Contas de miliciano foram usadas em 'rachadinha' de Flávio, diz Promotoria

Devolução de remuneração de ex-assessora passava pelo caixa de ex-capitão da PM antes de ser repassado a ex-braço-direito do filho do presidente Bolsonaro

Rio de Janeiro

Contas bancárias controladas pelo ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega, foragido sob acusação de integrar uma milícia, foram usadas para abastecer Fabrício Queiroz no suposto esquema de "rachadinha" no antigo gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

A conclusão é do Ministério Público do Rio de Janeiro com base em dados da quebra de sigilo bancário e fiscal de Queiroz e da mulher de Adriano, Danielle Mendonça da Nóbrega, ex-assessora de Flávio.

A Promotoria apura a prática da "rachadinha" no antigo gabinete de Flávio, que consiste em coagir servidores a devolver parte do salário para os parlamentares. Estão sendo investigados crimes de peculato, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e organização criminosa.

O pivô da investigação é Queiroz, policial militar aposentado que era assessor de Flávio. A origem da relação de Queiroz com a família Bolsonaro é o presidente da República. Os dois se conhecem desde 1984 e pescavam juntos em Angra dos Reis.

Os investigadores afirmam que Danielle devolveu ao menos R$ 150 mil do salário que recebeu de 2007 a 2018 a Queiroz —cerca de 19% do total de seus vencimentos. Desse volume, R$ 115 mil foram repassados por intermédio de contas bancárias controladas por Adriano, de acordo com o Ministério Público.

Foram usadas contas em nome de dois restaurantes da família do ex-capitão e da mãe dele, Raimunda Veras Magalhães, em período anterior à também nomeação dela no gabinete de Flávio.

Também há indicação do controle por Adriano do dinheiro que seria repassado por Danielle a Queiroz, em diálogos entre o casal por aplicativo de mensagem. Eles foram obtidos durante a Operação Os Intocáveis, em janeiro, quando o telefone da mulher do ex-PM foi apreendido e ele se tornou foragido.

Quando a ex-assessora de Flávio se queixa de sua exoneração em novembro, Adriano afirma que “contava com o que vinha do seu tmbm [também]”. Para o Ministério Público, a frase revela que o ex-capitão também ficava com parte do salário dela.

Em outro diálogo, Adriano afirma que iria conversar com Queiroz sobre a exoneração, a fim de evitá-la. O ex-assessor de Flávio é chamado apenas de “amigo”.

O ex-capitão é acusado de comandar uma das milícias mais antigas e violentas do Rio de Janeiro, na favela de Rio das Pedras (zona oeste). É também suspeito de vínculos com jogo do bicho. Foragido há quase um ano, Adriano foi companheiro no 18º Batalhão da PM de Fabrício Queiroz.

Apesar das transações financeiras, as mensagens também mostram que a família Bolsonaro se preocupava com a eventual vinculação do gabinete de Flávio com o ex-capitão.

"Sobre seu sobrenome... Não querem correrem risco, tendo em vista que estão concorrendo e visibilidade que estão. Eu disse que vc está separada e está se divorciando", escreveu Queiroz para Danielle em dezembro de 2017.

A ex-assessora explica que permanecem casados, mas "separados de corpos" e pede para ser mantida no cargo. Ela ficou até novembro de 2018.

Na ocasião desta troca de mensagens, Adriano não era considerado foragido e não respondia mais a ações penais. Ele já havia sido expulso da Polícia Militar em 2014 porque, para a corporação, ele atuou como segurança de um bicheiro.

Não há nas mensagens indicação de que Queiroz e a família Bolsonaro soubessem da atuação de Adriano com a milícia de Rio das Pedras.

O Ministério Público afirma também que as mensagens mostram que Danielle reconheceu a amigas que era uma funcionária fantasma. Numa mensagem enviada para uma delas, diz que “já vinha [há] um tempo muito incomodada com a origem desse $ [dinheiro] na minha vida”.

Em outra conversa, uma amiga identificada como Paty diz para Danielle que foi Adriano quem arrumou a nomeação e que ela “poderia ter se enrolado com isso”.

Queiroz também conversa diretamente com Danielle. Logo após a divulgação de reportagens sobre a movimentação atípica em sua conta bancária identificada pelo Coaf (Conselho de Controle das Atividades Financeiras), o ex-assessor de Flávio sugere a ela que tome cuidado ao falar no telefone.

O advogado Paulo Klein, que defende Queiroz, disse que os diálogos estão sendo interpretados de forma distorcida.

“A interpretação dada a esses diálogos é feita de forma distorcida e a partir de recortes de diálogos obtidos de forma ilegal. Portanto, para que os fatos possam ser avaliados com isenção é necessário que todo o diálogo seja apresentado”, disse ele.

Ele afirmou ainda que “valores milionários vêm sendo apresentados de forma distorcida, para que a opinião pública veja ilegalidades onde não há”.

“Embora se insistam em criar escândalos, como já devidamente esclarecido, o sr. Fabrício Queiroz recebia parte dos salários de alguns assessores para aumentar a base de atuação do deputado. Ou seja, com a mesma finalidade pública dos recursos, não constituindo qualquer ilegalidade”, declarou ele.

A Folha não conseguiu contato com as defesas de Adriano e Danielle.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.