Temer operou processo de impeachment de Dilma, diz Rodrigo Maia

Presidente da Câmara também afirmou que inchaço da máquina pública impede crescimento da economia

Bruna Narcizo
São Paulo

O presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse neste sábado (5) que o ex-presidente Michel Temer (MDB) operou o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). 

"Ela ia cair de qualquer jeito, mas operar o processo pensando em cargos futuros pode gerar um governo com dificuldade", disse ele durante o Festival Piauí de Jornalismo, em São Paulo. 

"Fui responsável por não derrubar o Temer. Não seria razoável. Não tive medo, ao contrário. Continuo fazendo a mesma coisa, presidindo a Câmara e impondo os limites entre o Legislativo e o Executivo", afirmou. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) - Pedro Ladeira/Folhapress

O assuntou surgiu após ser questionado se teria sido covarde por não ter seguindo com o processo de impeachment de Temer. 

"Nove em cada 10 políticos comandariam o impeachment, mas fiz o contrário. As ambições pessoais não podem estar acima do cargo."

Maia, no entanto, afirmou que o governo de Temer conseguiu fazer muita coisa e tocado uma agenda de reformas apoiada pelo atual presidente Jair Bolsonaro (PSL). 

Para Maia, o presidente começou o governo "radicalizando, estimulado pelo núcleo de rede social".

"Ele tinha na cabeça governar por decretos. Fomos derrubando, para mostrar que não é assim. E nos últimos meses ele tem feito um discurso mais conciliador. Viu que não consegue governar sozinho", afirmou.

O presidente da Câmara disse que outros Poderes estimulam Bolsonaro a governar por decretos. 

"É o caso do TSE [Tribunal Superior Eleitoral], nesta semana legislou sobre a questão do prazo das comissões provisórias dos partidos políticos. A lei aprovada no Congresso diz uma coisa e a interpretação diz outra. Legislando por cima do Parlamento." 

Sobre as eleições de 2022, o presidente da Câmara disse acreditar que existe um espaço no centro brasileiro.

"À direita está Bolsonaro com 20% das intenções dos votos, à esquerda o PT com mais 20% e a sociedade está procurando um caminho."

Questionado se o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), teria o apoio do DEM, Maia disse que 2022 ainda está muito longe.

"Sem dúvida o governador de São Paulo é sempre um ator relevante nesse processo político. Caberá a ele ser o líder desse processo em 2022." 

A candidatura do apresentador Luciano Huck também é uma possibilidade. "Em 2018, ele veio me dizer que só seria candidato caso o DEM o apoiasse, mas eu falei que o DEM só decidiria após ele formalizar a candidatura."

Maia disse que Huck pode ser esse nome do centrão e que não pensa, nesse momento, em se candidatar. "Meu perfil inicial não é de candidato majoritário, mas tenho uma boa condição de ajudar."

Sobre o indiciamento do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, acusado de operar um esquema de candidaturas laranjas, Maia disse que a regra de destinar 30% dos recursos para mulheres "ainda vai dar muito problema". Segundo ele, cada caso tem que ser avaliado individualmente. 

Agenda econômica

Maia afirmou ainda que elogia a agenda econômica de Bolsonaro. Segundo ele, o inchaço das contas públicas é o que impede o crescimento econômico do Brasil.

“Com juros a 5% e câmbio a R$ 4,00 só não estamos crescendo porque a máquina tá muito grande. Temos a necessidade de repensar o estado e a aprovação das reformas administrativa e tributária é fundamental”, disse. 

Maia afirmou que as políticas salariais das estatais são cerca de 40% mais altas do que nas empresas privadas e utiliza a Eletrobras como exemplo de má gestão.

“Já falei para [o ministro da Economia, Paulo] Guedes que ele precisa mostrar esses números para os deputados. Que isso ajudaria a aprovar a privatização [da estatal].”

Outro exemplo citado é a média salarial dos cargos administrativos da Câmara. "Uma vaga que existe ensino médio tem salário de R$ 15 mil. É muito mais alto do que em qualquer empresa", diz.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.