Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro reage à comparação com Chávez e diz que Brasil 'não tem ditadura'

Presidente ameaçou não renovar concessão da TV Globo; venezuelano suspendeu licença de canal crítico a ele em 2006

Raquel Landim
Riad (Arábia Saudita)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) reagiu com indignação ao ser questionado se ameaçou tirar a concessão da TV Globo a exemplo do que Hugo Chávez fez na Venezuela com a RCTV em 2006.

“Aqui não tem ditadura”, disse Bolsonaro, elevando o tom de voz. “Nunca em nenhum momento partiu de mim ameaça a qualquer órgão de imprensa no Brasil."

Em uma transmissão ao vivo em rede social, o presidente havia ameaçado não renovar a concessão da TV Globo depois que reportagem do Jornal Nacional revelou que o nome dele foi citado na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Bolsonaro fala em transmissão ao vivo em rede social na noite desta terça (29), madrugada de quarta (30) na Arábia Saudita - Reprodução/Facebook

Em tom exaltado, Bolsonaro havia classificado de "patifaria" a cobertura que a emissora faz de seu mandato e disse que é feito um jornalismo "podre" e "canalha". Ele chamou ainda a imprensa de "porca" e "nojenta".

“Vocês vão renovar a concessão em 2022. Não vou persegui-los, mas o processo vai estar limpo. Se o processo não estiver limpo, legal, não tem renovação da concessão de vocês, e de TV nenhuma. Vocês apostaram em me derrubar no primeiro ano e não conseguiram", disse.

As emissoras de rádio e TV no Brasil são concessões públicas. A da TV Globo vence em 2023. A concessão é renovada ou cancelada pelo presidente, e o Congresso pode referendar ou derrubar na sequência o ato presidencial em votação nominal de 2/5 das Casas (artigo 223 da Constituição).

A concessão vence em 15 de abril de 2023. Segundo lei aprovada pelo governo Temer, no entanto, o presidente pode decidir sobre a concessão até um ano antes de ela vencer —ou seja, em abril de 2022, no início do último ano do mandato de Bolsonaro.

Bolsonaro acrescentou ainda que é contra a CPMI das Fake News, instalada no Congresso. Para ele, a comissão mista de inquérito seria apenas um pretexto para censurar as mídias sociais. “Eu sou a pessoa mais atacada com fake news e, mesmo assim, não prego qualquer censura às mídias sociais”, disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.