Descrição de chapéu Eleições 2020

Crivella é reprovado por 72% no Rio e fica atrás de Paes e Freixo para 2020, diz Datafolha

Segundo pesquisa, prefeito do Rio tem de 8% a 9% de intenções de voto em busca da reeleição

Rio de Janeiro

Reprovado por quase três quartos dos eleitores da cidade do Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) aparece num segundo pelotão nas intenções de voto para a eleição municipal do ano que vem, segundo pesquisa Datafolha.

O ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) e o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) lideram as intenções de voto para o cargo nos três cenários analisados pelo instituto. 

Em todos os casos eles estão tecnicamente empatados, sempre com o ex-prefeito numericamente acima.
Crivella, que pretende disputar a reeleição, aparece com 9% em dois cenários pesquisados e 8% em outro.
Na simulação com maior número de candidatos, Eduardo Paes está na frente, com 22%, empatado tecnicamente com Freixo, que tem 18%. Crivella registra 8%.

No cenário com menos postulantes ao cargo, o ex-prefeito alcança 27% e o deputado, 21%  –empatados no limite da margem de erro.

Datafolha entrevistou 872 pessoas para o levantamento, encomendado pela Folha e pelo jornal O Globo e realizado de quarta (11) a sexta (13) na cidade do Rio de Janeiro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Enfrentando uma grave crise financeira, com reflexos nos serviços de saúde, Crivella viu aumentar a reprovação ao seu governo.

Em outubro de 2017, a administração do prefeito era considerada ruim ou péssima por 40% dos entrevistados. Esse percentual subiu para 61% em março de 2018. Na atual pesquisa, 72% avaliaram negativamente a gestão.

Bispo licenciado da Igreja Universal, o prefeito também tem sua gestão rejeitada pela maioria dos evangélicos, apesar de em patamar menor. Nesse grupo, 56% avaliam como ruim/péssimo o governo municipal. Entre os neopentecostais (conjunto que inclui os fiéis da Universal), a má avaliação cai para 49%.

Em média, a nota atribuída à gestão do prefeito é 2,6, sendo que 45% deram zero à administração municipal. Consideram ótimo/bom o governo Crivella 8% dos entrevistados, enquanto 20% o avaliam como regular —1% disse não saber.

O presidente Jair Bolsonaro e o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, em evento militar
O presidente Jair Bolsonaro e o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, em evento militar - Celso Pupo/Fotoarena/Folhapress

A baixa aprovação se reflete nas intenções de voto no atual prefeito. Paes e Freixo, seus dois principais adversários, têm explorado a crise na saúde pública do Rio para atacar Crivella nas redes sociais.

Funcionários de organizações sociais que atuam em hospitais e postos de saúde entraram em greve após dois meses de atraso nos salários, em razão de demora no repasse das verbas para as entidades. A mobilização tem afetado o atendimento.

Nesta sexta (13), a prefeitura e o governo Jair Bolsonaro assinaram acordo que garante o repasse de R$ 152 milhões para a saúde do município. O acordo foi assinado com a presença de Crivella e do senador Flávio Bolsonaro (sem partido), filho do presidente.

Crivella tem negado haver crise na saúde, mas, de acordo com o Datafolha, 68% dos entrevistados consideram o setor o maior problema da cidade. A insegurança está em segundo lugar, com 12%.

A pesquisa mostra ainda que 74% das pessoas se sentiram diretamente afetadas de alguma forma com a crise financeira do estado e do município. Para 81%, ela também afetou o bem-estar na cidade.

O prefeito tem tentado se aproximar do presidente com a intenção de obter seu apoio no ano que vem. O levantamento indica que a estratégia pode melhorar o desempenho do prefeito, embora com efeitos limitados.

Segundo o Datafolha, 13% dos entrevistados declararam que escolheriam o candidato apoiado por Bolsonaro. Outros 25% disseram que talvez votassem no indicado pelo presidente. Já 60% afirmaram que não votariam num nome referendado por ele.

Na cidade do Rio, 29% consideram ótima/boa a gestão Bolsonaro, mesmo percentual daqueles que a avaliam como regular. Para 41%, o presidente tem uma administração ruim/péssima. O governo federal obteve nota 4,4, em média, dos entrevistados.

Peso semelhante tem o apoio do ex-presidente Lula (PT), que pode subir no palanque de Freixo em 2020.
De acordo com o resultado da pesquisa, 19% escolheriam o nome apoiado pelo petista, outros 19% talvez seguissem a indicação, e 61% não votariam num candidato referendado pelo ex-presidente.

O apoio do governador Wilson Witzel (PSC) a um nome da disputa municipal atrairia o voto de 8% dos entrevistados. Outros 27% afirmaram que talvez escolhessem a pessoa indicada pelo ex-juiz. Já 63% disseram que rejeitariam o nome apontado por ele.

Em seu primeiro ano de governo, Witzel tem a gestão avaliada positivamente por 18% dos moradores da capital e rejeitada por 40%. Outros 40% a consideram regular. A administração do estado tem nota 4,1, em média.

Já o apoio do bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal e tio de Crivella, tem a rejeição de 82% dos eleitores. Apenas 5% dos entrevistados afirmaram que a indicação de Macedo os faria escolher esse candidato.

A pesquisa mostra também que a maioria dos ouvidos concorda com a afirmação de que os políticos do Rio de Janeiro são menos eficientes (55%) e mais corruptos (62%) que os demais no Brasil.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.