PSL terá triagem eletrônica para evitar ex-petistas como seus candidatos e dirigentes

Segundo deputados, porém, haverá espaço aos que se arrependeram e mudaram de ideologia

Carolina Linhares
São Paulo

O programa de compliance do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, terá um controle para evitar que pessoas antes ligadas a siglas de esquerda sejam candidatos ou integrem diretórios regionais da legenda. 

Reportagem da semana passada da Folha mostrou que, segundo levantamento feito pela reportagem com base em dados do Tribunal Superior Eleitoral, dos 271 mil filiados ao PSL, cerca de 10,6 mil (4%) já estiveram em siglas identificadas com a esquerda, como PT, PDT, PSB, PSOL, PC do B, PCB, PSTU e PCO. 

Já entre os 145 políticos que o PSL elegeu nas eleições de 2018, 78 estiveram em outras siglas antes. Destes, 19 passaram por partidos de esquerda. 

Homem se fantasia no lançamento da campanha nacional de filiação do Partido Social Liberal (PSL), neste sábado, em São Paulo - Ricardo Matsukawa/Folhapress

O compliance, comum no mundo corporativo, representa uma série de procedimentos e normas para assegurar a conduta ética. No PSL, a ideia é implementar o modelo nos próximos 15 dias. 

No âmbito desse programa, haverá um sistema eletrônico para fazer uma triagem ideológica dos membros do PSL. O fato de terem sido de outros partidos não impedirá, porém, a filiação no PSL. 

No caso da massa de filiados, que o presidente Luciano Bivar (PSL-PE) quer fazer chegar a um milhão até as eleições de 2020, a direção partidária não exercerá controle rigoroso. 

Haverá regras, contudo, para aqueles que queiram se candidatar pelo PSL ou que façam parte dos diretórios do partido. Nesses casos, a triagem analisará dois fatores, segundo o deputado federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança (PSL-SP).

Primeiro, não poderão estar filiados a outro partido que não o PSL (há casos de membros de diretórios filiados a outras siglas). Também não poderão ter sido filiados ou terem tido qualquer envolvimento com partidos de esquerda nos últimos cinco anos. 

"Isso é uma medida de segurança. Porque o jogo [na última eleição] foi muito desleal, extremamente destrutivo. Não tem como reconciliar isso. A população também já não aceita mais esse troca-troca partidário, de sair de uma ideologia e ir para outra. A população está rigorosa, então temos que entregar um partido com essa mesma medida", diz o deputado. 

O presidente nacional do PSL, Luciano Bivar (PSL-PE), e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) - Eduardo Anizelli/ Folhapress

Isso não significa que aqueles que já foram simpatizantes da esquerda não terão espaço no PSL. O partido avaliará caso a caso para preservar quem de fato se arrependeu e mudou de ideia. 

O partido tem hoje uma série de parlamentares que já estiveram em siglas de esquerda, inclusive dois deputados estaduais que foram do PT. Os deputados federais Coronel Tadeu (PSL-SP) e Soraya Manato (PSL-ES) e o senador Major Olímpio (PSL-SP) têm passagens pelo PDT. 

Outra regra, que vai valer para filiados, pré-candidatos e dirigentes partidários, é que não sejam condenados em segunda instância por crimes como estelionato, latrocínio, pedofilia, assédio sexual ou agressão à mulher. 

A iniciativa de tornar o partido mais coerente e vinculado a sua base é patrocinada por Bolsonaro. Foi a partir de uma reclamação do presidente sobre ataques a seu governo deferidos pela própria bancada do PSL que Bivar deflagrou a expulsão do deputado Alexandre Frota (ex-PSL-SP)

Em entrevista à Folha, Frota afirmou que o próprio Bivar lhe disse que Bolsonaro havia pedido sua expulsão. "O Luciano Bivar, meu amigo pessoal, ficou entre a cruz e a espada", disse Frota. 

Bivar e Bolsonaro têm tido discordâncias em relação à condução do PSL. O presidente não participará de eventos da campanha nacional de filiação que ocorrerão no sábado (17). 

Para a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), "a expulsão do Frota por ele ter sido contra a política presidencial [de Bolsonaro] indica que Bivar está caminhando para tornar o PSL um partido de direita efetivamente". 

Zambelli diz que o PSL tem espaço para críticas ao presidente, mas que Frota o fez de forma generalizada. "Criticar de forma generalizada é desaprovar a política ideológica", afirma. 

A deputada defende uma blindagem do PSL contra aqueles que defendem outras ideologias, mas diz que o partido deve dar espaço a quem "foi para o PT acreditando num discurso de honestidade e se decepcionou". 

O deputado Luiz Philippe diz que a intenção da triagem é que o PSL siga adiante "dando uma purificada e evitando os oportunistas". 

"Não adianta pregar nós vamos ter um milhão [de filiados] e seja lá quem for, não é assim", diz o deputado  Tadeu. "Mas não pode ser um filtro binário. O próprio Datena [que era filiado ao PT], hoje odeia a esquerda. A esquerda tinha projeto e muita gente foi achando que seria bom, mas o tempo mostrou que era uma porcaria."

O líder da bancada do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), diz que o partido não fará caça às bruxas. "O PSL é democrático, não temos essa intransigência eleitoral."

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) diz que "o fato de a pessoa ter sido ligada a algum partido não é impedimento por si só". 

"Tem que ver se a pessoa é a alinhada às pautas do PSL. Se chega dizendo que é conservadora, contra ideologia de gênero, pela escola sem partido, contra desarmamento, mas começa a defender outras coisas, aí não pode ficar no partido", completa. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.