Governo Bolsonaro é reacionário e antiquado, diz FHC

Ao lembrar sua transição com Lula, tucano diz que presidente tem de atuar para baixar tensão

Fábio Zanini
São Paulo

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) chama, em entrevista à Folha, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) de atrasado, reacionário, antiquado e anacrônico.

Ao mesmo tempo, afirma que é cedo para julgar seu desempenho e diz que as instituições brasileiras não sofreram abalo desde sua eleição, há um ano.

Ao comparar a transição de poder com Lula em 2002, considerada exemplo de civilidade, ao clima atual de polarização no país, afirma que o presidente deveria agir para baixar a tensão, o oposto do que vem fazendo.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em entrevista à Folha
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em entrevista à Folha - Bruno Santos/Folhapress

FHC está lançando o quarto volume de seu "Diários da Presidência" (Companhia das Letras), em que aborda o biênio final do seu segundo governo (2001-02).

Polarização

[Em 2002] Houve um esforço consciente para organizar regras democráticas de transição. Eles [PT] na campanha tinham me arrebentado, mas chegaram no poder e viram que as coisas são diferentes. Na campanha eleitoral são forças antagônicas se chocando, mas quem assume o poder tem a obrigação de contribuir para baixar a tensão. O presidente no Brasil tem um pouco de Poder Moderador na mão. Ou ele usa para baixar a tensão, ou cria uma divisão na sociedade que se torna muito difícil para ele próprio depois. Eu sempre procurei não ter atitude partidária. Nunca fui de flá-flu.

Redes sociais

A rede social é um ingrediente novo, que diminui a força das instituições representativas. Acirra, cria tribos guerreiras. Como você vai compatibilizar uma rede que transmite um impulso, um sentimento, com a necessidade que todo governo tem de argumentar e ter tempo? Eu digo sempre que estou no Twitter para aprender a dizer alguma coisa com poucas palavras. Mas não precisa dizer nada. Você tem que excitar sua base.

Lula e a economia

Ele [Lula] me surpreendeu no governo. O que ele dizia na campanha era outra coisa. Qual foi meu papel [junto à comunidade internacional]? Dizer: olha, ele não é o bicho-papão, para evitar que houvesse uma reação contra os interesses do Brasil. É preciso reconhecer que o Lula teve capacidade para governar. O Lula não quebra regras. Ele é conservador, no bom sentido. Demonstrou que tinha mais jogo de cintura do que parecia.

Acordo com o FMI

No caso do Brasil, o FMI nunca teve desconfiança de que o governo cumpriria [o acordo]. Funcionários do FMI jogaram contra, acirraram a desconfiança de que iríamos para o default.

Governo reacionário

As instituições não sofreram um abalo, mesmo hoje. Você continua tendo liberdade, imprensa livre, o Parlamento funciona, a Justiça. Você não tem medo. Pode piorar? Pode. A democracia tem que ser cuidada, sempre. Eu não tenho a visão de que inevitavelmente o Brasil vai [piorar] porque o presidente é de direita, seu grupo de referência é atrasado, reacionário, antiquado em muita coisa.

Segunda instância

Não pega só o Lula, é muita gente. [Mudar] tem consequências complicadas. Se houve algum avanço é que gente que roubou, sendo poderosa ou rica, foi presa. Prender porque a lei manda é um avanço democrático grande.

Pensamento anacrônico

Temos a emergência de grupos que têm o pensamento anacrônico, porque definem um inimigo que não existe. O marxismo cultural, o globalismo, isso não existe. Quem é comunista hoje, qual a referência concreta? É a China? Acabei de ver a lista dos dez maiores bancos do mundo, a maioria é chinesa. É Cuba? No passado queria exportar a revolução, hoje esqueceu desse assunto. [Quando o chamam de comunista] Eu nem reajo, pode chamar à vontade.

Doria

Acho muito cedo [falar em candidatura presidencial]. É prudente que o Doria comece a se caracterizar de outra maneira [em relação a Bolsonaro]. É pouco provável que o Bolsonaro seja uma figura agregadora daqui a dois ou três anos. Mesmo para julgar o governo Bolsonaro é cedo. É muito cedo para a gente organizar candidaturas. 

Disputa em SP

O Bruno [Covas] herdou a prefeitura, isso é um fato. Não existe politicamente no imaginário popular a ação dele. O PT deve ter um candidato, mas é difícil para eles. Há um sentimento anti-PT arraigado na cidade.

Alckmin

Eu gosto do Alckmin. Ele foi anos a fio um homem ativo na vida política, administrativa. E é pessoa correta. Tenho a impressão de que está um pouco desgostado com o Doria. Seria um forte candidato a prefeito? Não sei. Mas ele é um asset [ativo] para o PSDB.

Huck

Eu sou amigo do Luciano. Mas ele tem que decidir que vai ser líder político. São coisas parecidas, mas não são iguais, ter popularidade pela via da celebridade e pela via da briga política. A política divide, a celebridade soma.

Trump

[Torce por um democrata em 2020?] Ah, eu torço. Prefiro pessoalmente e por causa do Brasil. Essa sra. é interessante, a [Elizabeth] Warren. Mas não sei se ela não está muito à esquerda no espectro americano. Aí complica, o mundo não está num momento de progressismo, é um momento de conservadorismo. De qualquer maneira, acho preferível ao Trump. O Trump de bobo não tem nada. Ele usa na política o que usava como empresário, ataca e depois negocia. Acha que com isso vai negociar com mais vantagem. É um estilo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.