Procuradores vão às redes sociais e criticam indicação de Augusto Aras para PGR

Possível integrante da gestão do indicado, porém, disse que escolha 'nunca foi fácil'

José Marques
São Paulo

A indicação de Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República, feita pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira (5), foi criticada pelos procuradores do Ministério Público Federal que se manifestaram em redes sociais, inclusive integrantes da Lava Jato.

Caso aprovado pelo Senado e nomeado pelo presidente, Aras será o chefe desses procuradores que reclamam das suas posições. 

Procuradores também lembraram que o indicado é um nome que não concorreu à lista tríplice da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), tradição que tem sido respeitada pelos presidentes desde 2003.

O procurador Fernando Rocha, do Rio Grande do Norte, disse que "o momento é de reconhecer o grande equívoco" para quem "um dia acreditou que esse governo tinha algum compromisso com o combate à corrupção, com a independência do MP, com a Lava Jato".

O subprocurador-geral da República Augusto Aras, indicado à PGR pelo presidente Jair Bolsonaro - Pedro Ladeira/Folhapress

"O advogado Aras, indicado para a PGR!", exclamou Rocha, indicando o fato de Augusto Aras ainda advogar, além de ser subprocurador-geral da República. "(Sergio) Moro mais uma vez foi fritado", disse.

Apesar de controverso, o exercício concomitante da advocacia com o trabalho no Ministério Público é permitido àqueles que ingressaram na carreira pública antes da Constituição de 1988 e fizeram essa opção.

A procuradora Jerusa Viecilli, da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba, disse que esse é "um dia triste para o Ministério Público Federal". 

"Não havia presenciado tamanho desprestígio e desrespeito com a Instituição desde 2004, quando ingressei no MPF", afirmou. "Quando a democracia interna não é observada, toda independência de atuação é colocada em risco."

Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa, disse que o grupo "sempre defendeu a lista tríplice, por favorecer a escolha de um PGR testado e aprovado em sua história e seus planos, assim como a independência do Ministério Público".

"Nós nos unimos à ANPR no debate pelo melhor para o país e a causa anticorrupção".

Primeiro colocado na lista tríplice, o subprocurador-geral Mario Bonsaglia disse que "a indicação fora da  lista do novo PGR representa um retrocesso de décadas para a instituição".

"Por uma lacuna na Constituição, o MPF é o único dos 30 MPs que não conta com previsão normativa de escolha do Procurador-Geral por meio do sistema de eleição da lista tríplice. Não obstante, vinha sendo solidificada uma tradição no mesmo sentido", afirmou. 

"O método de escolha pela lista tríplice é um instrumento muito importante em prol da autonomia que a Constituição reconhece ao Ministério Público. Infelizmente, hoje, a tradição foi quebrada."

Michele Rangel Vollstedt Barros, da Procuradoria Regional da República da 1ª Região, também afirmou que é uma "triste notícia para o combate à corrupção" e "triste dia para a democracia".

Wesley Miranda Alves, lotado em Uberlândia, citou o projeto de abuso de autoridade, sancionado com vetos, e a indicação de Aras, e disse que "fosse esse o cenário em 2014, não teríamos Lava Jato".

Lotado em Rondônia, João Gustavo Seixas, disse que "em se confirmando as notícias, hoje será um dia de triste lembrança para o Ministério Público brasileiro e, por consequência, para a sociedade brasileira".

Wellington Saraiva lembrou que o presidente desprezou a lista tríplice da ANPR. "Desejo de enfraquecer a atuação do MPF e, com isso, a luta contra a corrupção e outros crimes graves. Dia triste para o MPF e para quem deseja um Brasil mais limpo", disse.

Logo antes da indicação, Janice Ascari, da força-tarefa da Lava Jato em SP, lembrou que Bolsonaro havia recebido a lista tríplice "há mais de dois meses mas não decide nada".

Depois, postou: "Presidente Jair Bolsonaro demonstra todo o seu desprezo pelo Ministério Público e pelo debate democrático e transparente de ideias. Não sabemos o que Augusto Aras pensa. Ele nunca conversou conosco, nunca expôs seus projetos ou ideias. Que dia triste."

Quando o nome de Aras foi anunciado, a procuradora Hayssa K. Medeiros mudou a sua foto de perfil para uma imagem negra, com o logo "MPF em Luto", e disse: "Saudades das flechadas. Estamos há quase dois anos sem liderança institucional e prosseguiremos por mais dois anos."

O termo é uma referência a uma frase célebre do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que havia afirmado que "enquanto houver bambu, vai ter flecha". 

Uma exceção, porém, disse que a escolha do presidente da República nunca foi fácil e pediu a Deus que "ilumine o escolhido, para o bem da sociedade e do Brasil". Foi Ailton Benedito, chefe da Procuradoria em Goiás e conhecido nas redes por seu alinhamento ao conservadorismo.

Acrescentou em outra publicação: "Eclesiástico 19:28 Há uma falsa correção na cólera de um insolente; há um modo de julgar que muitas vezes não é justo; e aquele que se cala dá prova de prudência."

Em entrevista à Folha, Augusto Aras disse que iria convidar Ailton para sua gestão, caso fosse escolhido.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.