Moro contribui mais se ficar fora da investigação, diz família de Marielle

Para eles, ministro só demonstrou interesse no caso após menção a Bolsonaro

Rio de Janeiro

A família de Marielle Franco defendeu neste sábado (2) que as investigações sobre o assassinato da vereadora do PSOL e do motorista Anderson Gomes permaneçam na esfera estadual. Na sexta (1), o ministro da Justiça, Sergio Moro, propôs a federalização do caso.

Em nota, eles dizem que Moro sempre demonstrou pouco interesse com o episódio e só falou em federalização após menção ao presidente Jair Bolsonaro. "Acreditamos que Sergio Moro contribuirá muito mais se ele permanecer afastado das investigações", afirmaram os familiares.

Familiares da vereadora Marielle Franco (PSOL) em ato multirreligioso no centro do Rio
Familiares da vereadora Marielle Franco (PSOL) em ato multirreligioso no centro do Rio - Folhapress

A nota é assinada pelos pais de Marielle, Antônio Francisco da Silva e Marinete Silva, pela irmã, Anielle Franco, e pela viúva, Mônica Benício. O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), de quem Marielle foi assessora, também é signatário. Luyara Santos, filha de Marielle, também assina a nota.

Em evento em Curitiba na sexta, Moro alegou que “considerando a demora de identificação dos mandantes e essas reiteradas tentativas de obstrução da Justiça, talvez seja o caso realmente de federalização”. A transferência das investigações foi defendida pela ex-procuradora geral da República, Raquel Dodge, antes de deixar o cargo.

"O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro obteve avanços importantes e, por isso, somos favoráveis a que a instituição permaneça responsável pela elucidação do caso", contestam os familiares, na nota divulgada neste sábado.

Reportagem do Jornal Nacional de terça-feira (29) apontou que um porteiro (cujo nome não foi revelado) disse à Polícia Civil que, no dia do assassinato da vereadora, Élcio Queiroz, ex-policial militar suspeito de envolvimento no crime, afirmou na portaria do condomínio que iria à casa de Bolsonaro, na época deputado federal.

versão foi refutada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, que afirmou que a versão apresentada no depoimento não corresponde aos fatos apurados durante a investigação.

Nesta quinta (31), a Folha mostrou que há problemas na perícia encomendada pela Promotoria.

Na sexta, a promotora Carmen Carvalho decidiu se afastar das investigações após repercussão negativa de fotos de Carvalho apoio Bolsonaro e ao lado do deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ), que quebrou a placa em homenagem à vereadora assassinada.

Folha apurou que a viúva e a irmã de Marielle respectivamente, eram contra a permanência de Carvalho no caso. A promotora, contudo, recebeu o apoio dos pais da vereadora e da viúva de Anderson Gomes, Agatha Arnaus Reis.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.