No litoral de SP, Bolsonaro programa dobradinha com prefeito tucano desafeto de Doria

Presidente deve ir a Santos nesta sexta-feira (10) para inauguração de pronto-socorro

Santos

A viagem do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a Guarujá, no litoral de São Paulo, programa mais do que cinco dias de descanso ao lado da filha mais nova, Laura.

O político chegou na manhã desta quinta-feira (9) e já confirmou presença em evento ao lado de um desafeto do governador João Doria (PSDB), potencial rival na disputa presidencial de 2022.

Sem compromissos em sua agenda oficial no primeiro dia, Bolsonaro participará nesta sexta-feira (10) da inauguração do novo pronto-socorro da Santa Casa de Misericórdia de Santos com o prefeito da cidade, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB).

O presidente Bolsonaro na saída do Palácio do Alvorada ao embarcar com a filha Laura, 9, para Guarujá (SP)
O presidente Bolsonaro na saída do Palácio do Alvorada ao embarcar com a filha Laura, 9, para Guarujá (SP) - André Coelho/Folhapress

A dobradinha entre os políticos afastou a possibilidade da vinda de Doria. Ele declinou o convite e disse que cumprirá agenda em São Paulo, além de participar da entrega de uma unidade de saúde em Monte Mor, na região de Campinas, e de uma creche em Cerquilho, próximo a Sorocaba.

Apesar de correligionários, Paulo Alexandre e Doria possuem relação estremecida. Em 2018, o prefeito de Santos declarou, em entrevista à Folha, apoio à candidatura do então governador Márcio França (PSB) ao Governo de São Paulo contra Doria, a quem acusou de ter traído o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Ele chegou a dizer que Doria não representava os ideais do partido e é movido por oportunismo eleitoral. Posteriormente, o presidente do diretório tucano em Santos recebeu documentos de filiados pedindo para avaliar a expulsão de Paulo Alexandre, acusando-o de infidelidade partidária.

“Não posso falar se há problemas entre eles, mas o Doria foi convidado, sim, mas não quis confirmar presença. Teremos o presidente e o prefeito, que fez questão de vir”, disse à Folha o provedor do hospital, Ariovaldo Feliciano.

Os políticos ensaiaram uma aproximação no início de dezembro, quando o governador acompanhou, na Vila Belmiro, a partida entre Santos e Flamengo pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

Paulo Alexandre e Doria permaneceram no mesmo camarote, porém trocaram apenas cumprimentos formais e poucas palavras.

À reportagem, o prefeito negou que haja conflito entre ele e o governador. "Não há animosidade na minha relação com o governador João Doria. É justamente o contrário. A Folha, ao invés de basear suas informações em fatos, opta pela intriga", disse. 

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), em entrevista à Folha
O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), em entrevista à Folha - Ricardo Nogueira - 12.mai.17/Folhapress

Para o evento de inauguração na Santa Casa nesta sexta-feira são aguardadas aproximadamente 700 pessoas. No local foi montado um grande palco para um pronunciamento de Bolsonaro ao lado de Paulo Alexandre.

O prefeito santista está licenciado do cargo até esta sexta devido à comemoração de seu aniversário com a família, no litoral norte paulista, mas confirmou retorno para participar da inauguração ao lado de Bolsonaro.

Antes ocupada pelo antigo pronto-socorro municipal, a área recebeu investimento de R$ 4 milhões, provenientes de recursos do próprio hospital, e funcionará como pronto-socorro para convênios e atendimento particular.

A segurança do presidente realizou inspeções no local, além de estudos para evitar tumultos. Bolsonaro dispensou o uso de helicóptero e optou por ir de carro até o local. A estimativa inicial de sua segurança é que permaneça lá por cerca de uma hora.

Diferente da última visita a Santos, em novembro, para as comemorações do feriado da Proclamação da República, não foram registradas manifestações hostis em redes sociais ou na cidade.

Bolsonaro ainda é aguardado antes do evento na ponte dos Barreiros, em São Vicente, principal ligação entre a área insular e continental da cidade, fechada judicialmente para tráfego de veículos desde 30 de novembro por apresentar riscos de desabamento. Ele, porém, não confirmou a aparição.

Se for, o presidente acompanhará a assinatura de contrato entre a Prefeitura de São Vicente e a empresa PHD Engenharia, responsável por elaborar um projeto executivo para definir os reparos necessários para a obra emergencial da ponte, utilizada diariamente por aproximadamente 150 mil pessoas.

Assim como em abril e novembro, Bolsonaro ficará no Hotel de Trânsito da sede da 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea, conhecido por ter recebido por seis vezes o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a primeira-dama Marisa Letícia.

A hospedaria conta com diversas outras suítes, campo de futebol, piscina, banheira de hidromassagem e vista para o mar do quarto. Há, dentro do complexo, moradias de oficiais do Exército e uma espécie de clube.

Bolsonaro chegou de helicóptero nesta quinta, por volta das 11h30. A previsão é que retorne para Brasília na manhã de terça-feira (14).

No fim do último ano, o presidente viajou para a Bahia, mas voltou antes do previsto, no dia 31. Ele também esteve sem a presença da esposa, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, que passou por uma cirurgia no último dia 2 em Brasília.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.