Para Mourão, depoimento de porteiro não derruba, mas perturba governo Bolsonaro

Em estratégia combinada, grupo de ministros sai em defesa do presidente e contra a TV Globo

Gustavo Uribe
Brasília

O presidente interino Hamilton Mourão disse na manhã desta quarta-feira (30) que o depoimento de um porteiro no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) não tem força para derrubar a atual gestão, mas o general reconheceu que ele atrapalha o andamento do governo.

Segundo reportagem da TV Globo, baseada em depoimento de um porteiro do condomínio onde o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem casa, o ex-policial militar Élcio Queiroz, suspeito de envolvimento na morte, disse na portaria que iria à casa do presidente no dia do crime.

À tarde, contudo, o Ministério Público disse que a versão do porteiro não condiz com os fatos verificados e sugeriu que ele possa ter se enganado ou mentido. 

"Não, não dá para derrubar o governo dessa forma, mas que perturba o bom andamento do serviço, como se diz na linguagem militar, perturba", disse Mourão. 

Ele ponderou, no entanto, que achou o depoimento "muito fraco" e que não era o caso de ter feito, de acordo com ele, "o escândalo todo que foi feito". Ele saiu em defesa de Bolsonaro e disse que o presidente "reagiu com bastante calma até".

Em transmissão nas redes sociais, no entanto, Bolsonaro, em tom irritado e agressivo, atacou a Rede Globo e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), a quem chamou de "inimigo".

"Toda a pessoa que é atingida de forma desleal e quando sabe muito bem que não tem nada a ver com o processo se sente, vamos dizer, se sente triste, se sente enraivecida muitas vezes. Acho que o presidente reagiu com bastante calma até", disse Mourão.

O presidente interino disse acreditar que, apesar de o episódio perturbar o "bom andamento do serviço", não deve atrasar o anúncio de medidas econômicas, como um pacote de estímulo para a geração de emprego e a reformulação do funcionalismo.

"É um assunto que não sustenta um interrogatório normal desse cidadão aí", disse. "Está na mão do estado ainda, do Rio de Janeiro, é um crime cometido lá, não é um crime federal. Agora, tem de ser investigado de forma correta."

O general da reserva ponderou, contudo, que o crime poderia passar para a esfera federal caso se chegue à conclusão de que o inquérito "não está sendo conduzido de forma correta". "Eu acho que o presidente tem toda autoridade para tentar buscar uma defesa dele, de modo que esse cidadão seja ouvido por outras pessoas", afirmou.

No final do dia, após o Ministério Público do Rio de Janeiro afirmar que a informação do porteiro era falsa, o presidente interino disse que o problema estava resolvido.

"A verdade sempre vai triunfar. Acho que fica melhor para todo mundo", afirmou. "Agora está resolvido o problema, vamos para o próximo", acrescentou.

Em uma estratégia combinada, um grupo de ministros saiu em defesa do presidente e contra a Rede Globo nas redes sociais. O ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, escreveu, por exemplo, que tentam desestabilizar Bolsonaro.

"A Rede Globo sensacionalista ignorou a ética, a honestidade intelectual e os fatos para tentar ligar o presidente ao caso Marielle. Usou, levianamente, o depoimento de um porteiro, com o objetivo de desestabilizar Bolsonaro a qualquer custo", disse.

No mesmo tom, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, escreveu que a reportagem "envergonha a história" do Jornal Nacional em uma reportagem "tendenciosa" e com suspeitas "infundadas".

"Matéria claramente tendenciosa e deturpando fatos e criando suspeitas infundadas. A direção da TV Globo deveria ter mais responsabilidade com sua história", disse.

As emissoras de rádio e TV no Brasil são concessões públicas. A da TV Globo vence em 2023. A concessão é renovada ou cancelada pelo presidente, e o Congresso pode referendar ou derrubar na sequência o ato presidencial em votação nominal de 2/5 das Casas (artigo 223 da Constituição).

A concessão vence em 15 de abril de 2023. Segundo lei aprovada pelo governo Temer, no entanto, o presidente pode decidir sobre a concessão até um ano antes de ela vencer —ou seja, em abril de 2022, no início do último ano do mandato de Bolsonaro. ​

GLOBO LAMENTA DECLARAÇÕES

Em nota na noite desta terça-feira, a Globo afirmou que lamenta que o presidente demonstre "não conhecer a missão do jornalismo de qualidade e use termos injustos para insultar aqueles que não fazem outra coisa senão informar com precisão".

Disse que "não fez patifaria nem canalhice" e que a mera citação do nome do presidente leva o Supremo a analisar a situação.

"[A reportagem] ressaltou, com ênfase e por apuração própria,  que as informações do porteiro se chocavam com um fato: a presença do então deputado Jair Bolsonaro em Brasília, naquele dia, com dois registros na lista de presença em votações. O depoimento do porteiro, com ou sem contradição, é importante, porque diz respeito a um fato que ocorreu com um dos principais acusados, no dia do crime."

Sobre as declarações de Bolsonaro de que renovará em 2022 a concessão se o processo estiver "enxuto", a Globo disse que não poderia esperar do presidente outra atitude. "Há 54 anos, a emissora jamais deixou de cumprir as suas obrigações."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.