Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Não sei do Queiroz, cara', diz Bolsonaro após revista localizar ex-assessor

Presidente afirma que ex-auxiliar de Flávio responde pelos atos dele e eximiu filho de culpa

Danielle Brant
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou na manhã deste sábado (31) não saber do paradeiro ou do estado de saúde do policial militar aposentado Fabrício Queiroz, investigado por movimentações financeiras suspeitas com o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem foi assessor. 

"Eu não sei do Queiroz, cara. Eu não sei do Queiroz", afirmou, ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília, em direção ao regimento de polícia montada, acompanhado de sua filha mais nova, Laura. As declarações foram as primeiras sobre o assunto após a revista Veja publicar reportagem sobre a localização de Queiroz.

O presidente Jair Bolsonaro segura um celular e sorri para fazer uma selfie ao lado de uma apoiadora, que o beija no rosto
O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores populares no Palácio da Alvorada - Antonio Cruz - 30.ago.19/Agência Brasil

"Não existe telefonema para ele, nada, não sei onde ele está. Parece que a Veja descobriu, como se ele tivesse foragido. E pelo que eu sei ele já prestou depoimento por escrito. O que eu fiquei sabendo também exime meu filho de culpa", afirmou Bolsonaro.

"[Queiroz] Responde pelos atos dele", acrescentou. 

A reportagem de capa da revista, publicada nesta sexta (30), conta a rotina de Queiroz, com enfoque em suas idas ao Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Albert Einstein —que oferece consultas e serviços como radioterapia e quimioterapia. Queiroz foi visto no local desacompanhado de familiares ou seguranças, de boné preto e óculos de grau.

De acordo com a revista, Queiroz vive no Morumbi, bairro da zona sul de São Paulo onde fica o hospital, para onde se desloca de táxi ou carros de aplicativo. 

Bolsonaro também justificou as operações de compras e vendas de imóveis feitas por Flávio e que são alvo de investigação pelo Ministério Público do Rio de Janeiro --o inquérito está suspenso após decisão do ministro Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal).

Segundo a Promotoria do Rio, a empresa MCA Exportação e Participações adquiriu do senador 12 salas comerciais em construção 45 dias depois de Flávio ter firmado escritura para obter os direitos sobre sete desses imóveis. 
 

“Vou repetir para vocês, R$ 1 milhão o Queiroz tinha dado para ele [Flávio]. Está bem claro isso. Quem pagou essa conta para a construtora foi a Caixa Econômica Federal, documentado, passa por ele porque a Caixa comprou a dívida dele”, disse. “E ele, em vez de dever para a construtora, passou a dever para a Caixa, essa é uma operação normal. Resolveu? Não tem R$ 1 milhão.”

Ele disse que Flávio vendeu os imóveis depois de pagar “15%, 20%” do valor dos imóveis comprados na planta. “Passou para a frente, o que o MP [Ministério Público] do estado levou em conta?”, afirmou.

“Ninguém compra um imóvel na planta à vista, porque o cara pode levar um calote.”

A Promotoria do Rio vê indícios robustos dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio de 2007 a 2018 na Assembleia Legislativa do Rio, período em que Queiroz trabalhou com o então deputado estadual como uma espécie de chefe de gabinete.

No caso de Flávio, uma comunicação do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) se refere a 48 depósitos sequenciais de R$ 2.000 em espécie em sua conta bancária de 9 de junho a 13 de julho. O senador afirmou que esses valores se referem a uma parcela do pagamento que recebeu em dinheiro pela venda de um imóvel no período e que foram depositados por ele mesmo num caixa eletrônico.

A apuração foi suspensa após decisão de 15 de julho de Toffoli. O ministro determinou a suspensão de investigações criminais pelo país que usem dados detalhados de órgãos de controle —como Coaf, Receita Federal e Banco Central— sem aval da Justiça.

A decisão também atinge outros inquéritos e procedimentos de investigação criminal (tipo de apuração preliminar), de todas as instâncias da Justiça, baseados em informações desses órgãos de controle. A determinação tem potencial de afetar desde casos de corrupção e lavagem, como os da Lava Jato, até os de tráfico de drogas.

Fabrício Queiroz lê um panfleto na sala de espera do hospital Albert Einstein.
Fac-símile da Edição 2650 (04/09/2019) da revista Veja, que traz o paradeiro de Fabrício Queiroz - Reprodução/Veja
 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.