ABI envia à Procuradoria notícia-crime sobre mentiras de testemunha à CPMI das Fake News

Entidade afirma que Hans River promoveu ofensas de cunho misógino e atentatórias à honra de repórter da Folha

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) enviou ao Ministério Público Federal do Distrito Federal uma notícia-crime contra Hans River do Rio Nascimento, testemunha que mentiu à CPMI das Fake News na semana passada

Hans River é ex-funcionário da Yacows, agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp que atuou na campanha de 2018

Ex-funcionário de empresa de disparos em massa, Hans Nascimento (à dir.) presta depoimento nesta terça (11) na CPMI das Fake News
Ex-funcionário de empresa de disparos em massa, Hans Nascimento (à dir.) presta depoimento nesta terça (11) na CPMI das Fake News - Jane de Araújo/Agência Senado

Em depoimento à CPMI, sem apresentar provas, Hans afirmou que a repórter da Folha Patrícia Campos Mello queria “um determinado tipo de matéria a troco de sexo”, declaração reproduzida em seguida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) nas redes sociais.

Nesta terça (18), ao citar Hans, o presidente Jair Bolsonaro insultou Patrícia usando insinuação sexual. A declaração foi repudiada por entidades de imprensa e também por partidos e parlamentares

A notícia-crime enviada ao MPF reproduz as provas apresentadas pela Folha para desmentir Hans River, como áudios e prints das conversas dele com a repórter. A ABI pede ao órgão que apure os fatos narrados pelo depoente. 

"O depoente, com o claro intuito de criar uma cortina de fumaça sobre as investigações, faltou com a verdade não apenas em relação a trabalhos realizados durante o período que atuou no disparo das mensagens, mas também mentiu sobre diversos aspectos que envolveram a apuração jornalística capitaneada pela repórter Patrícia Campos Mello, incluindo ofensas de cunho misógino e atentatórias à honra da citada profissional", afirma a peça. 

O Código Penal estipula que fazer afirmação falsa como testemunha em processo judicial ou inquérito é crime, com pena prevista de dois a quatro anos de reclusão, além de multa. Na condição de testemunha, Hans se comprometeu em falar a verdade à comissão. O regimento do Senado diz que a inquirição de testemunhas em CPIs segue o estabelecido na legislação processual penal.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.