Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bebianno vê Bolsonaro 'autoritário' e diz que filhos de Lula 'não atrapalhavam tanto'

Ex-ministro ataca Carlos e diz que indicação de Eduardo para embaixada é o fim da picada

Catia Seabra
Rio de Janeiro

Demitido por Jair Bolsonaro (PSL) logo no início da gestão, o advogado e ex-ministro Gustavo Bebianno diz que, antes humilde, o presidente se revelou autoritário e arrogante após eleito.

"É a velha política. Bolsonaro se mostrou muito arrogante. Na campanha e na pré-campanha, ele sempre foi bastante humilde. Eleito, ele revela um ar autoritário e agressivo desnecessariamente." 

Bebianno coordenou a campanha eleitoral de Bolsonaro ao Palácio do Planalto e deixou o governo federal após atritos com o presidente e seu filho Carlos (PSC), vereador no Rio de Janeiro. Ele foi demitido em meio ao escândalo de candidaturas laranjas no PSL, revelado pela Folha

Segundo o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, os filhos de Bolsonaro são mimados e atrapalham o governo. "O capitão confunde o papel de pai biológico com 'pai' de uma nação", afirma o advogado em entrevista à Folha. "Os filhos do Lula não atrapalhavam tanto."  ​

O ex-ministro Gustavo Bebianno
O ex-ministro Gustavo Bebianno - Ricardo Borges/Folhapress

Patrocinador da candidatura de Bolsonaro, Paulo Marinho afirmou que foram disparadas fake news durante a campanha. O sr. presenciou isso? ​Afirmou? Nunca viu. Como pode afirmar? Nunca vi, nem participei. Toda a administração da campanha foi feita por mim. Foi uma campanha profissional. Desse trabalho, posso garantir que nunca houve disparo de fake news.

Em paralelo, os filhos do presidente tinham sua vida. Nas suas próprias redes sociais. E o Carlos Bolsonaro tocava as redes do próprio pai. O que ele fazia, não sei porque não conversava com ele. Ele nunca participou da campanha.

O sr. põe a mão no fogo pelo Carlos? Não boto, não. Não boto a mão no fogo por ninguém como diz o próprio presidente. Só confio no meu pai.

O que acha de o presidente creditar ao filho sua vitória? É um pai que quer afagar o ego de seu filho. Salvo se enlouqueceu, o presidente sabe quem cuidou da campanha dele e removeu todos os obstáculos entre ele e a cadeira presidencial. Jair foi eleito apesar do Carlos.

A indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil em Washington também é um afago? O capitão confunde o papel de pai biológico com "pai" de uma nação. É um péssimo exemplo. O Eduardo não faz ideia do papel de um embaixador, não fala sequer o idioma. Bolsonaro sabe que ele não tem qualificação.

Por que diz isso? Do convívio que tive, um rapaz muito jovem, muito mimado. Aliás, os três são mimados. Ao contrário do que se fala, "Capitããão, criou os filhos". São mimados. Ele faz o que eles querem. [A indicação de Eduardo embaixador é] um grande equívoco do ponto de vista estratégico. O presidente coloca no colo eventuais problemas diplomáticos e transforma questões de Estado em pessoais. 

O que achou da estratégia de defesa de Flávio Bolsonaro de suspender na Justiça investigações de que é alvoFlávio comete suicídio político. Por mais que ele trave as investigações, o eleitorado da família Bolsonaro deve se questionar: "Se não há nada de errado, por que fazer tanta questão de ocultar e não permitir que venham à tona as movimentações bancárias?". Até aqui não me parece que o Flávio fez nada de errado, mas…

A estratégia contraria o discurso de campanha? Deixa o presidente em situação delicada. Paira sobre a família Bolsonaro uma desconfiança desnecessária. Para a manutenção do discurso de ética e austeridade, deveriam abrir logo isso e mostrar.

O ex-ministro Gustavo Bebianno
O ex-ministro Gustavo Bebianno - Ricardo Borges/Folhapress

Bolsonaro sempre foi um crítico dos filhos de Lula. Acha que ele está repetindo o Lula? Os filhos do Lula não atrapalhavam tanto. Pelo que se sabe, foram favorecidos em negócios com empresas particulares.

No caso de Bolsonaro, cada um dos filhos tem o mérito de ter obtido seus mandatos. Mas erram ao se intrometer tanto na função executiva do pai. Começa que eles não estão habilitados para esse tipo de tarefa. Segundo, têm tendência a induzir o pai ao caminho ideológico. E a eleição acabou.

O sr. conheceu o Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio na Assembleia do Rio? Tivemos contato três ou quatro vezes. Duas, se não me falha a memória, quando acompanhou o Jair ao gabinete do Flávio para fazer uma visita rápida. Uma vez em Resende, no evento da Aman [Academia Militar das Agulhas Negras]; uma vez em Belo Horizonte, em uma viagem em que ele acompanhou o Flávio. 

Como ele era acolhido pela família? Tem uma relação de amizade com o presidente de muitos anos. Era uma pessoa de confiança deles. 

Como se evidenciava isso? Pelo trato. Recebido calorosamente. Isso nunca foi objeto de segredo. Todo mundo sabia que Queiroz estava com a família há muito e era pessoa de sua confiança.

Falando em confiança, o sr. já relatou ter conversado de cueca na cama com o presidente. Como é isso? Em 2017, ia muito a Brasília e viajava muito com o presidente e pagava minhas despesas. A partir de um determinado momento, ele me convidou para ficar na casa dele. Havia um grau de intimidade. Duas pessoas amigas que compartilhavam um espaço pequeno.

Por isso o sr. se sentiu traído quando exonerado? Contratar ou exonerar é direito do presidente. O problema foi a forma. Depois de tudo que fiz, tentar distorcer minha imagem e fazer com que eu parecesse um traidor, isso não aceito. Fui fidelíssimo. Sempre resolvi todos os problemas. Ser considerado não confiável me deixou bastante aborrecido.

Triste? Triste. Se eu tivesse me calado, estaria lá até hoje. Como decidi não aceitar mais certos desaforos, feitos principalmente pelo Carlos… Porque o Jair sempre me tratou muito bem. Sempre foi uma relação muito fraterna.

E o Carlos? Carlos oscila muito. Tem um perfil um tanto quanto bipolar. Hoje fala muito bem com você. Daqui a meia hora é capaz de te destratar verbalmente, de uma atitude grosseira. Então ignorava o Carlos.

Mas a partir do momento que foi a público me chamar de mentiroso, quando na verdade não tinha mentira alguma, decidi não aceitar mesmo sabendo as consequências. Ele tem uma instabilidade emocional muito forte.

Bolsonaro tem muitos rompantes. O sr. não antevia isso? Conheci um Jair Bolsonaro até a eleição. Esse eu considerava um amigo, um homem que conciliava firmeza e a humildade para ouvir. O que conheci após as eleições é outra pessoa.

QualQue mostra algumas contradições. Defende a nova política. Mas não há nada mais velho na política do que empregar parentes e amigos. Essa indicação do Eduardo é o fim da picada. 

Como o sr. vê essa negociação no Senado para a aprovação do nome do Eduardo? É a velha política. Bolsonaro se mostrou muito arrogante. Na campanha e na pré-campanha, ele sempre foi bastante humilde. Eleito, ele revela um ar autoritário e agressivo desnecessariamente. O presidente da República tem que arrefecer os ânimos. Não alimentar discórdia.

Isso não pode ser estratégico? Na cabeça dele, é uma estratégia. Ele precisa disso para se manter vivo como político. Durante três décadas como parlamentar essa foi sua bandeira, o conflito. O que percebo é que hoje ele já está pensando na próxima eleição, até contra um compromisso de campanha que era não buscar a reeleição. Com sete meses de governo, tudo o que ele pensa é na reeleição. A postura dele é muito mais de candidato do que presidente.

Hoje o seu candidato é o João DoriaOutros nomes deverão surgir. Mas hoje acho João Doria o melhor nome para a próxima eleição. 

O sr. se arrepende de ter assumido o comando do PSL, que acabou acusado de lançamento de laranjas? Me arrependo, sim, de ter aceitado essa missão. Ele deveria ter colocado os filhos, já que são tão bons, para quebrar e carregar pedras como fiz. Assumi ônus. Bônus nada. Não fui candidato a nada. Não indiquei um só candidato. Só assumi problemas. No fim houve essa questão que se convencionou chamar de esquema dos candidatos laranjas. O que eu posso dizer é que nunca houve esquema porque não tinha dinheiro. Não tinha matéria-prima para o suposto esquema. Se houve erros pontuais, cometidos por essa ou aquela pessoa, não tenho como saber. Nenhuma nacional tem como saber. Se houve, cada um responda por si.

O sr. se decepcionou tanto na política a ponto de não ter projetos, ou é fato que o sr. pretende concorrer à Prefeitura do Rio? Enxergava em Bolsonaro uma voz isolada contra o PT e me aproximei para ajudá-lo como advogado e me apresentei como voluntário. 

No entanto, pela falta de estrutura que ele tinha, acabei abraçando responsabilidades que a rigor eu não teria abraçado. Por exemplo, a presidência do partido [PSL] a nível nacional e o comando da campanha. Isso acabou me dando uma visibilidade muito grande, exposição que nunca gostei de ter.

Deixei de ser uma pessoa anônima. O Rio, por sua vez, atravessa uma situação caótica. As pessoas começaram a me perguntar e incentivar. Então, vou abraçar esse desafio.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.