Denunciado no caso Marielle coloca apadrinhado na chefia da Assembleia do Rio

Indicado por Domingos Brazão comanda contrato milionário na TV do Legislativo do Rio

Catia Seabra Ana Luiza Albuquerque
Rio de Janeiro

Denunciado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) sob suspeita de fraudar as investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco, Domingos Inácio Brazão colocou um apadrinhado no comando de um contrato milionário na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Luciano Silva de Souza ​(esq) e seu padrinho político Domingos Inácio Brazão
Luciano Silva de Souza ​(esq) e seu padrinho político Domingos Inácio Brazão - Reprodução/Facebook

Ex-vereador e ex-deputado estadual, Brazão é conselheiro afastado do TCE (Tribunal de Contas do Estado).

Seu apadrinhado político, o ex-assistente de câmera Luciano Silva de Souza, ​virou chefe da TV Alerj, após ter atuado em recentes campanhas eleitorais do PSL, como a do hoje senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro.

Luciano foi nomeado em fevereiro deste ano para o cargo de subdiretor da TV Alerj, o mais alto da hierarquia do departamento. Ele é responsável por gerir um contrato de cerca de R$ 800 mil mensais (quase R$ 10 milhões anuais) com uma empresa terceirizada, a Digilab. 

Além do fornecimento de equipamentos e da manutenção de software, o pacote inclui um gasto de R$ 270 mil por mês para a contratação de 51 funcionários. Luciano levou 12 amigos para os quadros da Assembleia.

Com a iminente migração para o canal aberto, uma nova licitação prestes a ser lançada pela Assembleia deve ampliar o custo do contrato para R$ 1,3 milhão ao mês (cerca de R$ 16 milhões/ano).

Nas redes sociais, há uma série de declarações de amizade e de gratidão de Luciano ao conselheiro afastado do TCE. À Folha, porém, ele negou ter sido indicado e até mesmo ser amigo de Brazão. Ele disse apenas conhecer seu padrinho político por ter trabalhado para o MDB, partido que o conselheiro integrou.

Em uma das publicações, Luciano e Domingos aparecem abraçados em uma foto. “Parabéns, meu grande amigo Domingos Brazão”, diz o texto que acompanha a postagem. Luciano chegou a usar outra foto em que os dois se abraçam como capa de seu perfil no Facebook. 

Caso Marielle

Para a PGR, Brazão tentou desvirtuar a linha inicial da investigação sobre o assassinato de Marielle, levando a Polícia Civil a suspeitos que não eram os verdadeiros autores do crime. A Procuradoria também pediu a abertura de inquérito para apurar se o conselheiro foi o mandante do assassinato, em março de 2018.

Brazão nega participação no crime. Lista sinais de inconsistência nos depoimentos de seus acusadores e afirma ter se apresentado voluntariamente à PF para esclarecimentos.

“As coisas na PF ficaram bastante esclarecidas. Tanto é que a Polícia Federal concluiu as investigações e nunca mais fui incomodado. Agora, para minha surpresa, às vésperas da saída da procuradora-geral, a imprensa voltou a abordar isso”, disse Brazão em referência a vazamento de um relatório da PF em que é apontado como provável mentor intelectual do crime.

O conselheiro chegou a ser preso em março deste ano pela Operação Quinto do Ouro, que investigava a exigência de propina para a liberação de contratos com o governo estadual. Ele foi afastado do TCE em abril deste ano, em decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que o livrou da prisão. 

Já Luciano, depois de ser contatado pela Folha, apagou das redes sociais alguns dos vestígios de sua relação com Brazão. Para explicar sua nomeação, com salário líquido de R$ 13 mil mensais, mais uma verba indenizatória mensal de R$ 14 mil, afirma que conquistou o cargo ao abordar o presidente da Assembleia, André Ceciliano (PT), na escadaria do Palácio Tiradentes.

"Levei meu currículo. Abordei o presidente na escada no dia da posse. Ele falou: 'Traz o currículo e deixa aqui'. Não levei fé. É um monte de pedido, né? Graças a Deus aí, é currículo legal, e o presidente deu uma oportunidade de fazer esse sonho virar realidade."

O ex-cameraman diz que foi o encarregado pela campanha do PSL do Rio no ano passado. Nas redes sociais, Luciano também se apresenta como o responsável por uma produtora de vídeo cujos contratos com políticos somaram R$ 542 mil nas eleições de 2018, sendo o PSL seu maior cliente.

Registrada em nome do irmão e de um sobrinho de Luciano, a Publitake recebeu R$ 183 mil do PSL do Rio e outros R$ 30 mil do comitê eleitoral do hoje senador Flávio Bolsonaro.

O ex-assistente de câmera Luciano Silva de Souza e o então candidato Jair Bolsonaro, em 2018
O ex-assistente de câmera Luciano Silva de Souza e o então candidato Jair Bolsonaro, em 2018 - Reprodução/Instagram

Com endereço em um condomínio clandestino no bairro de Bangu, a produtora recebeu outros R$ 70 mil da campanha do governador Wilson Witzel (PSC) ao Palácio Guanabara. Witzel contou com o voto de Domingos Brazão no segundo turno da disputa pelo Governo do Rio.

Apesar de a contratada pelo PSL se chamar Publitake, Luciano cita, em postagens nas redes sociais, o nome de uma outra produtora da qual foi sócio e é considera inapta pela Receita Federal: a Take Filmes. Ele diz que esse é o nome fantasia.

Seu sócio na Take Filmes, Anderson William Pimentel Juca, é um dos 12 amigos que o novo subdiretor levou para sua equipe na TV Alerj. Entre os recém-nomeados estão colaboradores da família Brazão.

Luciano, que iniciou a carreira como office boy em uma produtora, chegando a câmera e editor de imagens em emissoras de TV, diz que "é a primeira vez que a TV Alerj tem um diretor que é do ramo". 

Em nota, o deputado estadual André Ceciliano (PT), presidente da Assembleia, afirmou que a nomeação de Luciano para a TV se baseou em critérios técnicos, sem indicação política.

"Ele tem passagens por várias emissoras de TVs do Rio de Janeiro, começando há mais de 20 anos como assistente de câmera, repórter cinematográfico e editor de vídeo”, disse.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.