Ex-assessor reforça acusação de 'rachadinha' de deputado do PSL em SP

Líder do partido na Assembleia paulista, Gil Diniz nega as acusações e coloca sigilo bancário à disposição da investigação

São Paulo

Em novo depoimento na investigação de um suposto esquema de "rachadinha" na Assembleia Legislativa de São Paulo, o ex-assessor do deputado estadual Gil Diniz (PSL), Alexandre Junqueira, sustentou suas acusações e afirmou que o parlamentar mantinha um funcionário fantasma em seu gabinete. Diniz nega.

O inquérito corre em sigilo, mas Junqueira reafirmou à Folha que o deputado e líder do PSL na Casa coagia seus funcionários a devolver parte dos salários e fazia um rodízio de recolhimento em espécie das gratificações. O dinheiro seria usado para pagar contas de apoiadores.

Minutos antes do depoimento, outro assessor do deputado, Felipe Carmona, também esteve no Ministério Público de São Paulo, onde Junqueira foi ouvido. Ele afirmou que havia protocolado autorização para quebra do sigilo de Diniz e de seus funcionários do gabinete para facilitar as investigações.

"A gente quer resolver isso o mais rápido possível. Antes de sermos intimados nós ficamos sabendo da denúncia pela imprensa e já protocolamos defesa para agilizar", afirmou Carmona.

O deputado estadual Gil Diniz (PSL) durante sessão na Assembleia de SP
O deputado estadual Gil Diniz (PSL) durante sessão na Assembleia de SP - Divulgação/Alesp

De acordo com Junqueira, o embrião do esquema nasceu na campanha do deputado, quando uma caixinha voluntária teria sido instituída para angariar recursos. Após a eleição, dar o dinheiro teria virado uma imposição.

Além disso, o ex-assessor sustenta que um funcionário lotado no gabinete de Diniz, Thiago Cortês, seria fantasma.

Junqueira afirma que a função que ele exercia era de secretário-geral do PSL, um cargo voluntário, mas do qual ele se ocupava em horário de serviço. Cortês nega a acusação e diz que trabalha em horário integral no gabinete.

O assessor foi nomeado em 15 de março de 2019, e a proposta para participar do esquema teria ocorrido no final do mesmo mês. Por ter se negado, ele diz que seria rebaixado ao cargo de motorista, mas a proposta não foi acatada.

Junqueira foi exonerado no dia 31 de julho, mas, antes disso, teria sido proibido de frequentar o gabinete e impossibilitado de trabalhar pelo parlamentar por três meses.

O motivo de não ter feito a denúncia durante esse período é, segundo ele, "a impunidade do Brasil". Além disso, ele afirma que havia necessidade de o mandato ganhar corpo para "ter o que denunciar".

Já as razões para a denúncia, em outubro, seriam ataques nas redes sociais. "Fiz isso pela cachorrada que ele fez. Ele foi um cara totalmente desonesto. Eu lutei por um projeto que eu acreditava e não acredito mais."

No dia 15 de outubro, a esposa de Junqueira, Solange de Freitas Junqueira, protocolou no Ministério Público de São Paulo uma denúncia contra o líder do PSL na Assembleia. O ex-assessor estava em viagem à Indonésia.

O advogado de Diniz, Roberto Beijato Junior, afirma que o motivo da denúncia é uma disputa pelo diretório do PSL da cidade de Suzano (SP), que era de interesse do ex-assessor de seu cliente. "Nós temos um áudio dele, que vamos apresentar, em que ele abertamente faz uma chantagem", afirma. Junqueira nega as acusações.

Na época, o deputado era vice-presidente do PSL no estado de São Paulo. Próximo ao presidente Jair Bolsonaro (eleito pelo PSL e hoje sem partido), Diniz é visto como braço direito do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Os promotores do caso não quiseram se manifestar.

Conheça os envolvidos

Gildevânio Ilso dos Santos Diniz, hoje Gil Diniz, ganhou fama na internet como “Carteiro Reaça”. O antigo posto nos Correios e as críticas ácidas ao que chamava de aparelhamento da estatal pelo PT lhe renderam o apelido.

Em 2015, tornou-se assessor de gabinete do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O convite veio após conhecê-lo durante a campanha de Eduardo para a Câmara em 2014.

Alexandre Junqueira, que acusa Diniz de promover esquema de "rachadinha" em seu gabinete na Assembleia, também se projetou na internet.

De uma página com dicas de viagem, a “Carioca de Suzano” —apelido de Junqueira— virou uma plataforma política, com cobranças às autoridades e vídeos em apoio a Bolsonaro.

O ex-assessor afirma ter trabalhado em 2018 como motorista de Eduardo Bolsonaro durante a campanha.

A proximidade, segundo Junqueira, resultou em convite para assistir a apuração da eleição na casa do atual presidente e passar a virada do ano de 2018 para 2019 na Granja do Torto, em Brasília, onde Diniz também estava.

O deputado estadual atribui a acusação ao anúncio de que seria pré-candidato à Prefeitura de São Paulo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.