Bolsonaro compartilha mensagem que chama Deltan de esquerdista

Postagem foi resposta à seguidora que pedia que o presidente indicasse o procurador à PGR

Brasília

A página oficial do presidente Jair Bolsonaro (PSL) no Facebook compartilhou um link de uma publicação que chama de "esquerdista estilo PSOL" o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força da Lava Jato.

O compartilhamento ocorreu na noite de sábado (10) no quadro de comentários de uma publicação de Bolsonaro. 

Após uma usuária escrever que Bolsonaro iria fazer "muitos brasileiros felizes" caso indicasse Deltan para a Procuradoria-Geral da República, a página oficial de Bolsonaro respondeu com a postagem de um link de outra página, chamada "Bolsonaro Opressor 2.0".

Esta mensagem traz o texto "Pra quem pede o Deltan Dellagnol [sic] na PGR... O cara é esquerdista estilo PSOL".

A resposta também publica reproduções em que Deltan compartilha críticas à ditadura militar e cita casos de investigação contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, e sobre o esquema, revelado pela Folha, de candidatos laranjas do PSL envolvendo o ministro do Turismo, Marco Álvaro Antonio.

Também há registros de "curtidas" do procurador a publicações de outras pessoas sobre Direitos Humanos, Amazônia e a questão indígena, temas considerados de esquerda por Bolsonaro e equipe. A página "Bolsonaro Opressor 2.0" já foi comandada por Tercio Arnaud Tomaz, assessor do gabinete de Bolsonaro. 

Bolsonaro promete anunciar sua escolha para a PGR até a próxima sexta-feira. 

MENSAGENS E A LAVA JATO

Em 9 de junho, o site The Intercept Brasil começou a publicar mensagens privadas e de grupos da força-tarefa da Operação Lava Jato no aplicativo Telegram a partir de 2015. O site informou que obteve o material de uma fonte anônima, que pediu sigilo. 

As mensagens obtidas pelo Intercept e divulgadas até este momento revelam que Moro, então juiz federal, indicou ao procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, uma testemunha que poderia colaborar para a apuração sobre o ex-presidente Lula.

O ex-juiz, segundo as mensagens, também orientou Deltan a incluir prova contra réu da Lava Jato em denúncia que já havia sido oferecida pelo Ministério Público Federal, sugeriu ao procurador alterar a ordem de fases da operação e antecipou ao menos uma decisão judicial.

Em julho de 2017, o então corregedor-geral do Ministério Público Federal, Hindemburgo Chateaubriand Filho, criticou informalmente a conduta do procurador da República Deltan Dallagnol na divulgação de palestra, ressaltou a gravidade da situação, mas deixou de abrir apuração oficial, apontam diálogos no aplicativo Telegram obtidos pelo The Intercept Brasil e analisados em conjunto com a Folha.

O caso envolveu a divulgação feita por Deltan de uma palestra dele na qual prometia revelações inéditas sobre a Lava Jato e que teria cobrança de ingresso dos participantes.

Hindemburgo expôs a reprovação ao procurador, que fez alteração no teor da publicidade da palestra. Em seguida, ele comentou que sua intervenção no episódio resultava do apreço que tinha por Deltan e saía da linha de atuação regular de um corregedor-geral, o fiscal máximo da atividade dos procuradores.

“Só quero lhe dizer q liguei em consideração a vc é ao Januário [procurador Januário Paludo]. Como Corregedor, na verdade, não me competia fazer o q fiz”, afirmou.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.