Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro destitui vice-líderes do PSL na Câmara dos Deputados

Intenção da ala bolsonarista é centralizar no filho do presidente as decisões do partido; nas redes, deputados trocam ofensas

Talita Fernandes Danielle Brant
Brasília

Mergulhado em uma nova guerra de listas, o deputado Eduardo Bolsonaro (SP) destituiu, nesta segunda-feira (21), todos os 12 vice-líderes do PSL na Câmara, em uma degola que atinge nomes ligados principalmente ao presidente do partido, o deputado federal Luciano Bivar (PE).

Eduardo se reuniu nesta tarde com outros oito parlamentares bolsonaristas – Aline Sleutjes (PR), Carlos Jordy (RJ), Filipe Barros (PR), Sanderson (RS), Major Vitor Hugo (GO), Bia Kicis (DF), Coronel Armando (SC) e Chris Tonietto (RJ).

Mais cedo, Eduardo foi confirmado na liderança da legenda pela SGM (Secretaria-Geral da Mesa). A ala bivarista, no entanto, tenta devolver o posto a Delegado Waldir (GO).

Com a destituição de Waldir, nenhum outro parlamentar além de Eduardo estaria autorizado a falar em nome do PSL na Câmara. A intenção da ala bolsonarista é centralizar no filho do presidente as decisões e orientações do partido na Câmara. Esse é um papel que cabe ao líder e, em sua ausência, aos vice-líderes.

Os nomes dos novos vice-líderes devem ser apresentados nesta terça, caso a guerra de listas termine –além da lista com o nome de Eduardo, a ala bivarista protocolou uma relação com 28 nomes que ainda precisa ser verificada pela SGM. Caso todas as assinaturas sejam conferidas e validadas, Waldir retomaria o posto, pois o critério utilizado é lista com o apoio de metade dos deputados do partido mais um.

Na lista de vice-líderes destituídos há pelo menos um nome declaradamente ligado a Bolsonaro –o do deputado Daniel Silveira (RJ), que se infiltrou em uma reunião da ala bivarista para expor o movimento contrário ao presidente. A maioria dos vice-líderes, no entanto, é ligada a Bivar, como Júnior Bozzella (SP), Nelson Barburdo (MT) e Joice Hasselmann (SP).

Nesta manhã, ao confirmar o nome de Eduardo como novo líder do PSL na Casa, a SGM disse que a ala bolsonarista conseguiu coletar 32 assinaturas em apoio ao filho do presidente. Desse total, três eram repetidas e uma não conferiu, o que significa que apenas 28 assinaturas foram consideradas válidas —eram necessárias pelo menos 27.

A confirmação ocorreu pouco depois de Waldir entregar o cargo. A desistência do deputado de ocupar o posto foi anunciada por meio de um vídeo gravado por ele na manhã desta segunda-feira e divulgado por sua assessoria de imprensa.

Disputa nas redes

Os embates no PSL ganharam novos desdobramentos com insinuações sobre corrupção, ataques pessoais e uso de robôs. As redes sociais são o palco das manifestações. 

Deputados do partido recorrem a tuítes e lives —transmissões ao vivo—  para travar a batalha de versões.

Emojis de animais —figuras usadas em aplicativos de troca de mensagens— , como galinha e porco, e termos como "viado" são publicados pelos congressistas.   

O deputado Eduardo Bolsonaro fez uma live na noite de sábado (19) para, segundo ele, esclarecer fatos.

Ele acusa Joice Hasselmann (SP), destituída da liderança do governo no Congresso, de ter traído seu pai. Na briga do partido, ela se alinhou ao grupo de Luciano Bivar (PE), presidente da sigla, que está em disputa com Bolsonaro.

Eduardo passou a defender a hashtag #DeixeDeSeguirAPepa. Peppa Pig é uma personagem de animação infantil –uma porca filhote e rosa.
 
"Eu fico pensando no que seria num país sério alguém chamar uma deputada —a deputada mais votada da história da Câmara— de Peppa. E aí tem outras indiretas ali dos outros meninos", disse Joice em live neste domingo (20). 

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) - Pedro Ladeira/Folhapress

A congressista se refere a Eduardo como "menininho nem-nem". De acordo com o conceito oficial, nem-nem é o jovem que não estuda nem trabalha. 

"Todas as grandes crises que aconteceram no Brasil envolvendo o mandato do presidente da República têm algum dos filhos envolvidos. Tem o negócio de Queiroz para cá, outro que fica tuitando e xingando ou Eduardo que quer ser embaixador, quer tudo", disse.

A ex-líder do governo usou o vídeo para fazer mais ataques indiretos. Sem citar nomes, ela disse que o PSL tem uma "pseudo-conservadora, que, na verdade, é abortista e corrupta". Na semana passada, Joice postou uma mensagem enigmática, dizendo respeitar "os 'viados' assumidos".
 
"Os que se escondem no conservadorismo, fazem pinta de machões escondidos em suas pseudos canetas e ficam mandando indiretas como se fosse 'machos' não merecem meu respeito. Frouxo é frouxo, não importa o posto que tenha", escreveu.

Joice já insinuou que há robôs atuando na campanha de Eduardo para que ela perdesse seguidores nas redes.

"Tem dinheiro público nisso? O gabinete da maldade está empenhado? Aqueles perfis fakes também?", escreveu. "Não tenho medo da milícia, nem de robôs!"

O gabinete da raiva, como a Folha mostrou, é formado por assessores do presidente responsáveis pela estratégia de comunicação na internet.
 
O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), que já admitiu ter feito postagem na conta do Twitter do presidente, partiu para a provocação. Ele publicou um post neste domingo com emojis: "porco, rato, cobra, galinha, lula..."

Sem menção a Carlos, Joice recorreu em seguida a figurinhas: "veado, veado, veado, rato branco, rato cinza, rato cinza".

Carla Zambelli (SP) também entrou no ringue das lives para defender o presidente, pedindo que os eleitores permaneçam fiéis a ele, aguardando o desfecho da crise do partido. "As pessoas não votaram no PSL, votaram no Bolsonaro", disse. 

Na disputa de narrativas de traição e lealdade, outra deputada, a professora Dayane Pimentel (BA), usou as redes sociais para se defender.

"Nunca traí o presidente Bolsonaro, pois tenho palavra e caráter. Mas, se ele não me permite ter opiniões diferentes das dele, então a traída sou eu", escreveu. "Acordem! A subserviência não é o caminho da razão."

Pimentel foi alvo de críticas de Eduardo, que respondeu uma publicação na qual pergunta se o marido da deputada vendeu o PSL em Salvador.

"Professora, conte-nos o segredo mágico de seu marido, morador de Feira Santana (BA), que, após a sua eleição, virou secretário do governo municipal de Salvador? Vendeu a legenda do PSL em Salvador? Em Feira? Ou o ACM Neto sempre gostou de vocês? Essa é a sua nova política?", escreveu. 

guerra escancarada nas redes sociais teve início há quase duas semanas, quando Bolsonaro disse que Bivar estava "queimado para caramba".

A partir desse episódio, o Palácio do Planalto deixou claro que o presidente pretende trocar de partido, mas busca uma saída jurídica para garantir a manutenção de recursos do fundo partidário e que deputados aliados (cerca de 20 de 53) não percam mandatos. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.