Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

De preto, Grito dos Excluídos reúne esquerda e contrapõe 7 de Setembro de Bolsonaro

Vigésima quinta edição do ato previa manifestações em 132 cidades do país

José Marques Wálter Nunes
São Paulo

Vestidos de preto, manifestantes de esquerda criticaram medidas do governo Jair Bolsonaro, pediram a liberdade do ex-presidente Lula e a defesa da Amazônia na marcha do Grito dos Excluídos neste sábado (7), em São Paulo.

A cor é um contraponto ao pedido do presidente, Jair Bolsonaro, para que a população saísse às ruas de verde e amarelo no Dia da Independência.

Grito dos Excluídos realizou manifestações paralelas à programação oficial
Grito dos Excluídos realizou manifestações paralelas à programação oficial - Folhapress

O ato acontece tradicionalmente em paralelo aos desfiles cívico-militares do feriado. Esta é a 25ª edição.

Além dos manifestantes ligados às entidades participantes do Grito dos Excluídos, outras pessoas, principalmente convocadas por atos marcados via redes sociais, estiveram de preto na Paulista.

Parte dos presentes pintou o rosto de verde e amarelo, como fizeram estudantes contrários ao então presidente Fernando Collor, que renunciou em 1992. Membros de movimentos estudantis, como a UNE, gritavam na marcha que "cara-pintada voltou".

Em duas faixas da av. Paulista, foi colocada uma faixa preta com a frase "Luto pelo Brasil".

Em São Paulo, os participantes do Grito dos Excluídos se reuniram na praça Oswaldo Cruz, ao lado da avenida Paulista, e caminham até o Monumento às Bandeiras, próximo ao parque Ibirapuera.

Quando a marcha começou a se movimentar, a Polícia Militar contabilizava cerca de 2.000 participantes. Os organizadores, de início, estimaram 30 mil pessoas no local, mas no final recalcularam e disseram apenas que havia "mais de 10 mil" manifestantes.

Este ano, além de preto, predominava o tradicional vermelho de centrais como a CUT, sindical, e a CMP, de movimentos da esquerda.

Ao contrário do ano passado, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), principal nome da oposição a Bolsonaro, não participou do ato.

Subiram ao carro de som outros petistas de São Paulo, como o vereador Eduardo Suplicy, o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho e o deputado Paulo Teixeira.

"Esse não é o Dia da Independência, mas da maior dependência do Brasil ao capital estrangeiro", disse, acrescentando que estava de preto não só pelo luto, mas para "lutar para tirar o Bolsonaro", disse Teixeira.

Já Marinho, além de pedir liberdade de Lula, preso desde abril de 2018 sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro, criticou a Lava Jato. "Fora Bolsonaro e [Sergio] Moro e [Deltan] Dallagnol na cadeia", disse o ex-prefeito.

Antes de sair, os organizadores do ato fizeram uma intervenção artística com uma maquete com plantas que representava a Amazônia queimando —saía fumaça verde da maquete.

"Realizamos esse grito num momento muito difícil da conjuntura brasileira", disse o coordenador da CMP, Raimundo Bonfim, citando a situação da educação, emprego e o "desmonte generalizado das políticas públicas".

René Vicente, presidente da CTB em SP, criticou o que chamou de "ecocídio patrocinado pelo presidente Jair Bolsonaro" e pediu vaias ao ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente).

Um levantamento da CMP aponta que o Grito dos Excluídos ocorreria, neste ano, em 132 cidades, de todas as regiões do país, um recorde, segundo a entidade.

Ao se deslocar pela rua de São Paulo, alguns motoristas presos no engarrafamento reclamaram do ato, com buzinas.

Programação oficial

No Anhembi, o público compareceu, mas as autoridades não. Nem o governador João Doria nem o prefeito Bruno Covas, ambos do PSDB, foram prestigiar o desfile. 

A arquibancada, povoada por pessoas vestidas majoritariamente de verde e amarelo, parece não ter se importado. 

A atenção estava toda voltada para os militares e policiais, aplaudidos a cada marcha. No final, soldados e oficiais de várias corporações pararam para se deixar fotografar por admiradores.

As poucas pessoas de preto que estavam no Anhembi, ouvidas pela Folha, disseram não ter ido protestar. “Eu nem sabia que tinha protesto. Vim de preto porque eu gosto de roupa preta”, disse Maria Luiza Silveira, dona de casa. 

No lado de fora do Anhembi apenas três pessoas empunhavam uma faixa preta em que se lia “Anula a chapa Bolsonaro/Mourão”.

A assessoria do governador João Doria disse que ele não foi ao evento por conta de compromissos pessoais.

Ele marcou agenda oficial às 14h em evento que marca o início das obras de recuperação do Museu do Ipiranga. Doria recentemente prometeu entregar a obra em 2022, ano eleitoral. O tucano é cotado para a disputa presidencial. 

O prefeito Bruno Covas disse, por meio de sua assessoria, que estava cumprindo agenda privada e que estiveram presentes no desfile os secretários municipais de Segurança Urbana, José Roberto Rodrigues de Oliveira, e da Casa Civil, João Jorge, "este último representando oficialmente o chefe do Executivo".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.