FHC diz que foi um erro Moro aceitar ser ministro

'Se eu estivesse lá, me demitiria', afirmou o ex-presidente em entrevista ao programa Conversa com Bial

São Paulo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse que se estivesse na situação do ministro da Justiça, Sergio Moro, se demitiria. Em entrevista a ao programa Conversa com Bial, da TV Globo, na madrugada desta quinta-feira (5), FHC afirmou considerar “um erro ele [Moro] aceitar ser ministro”, concordando com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que também era entrevistado. 

O tucano disse que Moro não tem características de um político, e que “deveria aspirar ser ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)”. 

Retrato do ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, durante entrevista em sua residência. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress, PODER) - Folhapress

“Não sei o que ele deveria fazer, isso é problema dele. [...] Acho que ele aceitou [ser ministro da Justiça] por motivos explicáveis, para evitar de tentarem abafar a Lava Jato, mas ele viu que as coisas são diferentes. Se eu fosse ele, eu estaria fora”, disse FHC. 

Pedro Bial perguntou a Fernando Henrique sobre a mensagem vazada de Sergio Moro ao procurador Deltan Dallagnol, em que o atual ministro da Justiça cita o ex-presidente e fala em evitar melindrá-lo. FHC respondeu que não foi melindrado, tanto que a investigação sobre ele foi realizada. 

FHC disse que não foi consultado sobre a entrada de Alexandre Frota no PSDB e que considera um retrocesso a entrada do deputado nos quadros do partido.

Sobre a exclusão de membros do partido, tampouco foi consultado, afirmou, e apenas deu sua opinião no Twitter. FHC se referia ao pedido de expulsão de Aécio Neves (PSDB-MG), que foi rejeitado pela Executiva Nacional do PSDB. 

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), defendeu a expulsão do mineiro, dizendo que o partido deveria escolher: "ou eu ou ele". Em reação, FHC defendeu Aécio em um tuíte, mas sem mencioná-lo.

"Jogar filiados às feras, principalmente quem dele foi presidente, sem esperar decisão da Justiça, é oportunismo sem grandeza. Não redime erros cometidos nem devolve confiança", afirmou.

O ex-presidente disse que é contra a privatização da Petrobras. Considera que a abertura do mercado —feito em seu governo— foi o suficiente para quebrar o monopólio estatal.

Perguntado sobre a oposição ao governo atual, FHC respondeu que a “mídia tradicional tem mostrado os equívocos do atual governo”, e deveria se preocupar em discutir o que “é importante para o país”. Após Bial perguntar novamente sobre a oposição, da qual Randolfe Rodrigues é representante, o ex-presidente disse que ela faz o seu papel, e que deve escolher quando se pronunciar.

Rodrigues, por sua vez, respondeu que considera Fernando Henrique, presidente de honra do PSDB, muito mais progressista que o restante dos tucanos. 

O senador do Amapá pela Rede lembrou que no início da carreira, na juventude do Partido dos Trabalhadores (PT), gritou por muitas vezes “fora FHC”. Ao lado do ex-presidente tucano, mais de vinte anos depois do governo dele, destacou que a estabilidade da moeda brasileira e a recuperação da economia brasileira foram alcançadas no governo do PSDB. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.