Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Mourão faz mea-culpa sobre queimadas e anuncia 'recado pequeno' ao Vaticano

Amazônia é tema do sínodo de bispos da Igreja Católica que acontece desde a última segunda (6)

Michele Oliveira
Roma

Vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira (11) em Roma que o governo brasileiro não aceita ficar com o papel de vilão no debate sobre a preservação da Amazônia, região que é tema do sínodo da Igreja Católica que acontece desde a última segunda (6) no Vaticano. 

Em entrevista na Embaixada do Brasil na Itália, Mourão reforçou a soberania brasileira no que diz respeito aos assuntos relacionados ao bioma e disse que se reunirá com representantes do papa Francisco.

"A mensagem que eu quero passar, em nome do nosso governo, é que a Amazônia brasileira é brasileira. É responsabilidade nossa preservá-la e protegê-la. Quero deixar isso claro."

"Nós não queremos ser colocados como vilões, como o governo da motosserra, governo exterminador de indígena, que não respeita direitos humanos. Quero mostrar que estamos comprometidos com os grandes temas do século 21, a preservação da vida na terra", afirmou. "É um recado pequeno, mas firme."

O vice-presidente Hamilton Mourão e o presidente Bolsonaro durante evento no Palácio do Planalto
O vice-presidente Hamilton Mourão e o presidente Bolsonaro durante evento no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira - 8.out.19/Folhapress

O vice-presidente chegou nesta sexta-feira a Roma para representar o governo brasileiro na cerimônia de canonização de Irmã Dulce, neste domingo (13), na Praça de São Pedro, e anunciou que encontrará, na segunda (14), os secretários do Vaticano Pietro Parolin (Estado) e Paul Richard Gallagher (Relações Exteriores).

O presidente Jair Bolsonaro alegou oficialmente problemas de agenda para não participar da cerimônia de canonização, em que estarão também outros políticos brasileiros.

Convocado pelo papa em 2017, o Sínodo da Amazônia é uma assembleia chefiada por ele com religiosos e especialistas dos nove países da região. Começou nesta semana e acontece até o dia 27 de outubro.

O objetivo é discutir a ação pastoral da igreja na área, além da situação do meio ambiente e dos moradores. Muitas das apresentações feitas nas sessões do evento trataram, nesta primeira semana, do desmatamento na porção brasileira da floresta e da situação dos povos indígenas.

Questionado sobre se os temas prejudicam a imagem do Brasil no exterior, Mourão fez um mea-culpa e disse que o governo reagiu mal no início das queimadas, em agosto. 

"Óbvio que isso não é bom", respondeu. "Esse pacote todo gera um certo ruído, e a gente faz nosso mea-culpa, porque nos primeiros momentos da crise das queimadas, que é algo que ocorre todo ano, não tivemos uma reação correta."

"Agora temos que buscar um diálogo melhor, mais positivo, e usar todas as capacidades dos governos federal e estaduais para que as ilegalidades sejam proibidas e que sejam dadas assistências às pessoas que trabalham e produzem ali", disse. 

Mourão declarou ainda que o governo brasileiro não considera o papa Francisco um inimigo.

"O governo brasileiro em nenhum momento pode julgar que o papa é inimigo. Pelo contrário, é o líder maior da Igreja Católica. O que está ocorrendo no Sínodo da Amazônia é algo que está planejado há algum tempo, eu e o governo entendemos a problemática que a Igreja enfrenta na região."

Segundo ele, o presidente Bolsonaro deve organizar uma viagem para a Itália no ano que vem, na qual poderá se encontrar com o papa.

ENTENDA O SÍNODO

O que é - O Sínodo dos Bispos é uma reunião episcopal de especialistas. Convocado e presidido pelo papa, discute temas gerais da Igreja Católica (como juventude, em 2018), extraordinários (considerados urgentes) e especiais (sobre uma região). Instituído em 1965, acontece neste ano pela 16ª vez

Especial Amazônia - Anunciado em 2017, o Sínodo da Amazônia trata de assuntos comuns aos nove países do bioma, organizados em dois eixos: pastoral católica e ambiental
 
Para que serve - É um mecanismo de consulta do papa. Os convocados debatem e fornecem material para que ele dê diretrizes ao clero, expressas em um documento chamado exortação apostólica. As últimas duas exortações pós-sinodais foram publicadas cerca de cinco meses depois de cada assembleia

Quem participa - O Sínodo da Amazônia reúne 185 padres sinodais (como são chamados os bispos participantes), sendo 57 brasileiros. Além dos bispos da região, há convidados de outros países e de congregações religiosas. Também participam líderes de outras comunidades cristãs, da população e especialistas —no total, há 35 mulheres. O papa costuma presidir todas as sessões

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.