Papa Francisco afirma em sínodo que igreja terá 'seção amazônica'

Organismo será incluído na estrutura administrativa da Santa Sé

Vaticano

No encontro com os participantes do sínodo da Amazônia, neste sábado (26), o papa Francisco anunciou a abertura de uma seção amazônica dentro da estrutura administrativa da Santa Sé.

O evento foi um dos últimos do encontro religioso no Vaticano, que começou no início do mês e se encerra neste domingo.

A seção amazônica ficará sob a responsabilidade do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, um dos dos 56 setores da Cúria Romana, que compreende as instituições administrativas da Santa Sé.

Papa Francisco com representante de comunidade indígena no último dia 17
Papa Francisco com representante de comunidade indígena no último dia 17 - 17.out.19/AFP/Vatican Media

O Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral foi criado pelo papa Francisco em 2016, cuida de “questões referentes a migrações, necessitados, doentes, excluídos, marginalizados e as vítimas de conflitos armados e das catástrofes naturais, os presos, os desempregados e as vítimas de qualquer forma de escravidão e tortura”.

No mesmo pronunciamento, o papa fez uma menção à adolescente sueca Greta Thunberg, que liderou manifestações em setembro, que reuniram milhões de pessoas pelo mundo, sobre mudanças climáticas. Francisco lembrou que os jovens exibiram cartazes dizendo que o "futuro é nosso", demonstrando consciência com a gravidade da questão ambiental.

Neste sábado, foi apresentado um relatório aprovado pela assembleia dos padres sinodais, que agora será analisado por Francisco.

O parágrafo 82 propõe a criação do “pecado ecológico como uma ação ou omissão contra Deus, contra o próximo, a comunidade e o ambiente”.

“É um pecado contra as futuras gerações e se manifesta em atos e hábitos de poluição e destruição da harmonia do ambiente, transgressões contra os princípios da interdependência e a ruptura das redes de de solidariedade entre os seres vivos e contra a virtude da justiça.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.