Descrição de chapéu Entrevista da 2ª

Sociedade está sob anestesia e não entendeu Previdência, diz líder da oposição

Alessandro Molon afirma que opinião das pessoas vai mudar quando elas forem ao INSS pedir aposentadoria

Ranier Bragon Thiago Resende
Brasília

Líder da oposição na Câmara, o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), 47, afirma que a parte da população favorável à reforma da Previdência ainda não compreendeu o que realmente está acontecendo. 

"Há ainda, eu percebo, uma espécie de anestesia na sociedade em relação a esse tema, porque acho que ainda não compreenderam. Quando compreenderem, quando as pessoas entenderem o que aconteceu, eu não tenho a menor dúvida de que essa percepção vai mudar radicalmente", diz.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição na Câmara, no plenário da Casa - Pedro Ladeira/Folhapress

Apesar da acachapante derrota sofrida na quarta-feira (10), dia em que o texto-base da reforma foi aprovado por 379 votos contra 131, o ex-petista e ex-integrante da Rede de Marina Silva diz considerar que a oposição saiu maior do que entrou. Teria evitado a aprovação dos pontos mais "cruéis" da proposta. 

Molon diz que a esquerda falhou na comunicação das alternativas que defendia à reforma. E que o maior desafio agora será apresentar propostas de saídas para o Brasil diante de um governo classificado por ele como "caótico".

A oposição está numa encruzilhada?

Eu acredito que a gente tenha saído desse debate maior do que entrou. A oposição conseguiu fazer um debate qualificado e apresentar propostas que reduziram os impactos sociais mais cruéis do texto. Algumas conquistas foram nossa com outros partidos, mas a força da oposição foi importante para denunciar a crueldade daquelas medidas, que são [a mudança no pagamento do] BPC [benefício assistencial pago a idosos carentes e deficientes] e [na aposentadoria] rural, que foram excluídas na comissão especial. 

Mas outras vitórias que são da oposição mesmo, por exemplo, a retirada da capitalização [novo regime previdenciário, no qual cada trabalhador faz a própria poupança]. Ela foi denunciada pela oposição, que conseguiu mostrar que seria o fim da Previdência Social. 

No plenário da Câmara, a gente conseguiu uma medida mais importante de todas, que é essa redução [do tempo mínimo de contribuição para que homens se aposentem] de 20 anos para 15 anos. Evidentemente que o placar foi largo. Criou-se, ao longo desses dois anos e meio, três anos de debate sobre o tema, um consenso no país sobre a necessidade de uma reforma. A oposição não questiona esta necessidade, o que nós procuramos discutir foi a qualidade.

Diante da atitude do governo em ceder nesses pontos, por que a oposição, então, não foi a favor do texto-base?

O que distingue remédio e veneno é a dose. Do nosso ponto de vista, a dose continua errada e mira, sobretudo, os trabalhadores mais sofridos e as classes médias.

O sr. diz que a dose está errada. Qual seria a solução?

É preciso conciliar responsabilidade fiscal com responsabilidade social. É necessário fazer as contas se equilibrarem? Sim. Nós não somos daqueles que dizem: está tudo certo. 

À medida que a população vai vivendo mais, é razoável se cobrar que se trabalhe mais? É razoável. Discutir uma idade mínima é razoável? Sim, mas é preciso considerar o tempo de serviço sobretudo dos trabalhadores mais pobres.

Há uma percepção de que a oposição está isolada e sem rumo.

Está se criando essa percepção quando se olha pelo número de votos. Mas a qualidade da nossa participação nesse debate nos engrandeceu. 

Essa mudança no acesso à aposentadoria [de homens]... Ontem [quinta-feira] o Piketty [Thomas Piketty, diretor da l´Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales] publicou um artigo no Valor Econômico sobre a reforma da Previdência brasileira. A primeira coisa que ele cita de mais grave foi esse aumento de 15 para 20 anos [no tempo mínimo de contribuição de homens]. Ele é conhecido no mundo inteiro por estudar a desigualdade e disse que isso é o que mais iria agravá-la. 

Depois de três anos de campanha a favor da reforma, metade da população, segundo o Datafolha, é a favor e metade é contra. As pessoas estão convencidas de que tem que ter uma reforma da Previdência, e não esta. Quando o povo brasileiro entender o que isso representa na vida das pessoas, essa margem vai mudar completamente.

O sr. acha que o tempo vai dar razão a vocês?

Não tenho dúvidas. Sem dúvida é preciso fazer algo, nós apresentamos propostas que eram alternativas. Não apenas votamos contra, apresentamos emendas para modificar o texto. Conseguimos emplacar algumas, felizmente, pelo bem do povo brasileiro, outras não. 

Essa proposta ela é, na minha opinião, insustentável do ponto de vista social. Ela vai ter que em algum momento ser rediscutida porque isso vai esgarçar o tecido social brasileiro. Isso vai começar a aparecer nas pesquisas de economistas daqui a pouco, não vai ser agora. 

Por que muita gente da oposição, do PSB e do PDT, foi contra esse pensamento?

Porque avaliaram que, considerada a necessidade, ainda que a dose não estivesse adequada, deveriam votar a favor. Tenho certeza de que não foram pessoas que votaram por qualquer interesse menor, pessoal. Esse é um tema que os partidos vão ter que tratar em seus âmbitos. É preciso dialogar antes de qualquer medida.

 

O sr. faz alguma autocrítica sobre a ação da oposição?

Nós sempre gostaríamos de fazer mais. Conquistamos vitórias importantes, eu considero essa vitória dos 20 para os 15 uma vitória maiúscula. Falei com as pesquisadoras que foram citadas pelo Thomas Piketty, a professora Denise Gentil, da UFRJ [Universidade Federal do Rio], que é uma especialista, ela estava emocionadíssima. Ela disse "você está salvando a vida de milhões de pobres no Brasil, muito obrigada", chegou a chorar.

Não se viu nas ruas mobilização contra esses pontos da reforma destacados pela oposição. Isso representaria uma fragilidade da esquerda?

Houve manifestações importantes ao longo deste ano, em especial aquela catalisada pelos estudantes [contra cortes de verbas anunciados pelo ministro Abraham Weintraub], a greve geral, que de alguma maneira colocaram esse tema da Previdência, mas o que há é uma dificuldade muito grande de explicar o que é a reforma. 

Eu percebo uma espécie de anestesia na sociedade em relação a esse tema, porque acho que ainda não compreenderam. Quando compreenderem, quando as pessoas entenderem o que aconteceu, eu não tenho a menor dúvida de que essa percepção vai mudar radicalmente. 

Há aqui um problema, um desafio de comunicação. A gente talvez não tenha conseguido expor com a visibilidade necessária as alternativas que apresentamos. A gente ficou na luta de mostrar como essa proposta é ruim e talvez não tenhamos conseguido mostrar como nossas propostas eram melhores. 

Qual deve ser o rumo da oposição?

Tentar construir o que for possível aqui na Casa de propostas que possam ajudar o país a avançar, sair da crise e gerar emprego e renda. 

Há algum ponto em que os interesses da oposição e do governo sejam coincidentes?

Desburocratização, isso é um ponto que entendemos que é importante para o país. Agora, qual é o nosso desafio? Temos um governo caótico. Muita gente diz que isso torna a vida da oposição mais fácil, nem precisaríamos fazer oposição porque o governo mesmo se faz oposição. 

Veja agora: no meio da votação da reforma da Previdência, o presidente resolve anunciar seu filho como embaixador nos Estados Unidos. É inacreditável. Um governo caótico apresenta dois desafios a mais para a oposição: primeiro, que a cada momento se fala de uma coisa diferente e você não consegue ter método. Você está discutindo Previdência e tem que discutir filho embaixador. Você está tratando de propostas para gerar emprego e renda e o presidente propõe mudar o número de pinos da tomada. 

A cada hora é tiro para um lado e isso gera uma sensação de caos até no Congresso, que fica baratinado, correndo de um lado pro outro, tentando evitar o pior. 

Ao lado disso, temos que conseguir apresentar uma pauta de avanços para o país. Então vislumbro no segundo semestre a gente ser uma oposição mais propositiva, mostrando saídas para o pais, para economia, para a geração de emprego e renda, isso é uma coisa que a gente não conseguiu fazer no primeiro semestre, exceto na Previdência.

Qual a relação de vocês com Rodrigo Maia​, vai ser de oposição?

Somos de oposição ao governo Bolsonaro. Em muitas pautas, nós divergimos do presidente Maia, sim, porque a visão econômica dele é bastante alinhada com a visão do ministro Paulo Guedes, bastante liberal. 

O nosso desejo é, na convivência com ele, conseguir regar esse ambiente de uma convivência democrática, menos tóxica, mais baseada no diálogo, no debate de ideias, e fazer daqui da casa a possibilidade de construções de saída para o país, porque não podemos esperar isso do governo, do governo não virá.

Acho que ele [Maia] tem um papel fundamental para construir esse ambiente, um espaço para que as diversas visões possam crescer, ser debatidas sem violência, sem agressividade e sem demonização de quem pensa diferente. Uma democracia madura, sólida, passa por isso.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.