro presidente da República terá que fazer uma nova reforma da Previdência —ou seja, bom, de qualquer maneira, que seja aprovada e seja feita. A melhor reforma é aquela que será realizada, mas melhor que ela seja completa.

O sr. já elogiou o engajamento do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, nesse tema. Se realmente a reforma desta vez for aprovada, existe essa discussão de se a aprovação é vitória do Rodrigo Maia, do Palácio do Planalto... É uma vitória do Rodrigo Maia? É uma vitória do Brasil e dos brasileiros, com uma boa e expressiva participação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia —fundamental, eu diria. E coloco também nesta mesma condição o senador Davi Alcolumbre (presidente do Senado).

E destaco, no âmbito do Executivo, o trabalho e a dedicação do ministro Paulo Guedes, do ex-deputado Rogério Marinho (secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia). E também de todos aqueles que, como governadores dos seus estados, fizeram, a exemplo de São Paulo, a mobilização dos seus parlamentares para votarem favoravelmente.

E o presidente da República? Ajudou, atrapalhou? Também. Ele lidera, evidentemente. A equipe econômica é liderada no governo Jair Bolsonaro. Portanto, o governo é o autor da proposta encaminhada ao Congresso. Merece também o mérito advindo desse esforço. Mas é um esforço coletivo.

Depois de seis meses do novo governo, o sr. acha que a imagem que se tem do Brasil no exterior melhorou ou piorou? Eu prefiro não fazer avaliações sobre o governo Bolsonaro, principalmente sob o prisma europeu. A Europa tem um sentimento em relação ao presidente Bolsonaro que talvez não seja o mesmo em relação a outras regiões do planeta.

Eu prefiro acreditar que o Brasil possa melhorar e que, com a reforma da Previdência possamos gerar empregos, oportunidades, valorizar o empreendedorismo e fazer a nossa tarefa, que é governar bem São Paulo.

Não ficou claro. De que forma o sr. acha que a Europa vê o Brasil, o presidente Bolsonaro, "diferente"? Eu acompanho bem os veículos de comunicação da Europa e vejo muitas vezes posições duras em relação ao Brasil e ao governo brasileiro, mas são posições que, a meu ver, podem melhorar diante de bons exemplos e de boas sinalizações que o país, sobretudo agora, diante da perspectiva da reforma da Previdência, poderá sinalizar.

Aqui fora a gente vê uma preocupação muito grande com a questão ambiental. E, com a Amazônia, o Brasil está no centro dessas discussões. O sr. concorda com a política do governo federal em relação ao meio ambiente? Eu, de novo, prefiro não fazer juízo sobre o governo federal. Mas quero ressaltar que, no caso de São Paulo, especificamente, respeitamos todos os protocolos ambientais e os entendimentos recomendados pela ONU.

Temos uma estrutura bastante robusta na área ambiental, através de uma agência chamada Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), uma secretaria que mantém o entendimento de que a proteção ambiental é necessária, é fundamental.

Ela pode ser harmonizada com o crescimento, o desenvolvimento, mas não à revelia da obediência à lei, e principalmente no sentimento de que precisamos proteger o meio ambiente e respeitar o planeta.

O presidente Jair Bolsonaro falou que "o Brasil é a virgem que todo tarado quer", ao falar sobre o tema. O sr. considera essa comparação apropriada? Eu sempre evito fazer julgamentos. Mas eu diria que talvez não tenha sido a melhor frase. Uma posição que o Brasil deve ser respeitado exatamente pela dimensão de suas florestas, das suas reservas ambientais, e de uma consciência ambiental que precisa ser expandida e precisa ser harmonizada.

Eu sempre defendi o diálogo e o entendimento. Posições mais radicalizadas tanto no ativismo ambiental como na defesa governamental costumam não ser as melhores opções.

O sr. pretende se candidatar à Presidência? Eu pretendo ser um bom governador de São Paulo. Essa é a minha responsabilidade. Acabamos de sair de uma eleição. É hora de gestão, não é hora de eleição.

O sr. já falou várias vezes que é hora de focar na gestão. Mas o atual presidente, que tem um país inteiro para governar, já falou em reeleição e em entregar o país em 2026 para o sucessor dele. Ele está sem foco na gestão? No nosso caso —eu respondo por mim, pelo estado de São Paulo—, é fazer gestão e foco exclusivo na gestão e no bom governo.

Quero ressaltar também que eu, pessoalmente —não é um fato novo— sempre fui contra a reeleição. A reeleição no Brasil não é uma boa referência.

Todos os governadores e presidentes que foram reeleitos não cumpriram em seu segundo mandato uma tarefa melhor do que cumpriram em seu primeiro mandato. A instituição da reeleição é legítima, democrática, mas no Brasil ela não costuma funcionar bem.

Muitas vezes um governo, antes de chegar à sua metade, já está pensando, trabalhando e se mobilizando por uma reeleição —quando deveria ficar mobilizado exclusivamente até a conclusão de seu mandato em gestão, e é o que faremos em São Paulo.

Falando de uma eleição mais próxima, então: quem o sr. vai apoiar para a Prefeitura de São Paulo? Claramente Bruno Covas, prefeito de São Paulo. Mas tenho sugerido ao Bruno —com o qual mantenho uma relação muito constante— que ele foque também na gestão e que deixe eleição para o ano que vem.

O sr. fez um movimento que estava sendo avaliado como de se afastar do Bruno Covas e incentivar a deputada Joice Hasselmann, do PSL, a pensar nisso. Está descartado o apoio do sr. em relação à deputada? Nunca houve afastamento em relação ao Bruno. O Bruno foi escolhido por mim, pessoalmente, para ser meu candidato a vice-prefeito. Disputamos a eleição juntos e eu contrariei o meu partido.

Meu partido não queria que o Bruno Covas fosse candidato a vice-prefeito, e sim que fosse um outro nome, numa composição de aliança partidária, com outra agremiação, e eu defendi que podíamos ter chapa pura.

O Datafolha mostrou que a maioria dos entrevistados reprova a conduta de Moro nos diálogos que foram divulgados. Com o que já saiu até agora, como o sr. avalia a postura do ex-juiz? Vai continuar a apoiá-lo? O Sergio Moro tem o meu apoio, seja como ministro da Justiça —e está sendo um bom ministro da Justiça—, seja por aquilo que ele realizou como juiz federal.

O Brasil não teria realizado a Operação Lava Jato com a eficiência, com a prudência e com a isenção com que realizou não só no trabalho do juiz Sergio Moro, mas de outros juízes, desembargadores, promotores, policiais federais que ao longo dos últimos cinco ou seis anos conseguiram dar um exemplo para o mundo de que era possível identificar aqueles que fizeram gestões criminosas com o dinheiro público no plano federal, estadual, no plano de estatais.

Tenho grande respeito pelo ministro e pelo ex-juiz Sergio Moro. E acho que, se algum erro foi cometido —isso ainda precisa ser apurado, dado que até o presente momento o vazamento desses áudios não são legais—, entendo que, mesmo assim, o benefício daquilo que foi feito pela Operação Lava Jato para salvar o Brasil da corrupção e de um extenso período que prejudicou milhões de brasileiros e assaltou os cofres públicos faz com que eu mantenha meu respeito por Sergio Moro.

O que o sr. está dizendo é que, mesmo que os diálogos sejam reais, acha que valeu a pena? Na minha visão, sim. Repito: eles não estão amparados legalmente, é preciso que essa investigação prossiga, mas mesmo assim essa é uma opinião pessoal. Não é uma opinião de partido, mas uma opinião minha. Eu não deixo de apoiar Sergio Moro.

O sr. usou a palavra "isenção". Acha que o ex-juiz Sergio Moro foi isento? Na defesa do justo, do correto, sim.

Nesses seis primeiros meses de governo, uma crítica recorrente foi a relação do novo governo, que mencionou muito o termo "velha política", com o Congresso Nacional. O sr. acha que foi ruim essa relação, que eles não conseguiram chegar onde queriam? Entendo que poderia ter sido melhor. Mas houve um entendimento e esse entendimento está resultando na aprovação da reforma da Previdência nas próximas semanas. E tudo é um aprendizado.

É um governo novo, de um partido novo, cujo traquejo vem sendo feito durante a própria navegação deste governo, vêm sendo feitos os reparos necessários para que essa navegação possa ser mais tranquila. Eu vejo um esforço capitaneado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para que essa relação seja boa, frutífera e respeitosa.

E o PSL, partido do presidente, está ajudando ou atrapalhando essa navegação? Também está na fase do aprendizado. E eu destaco um nome que você falou agora há pouco, da deputada Joice Hasselmann, que vem sendo, a meu ver, brilhante na conduta do seu trabalho como líder na Câmara [líder do governo no Congresso Nacional].

Acho que é um bom exemplo para que o partido possa seguir, evitando conflitos internos e apoiando as políticas públicas do presidente Bolsonaro. Mais paz no PSL vai ajudar o governo a viver em paz também.

Sobre a Fórmula 1, o presidente Jair Bolsonaro falou que tem 99% de chance de o GP ir pro Rio de Janeiro. Como o sr. vai transformar esse 1% em realidade? Primeiro, o presidente, creio, tenha sido mal informado. Ele, como pessoa de bem, e com a melhor das intenções, acreditou em um conjunto de informações que talvez não tenham sido fundamentadas como deveriam ser.

Eu lamento ter que dizer que há 99% de possibilidade de a Fórmula 1 não sair de São Paulo. É exatamente o oposto.

Eu não quero contrariar o presidente Bolsonaro, nem o governador do Rio de Janeiro, nem o prefeito da cidade do Rio de Janeiro —são pessoas que eu gosto e com as quais convivo. E gosto muito do Rio de Janeiro também, onde vivi parte da minha vida e conheci minha esposa.

Mas o Rio tem possibilidade, condições, para abrigar outros eventos, na música, na cultura, na própria atividade esportiva, sem ter que mobilizar R$ 1 bilhão de investimento para fazer um autódromo, para depois se credenciar a buscar a Fórmula 1.

Não me parece real buscar R$ 1 bilhão de investimentos para fazer um autódromo onde hoje há apenas um charco, natureza, com o objetivo de levar a Fórmula 1 de São Paulo para o Rio de Janeiro. Respeitosamente, a Fórmula 1 não vai sair de São Paulo.

Nas reuniões do sr. aqui, de que forma o brexit afetou as conversas de vocês? O sr. avalia que tem mais espaço para o Brasil ou menos espaço? Não me compete fazer análise sobre políticas seja na Grã-Bretanha, seja no continente europeu. Mas a opção feita pela Grã-Bretanha pela saída do mercado europeu favorece o Brasil, evidentemente, porque amplia oportunidades de exportações de commodities, produtos e serviços do Brasil para a Inglaterra.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.