Aliado de Bolsonaro cotado para eventual pasta da Segurança diz que Moro não é técnico da área

Amigo do presidente, ex-deputado Alberto Fraga defende desmembramento do Ministério da Justiça

Brasília

Cotado para assumir o Ministério da Segurança Pública caso a pasta seja recriada, o ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) defende a autonomia da estrutura federal do Ministério da Justiça e avalia que, apesar de o ministro Sergio Moro ser "um ícone no país", a atividade da segurança precisa ser coordenada por um técnico da área.

Em entrevista à Folha, o coronel reformado da Polícia Militar do Distrito Federal disse que provavelmente aceitaria assumir a nova função caso fosse convidado pelo presidente e afirmou que uma separação das pastas não representaria um ataque ou um desprestigio ao ministro da Justiça, uma vez que, na sua avaliação, o ministério já tem atividades "bastante amplas".

O ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF) - Alan Marques-11.jan.17/ Folhapress

"Eu acho Sergio Moro um excelente jurista. Um ícone no nosso país no combate à corrupção. Agora, defendo que a atividade de segurança pública precisa de alguém que seja técnico da área. Ou seja, alguém que militou na área", disse.

Na quarta-feira (22), em encontro com secretários estaduais de segurança pública, ao qual Moro não foi chamado, o presidente disse que estuda a recriação de uma pasta dedicada à Segurança Pública.

Nesta quinta-feira (23), Bolsonaro voltou a sugerir a possibilidade e ressaltou que Moro provavelmente seria contra, o que foi interpretado por aliados do ministro como uma tentativa do presidente de enfraquecê-lo.

"Não seria um desprestígio. As atividades do Ministério da Justiça já são bastante amplas. Eu defendo a separação não importa quem seja o ministro. Tanto é que já defendia quando o ministro da Justiça ainda era Márcio Thomaz Bastos (2003-2007), na época do PT. Não é nada contra o Moro", afirmou. 

Apesar de Fraga ter se reunido no final de semana com Bolsonaro, o amigo do presidente afirma que não conversa sobre o assunto com ele há mais de nove meses. O ex-deputado ressaltou também que não foi feito nenhum convite para assumir uma eventual novo cargo de ministro.

"Todo mundo sabe que eu sou Bolsonaro e faria o que ele mandar eu fazer. Evidentemente, se o convite fosse feito, pensaria com muito carinho. É provável que eu aceitasse, porque sempre foi a minha área", afirmou. "Se essa pasta fosse separada, a sociedade ganharia mais", acrescentou.

Então deputados federais, Alberto Fraga e Jair Bolsonaro fazem sinal com as mãos imitando armas de fogo durante a votação em segundo turno do projeto para mudar a maioridade penal, em 2015 - Alan Marques/Folhapress

O ex-deputado federal reclamou das críticas que tem sofrido nas redes sociais por apoiadores de Moro e defendeu o trabalho das polícias estaduais. Para ele, é uma injustiça atribuir a Moro a queda nas taxas de homicídios, tendência iniciada ainda na gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB) e acelerada agora.

"Eu acho uma histeria dos seguidores do Moro em me atacar. O que eu tenho a ver com isso? Nada", afirmou. "Dizer que os números foram reduzidos por conta do Sergio Moro é uma tremenda injustiça com os governos estaduais e com a policias estaduais", ressaltou.

Se o Ministério da Segurança for recriado, a pasta hoje comandada por Moro sofrerá novo esvaziamento.

Desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2019, o ex-juiz da Lava Jato já viu seu poder ser reduzido quando perdeu o antigo Coaf, rebatizado de UIF e subordinado atualmente ao Banco Central. 

Moro poderá perder ainda a Polícia Federal, que responde administrativamente à Justiça. No desenho anterior do Ministério da Segurança, na gestão Temer, o órgão passou a ser vinculado à pasta. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.