Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Leitores reagem a fala de Bolsonaro e defendem assinar a Folha como ato de resistência

Presidente afirmou nesta quinta (31) que irá cancelar assinaturas do jornal no governo federal e ameaçou anunciantes

Fernanda Mena
São Paulo

"Eu assino a Folha. E hoje eu me dei conta de que uma assinatura de jornal pode se tornar um ato de resistência." 

A postagem da fisioterapeuta Mariana Voos, 41, em uma rede social foi uma das muitas reações de leitores, assinantes e ex-assinantes da Folha à declaração do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de que cancelaria todas as assinaturas do jornal feitas pelo governo federal.

"Não vamos mais gastar dinheiro com esse tipo de jornal. E quem anuncia na Folha de S.Paulo presta atenção, está certo?", ameaçou o presidente em uma transmissão em rede social.

Menos de 12 horas depois, o número de novas assinaturas da Folha já era o quíntuplo da média para o período.

Bolsonaro anuncia cancelamento de assinaturas da Folha pelo governo federal em live nas redes sociais
Bolsonaro anuncia cancelamento de assinaturas da Folha pelo governo federal em live nas redes sociais - Reprodução/facebook@jairmessias.bolsonaro

"Após dez anos, voltei a assinar a Folha", postou o gestor ambiental José Bento Vasconcellos, 56, que vive no Sul de Minas.

"Apesar de discordar muitas vezes da Folha, é o primeiro jornal que leio, online, todos os dias", explicou ele. "É um jornal que respeito. Acho um abuso o que este senhor está fazendo, e quero apoiar a Folha, mesmo que modestamente."

O advogado Fernando Moraes, 40, postou uma foto da tela de seu computador exibindo mensagem do site da Folha de conclusão de uma nova assinatura.

"O presidente mandou cancelar todas as assinaturas da Folha de S.Paulo em âmbito federal e ainda ameaçou quem anunciasse no jornal. Diante disso tomei uma atitude: assinei a Folha", escreveu.

Procurado, ele explicou que sua postagem tem a intenção "de criar um movimento". "Diante de uma atitude tão despropositada do presidente, um sujeito com pendor autoritário, que está tentando minar a imprensa de todas as formas, e em especial a Folha, eu, que já era assinante digital, assinei agora também o jornal em papel."

"Bolsonaro pode cancelar as assinaturas do governo, mas, se as pessoas se mobilizarem e assinarem o jornal, isso não vai fazer diferença", avalia.

Muitos dos que se manifestaram nas redes sociais avaliaram que a declaração do presidente contra o jornal se tornou um estímulo para novos assinantes. 

"O presidente acabou fazendo uma grande propaganda do jornal. Também quero assinar a Folha", escreveu Marcos Vicente em uma rede social. "O veto presidencial só me deu motivos para acompanhar e apoiar o jornal", tuitou @quaseqCaio_.

Manifestações como "Obrigado, Mito. Acabo de assinar a Folha de SP!" e "Assinando a Folha em 3, 2, 1..." se juntaram à hashtag #euassinoafolha, que inaugurou uma campanha do jornal lançada nesta sexta-feira (1º).

Há quem enxergue na atitude de Bolsonaro apenas mais um capítulo de uma onda de perseguição presidencial ao exercício do jornalismo crítico.

Em algumas postagens, o presidente brasileiro foi comparado ao americano Donald Trump, que há poucas semanas anunciou ter cancelado assinaturas dos jornais The New York Times e The Washington Post.

E houve quem comparasse Bolsonaro ao turco Recep Tayyip Erdogan, cuja campanha contra a imprensa profissional transformou a Turquia no país que mais prende jornalistas no mundo.

"Depois que a Folha passou a ser perseguida, eu imediatamente assinei [o jornal]", tuitou o professor carioca Emanuel Paiva, 55. Ele conta ter sido motivado por declarações de Bolsonaro de que a Folha estaria com "os dias contados" e outras atitudes que avalia como "antidemocráticas". 

O jornalista Ricardo Noblat tuitou "Agora é que eu vou assinar @folha. Nunca se viu nesse país tamanho desprezo pela opinião divergente. Isso passa, pode demorar, mas vai passar. @folha ganhou uma assinatura".

Já a jornalista Heloisa Lupinacci replicou postagem sua de outubro do ano passado feita no contexto da eleição de Bolsonaro: "Primeira ação de resistência prática: assinar a Folha. Jogar fora aquela senha marota e assinar".

À época, o jornal foi atacado após publicar reportagem que revelou o disparo em massa de mensagens de WhatsApp contra o PT bancado por empresários apoiadores de Bolsonaro.

"A ficha caiu: assinar o jornal hoje é um ato de resistência", reitera a fisioterapeuta e professora da PUC-SP Mariana Voos.

"Hoje acordei lembrando de que eu recortava a Folha para fazer trabalhos da escola e que eu guardava numa pasta as reportagens de que mais gostava", relata ela, que cresceu lendo o jornal em papel, que o pai, um ex-militar, assina até hoje, antes de se tornar assinante digital da Folha. "Lembro disso e quase não dá pra acreditar que chegamos a este ponto. É um nonsense."

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, em sua conta no Twitter, afirmou que também assinou a Folha depois das declarações de Bolsonaro.

"Após algum tempo afastado, volto ao convívio. Todos conhecem minhas varias divergências com a FSP. A liberdade de expressão é um dos pilares da democracia. Divergências se resolvem no plano das ideias, não no silêncio imposto ou induzido. Hoje assinei a FSP. Imprensa livre!", escreveu Janot.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.