'Talvez pegue uma cana aqui no Brasil', diz Bolsonaro sobre Glenn Greenwald

Presidente afirmou que jornalista americano é 'malandro' por se casar com homem no Brasil

Diego Garcia
Rio de Janeiro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste sábado (27), em entrevista após evento no Rio, que o jornalista americano Glenn Greenwald "talvez pegue uma cana aqui no Brasil".

Greenwald é fundador do site The Intercept Brasil, que tem publicado desde 9 de junho reportagens com base em diálogos vazados do ministro Sergio Moro e de procuradores da força-tarefa da Lava Jato.

Presidente Jair Bolsonaro durante evento no RIo neste sábado (27) - Marcos Corrêa/Presidência da República

Na mesma entrevista, Bolsonaro disse ainda que Greenwald e o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) são “malandros” por terem se casado e adotado dois filhos no país. 

Bolsonaro fazia referência a uma portaria publicada por Moro, nesta sexta-feira (26), que estabelece um rito sumário de deportação de estrangeiros considerados "perigosos" ou que tenham praticado ato "contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal".

“Ele [Glenn] não se encaixa na portaria. Até porque ele é casado com outro homem e tem meninos adotados no Brasil. Malandro, malandro, para evitar um problema desse, casa com outro malandro e adota criança no Brasil. Esse é o problema que nós temos. Ele não vai embora, pode ficar tranquilo. Talvez pegue uma cana aqui no Brasil, não vai pegar lá fora não”, afirmou o presidente.

A portaria do Ministério da Justiça foi publicada em meio às divulgações do Intercept Brasil, que revelou, em trocas de mensagens privadas entre o ex-juiz e procuradores da força-tarefa, ingerência do atual ministro sobre as investigações da operação.

O jornalista e o Intercept têm dito que não fazem comentários sobre suas fontes. Sobre sigilo da fonte, o artigo quinto da Constituição afirma: "É assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional".

“Quando o Moro falou comigo, que teria carta branca, eu teria feito um decreto. Tem que mandar para fora quem não presta. Não tem nada a ver com o caso dele [Glenn]”, continuou o presidente.

Em 2004, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou suspender o visto de Larry Rohter, correspondente do The New York Times no Brasil, após o jornalista afirmar em reportagem que excesso de álcool afetava o então presidente. O governo voltou atrás na decisão depois que Rohter fez pedido de reconsideração, em meio a uma forte repercussão negativa sobre a iniciativa tanto no Brasil e no exterior.

O jornalista Gleen Greenwald, do site The Intercept Brasil, durante audiência na Câmara dos Deputados
O jornalista Gleen Greenwald, do site The Intercept Brasil, durante audiência na Câmara dos Deputados - Pedro Ladeira - 25.jun.19/Folhapress

Greenwald é cidadão dos Estados Unidos e mora no Rio de Janeiro. Ele é casado com um brasileiro, o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ), com quem tem dois filhos adotivos, também nascidos no país.

“Fui o único parlamentar, e mais um, não sei quem foi, que discursou contra projeto de Aloysio Nunes Ferreira que falava sobre imigração no Brasil. No Brasil você não dorme com as portas e janelas abertas em casa e nem no apartamento. No Brasil, está tudo escancarado”, disse Bolsonaro. 

Glenn Greenwald afirmou neste sábado (27) que a declaração do presidente sobre sua eventual prisão não faz nenhum sentido. “Ao contrário do que Bolsonaro deseja, não temos uma ditadura, temos uma democracia e para prender alguém é preciso mostrar evidencia de que a pessoa que você quer prender cometeu algum crime”, disse o jornalista à Folha.

"Isso é totalmente maluco porque o David e eu estamos casados há quase 15 anos", disse sobre a afirmação de que o jornalista é "malandro" por se casar com homem no Brasil. “Evidentemente Bolsonaro acha que tenho poder para prever o futuro, que depois de mais de dez anos eu precisaria dessa proteção para não ser deportado. É quase insana essa teoria", afirma.

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) repudiou a fala de Bolsonaro e, em uma rede social, afirmou ver risco à liberdade de expressão.

"Ao ameaçar de prisão um jornalista que publica informações que o desagradam, o presidente Bolsonaro promove e instiga graves agressões à liberdade de expressão", declarou a entidade.

"Sem jornalismo livre, as outras liberdades também morrerão. Chega de perseguição", acrescentou a Abraji, promovendo a hashtag #defendaojornalismo.

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) também se manifestou em defesa de Glenn após a fala de Bolsonaro e endossou a resposta do jornalista ao presidente. Em nota, a entidade disse que ele é alvo de intimidação e criticou a portaria assinada pelo ministro da Justiça.

"A ABI está acompanhando o caso e tomará medidas, no campo judicial, caso a portaria seja usada para atingir Greenwald, em mais um caso de arbítrio e de atentado à liberdade de imprensa", afirmou a organização.

Portaria de Moro

O presidente defendeu a portaria publicada por Moro. “Pela lei, se chegar aqui um navio com 5.000 pessoas de qualquer lugar do mundo, já sai com hospedagem. Não é assim! Não sou xenófobo, mas na minha casa entra quem eu quero, e a minha casa no momento é o Brasil. Se um cara for pego por suspeita de tráfico, sequestro, esses crimes brabos, é suspeito apenas, sai daqui! Já tem bandido demais no Brasil! Esse é o sentimento dele [Moro] e o meu também, parabéns ao Moro”, disse.

A norma publicada pelo ministro da Justiça também trata de casos de impedimento de ingresso ao Brasil e de repatriação.

Segundo a portaria, que recebeu o número 666, ficam sujeitos ao rito sumário estrangeiros suspeitos de terrorismo, de integrar grupo criminoso organizado ou organização criminosa armada, e suspeitos de terem traficado drogas, pessoas ou armas de fogo.

Glenn Greenwald escreveu em uma rede social que, ao publicar a portaria, Moro faz "terrorismo".

"Hoje [sexta] Sergio Moro decidiu publicar aleatoriamente uma lei [portaria] sobre como os estrangeiros podem ser sumariamente deportados ou expulsos do Brasil 'que tenham praticado ato contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição Federal.' Isso é terrorismo", afirmou o jornalista.

Época de exceção

Em conversas privadas neste sábado, ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) criticaram as declarações de Bolsonaro e disseram que ela remete aos tempos da ditadura militar (1964-1985), época da história brasileira frequentemente exaltada pelo presidente da República.

Eles lembraram que, embora um presidente tenha muitos poderes, segundo a Constituição, não há nenhum lastro que o permita influenciar ou determinar a prisão de alguém, o que é uma atribuição do Poder Judiciário, respeitada a legislação vigente.

Avançar além disso, na visão desses ministros, representa um cenário que se assemelharia ao da época de exceção, situação inimaginável no atual ordenamento jurídico.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.