Foragido, miliciano ligado a Flávio Bolsonaro manteve rotina sem disfarces na Bahia

Morto pela polícia no último domingo (9), Adriano da Nóbrega ia à praia e frequentava vaquejadas

Salvador e Rio de Janeiro

Ele não estava exatamente escondido. Nos últimos cinco meses, Adriano da Nóbrega, 43, ex-capitão do Bope do Rio de Janeiro, circulou por festas de vaquejada e praias da Bahia e de Sergipe, mesmo foragido da Justiça. A quem perguntasse quem ele era, apresentava-se: “Capitão Adriano”.

O miliciano ligado ao senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) foi morto no último domingo (9) em uma operação das polícias do Rio e da Bahia, em Esplanada (170 km de Salvador). Nos meses anteriores, participou de competições de vaquejada nos municípios de Lagarto e Itabaiana, em Sergipe, Serrinha e Inhambupe, na Bahia, mesmo diante de câmeras e de grandes públicos.

Registros da Associação Brasileira de Quarto de Milha apontam que, usando seu próprio nome, Adriano disputou provas na categoria amador em 17 de janeiro de 2019, quando ficou em quarto lugar com seu parceiro Leandro Guimarães, o mesmo fazendeiro que lhe daria abrigo em Esplanada.

Menos de duas semanas depois, Adriano se tornou foragido, com a deflagração de operação do Ministério Público do Rio de Janeiro. Investigações apontam que Adriano atuava em diferentes atividades ilegais: milícia, jogo do bicho, máquinas caça-níqueis e homicídios profissionais.

As viagens à Bahia eram feitas de carro. A cada visita, acompanhava-o um caminhão com quatro cavalos, cada um valendo R$ 40 mil, que ele mantinha em um haras no Rio de Janeiro. Seu objetivo, segundo o relato de testemunhas, era montar um novo haras no litoral norte da Bahia, incluindo uma pista onde pudesse treinar para vaquejadas.

A polícia investiga se o haras era uma iniciativa pessoal de Adriano ou um empreendimento de seu grupo criminoso para lavagem de dinheiro ou até mesmo a formação de uma nova célula miliciana no Nordeste.

O ex-policial foi citado na investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro que apura se houve "rachadinha" no gabinete de Flávio quando ele era deputado estadual. Segundo o MP-RJ, contas de Adriano foram usadas para transferir dinheiro a Fabrício Queiroz, então assessor de Flávio e suspeito de comandar o esquema de devolução de salários. 

Queiroz e Adriano trabalharam juntos no 18º Batalhão da PM. Foi por meio de Queiroz que familiares de Adriano foram contratados como assessores no gabinete de Flávio: a mulher do ex-capitão, Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, de 2007 até novembro de 2018, e a mãe dele, Raimunda Veras Magalhães, de abril de 2016 a novembro de 2018. 

Em 2005, enquanto estava preso preventivamente pelo homicídio de um guardador de carros, Adriano foi condecorado por Flávio com a Medalha Tiradentes, a mais alta honraria da Assembleia Legislativa do Rio. Flávio já havia homenageado o hoje ex-policial dois anos antes. O então deputado estadual apresentou uma moção de louvor em favor de Adriano. 

Adriano também foi defendido por Jair Bolsonaro, então deputado federal, em discurso na Câmara dos Deputados, em 2005, por ocasião da condenação por homicídio. O ex-capitão seria absolvido depois em novo julgamento.

Armas apreendidas em local onde Adriano da Nóbrega foi morto
Armas apreendidas em local onde Adriano da Nóbrega foi morto - Divulgação SSP /BA

Acossado por mandados de prisão emitidos pela polícia, Adriano fixou-se na Bahia em setembro de 2019.

Seu primeiro destino foi uma casa alugada em um luxuoso condomínio em Costa do Sauípe (75 km da capital baiana). Ali, levou uma vida tranquila: frequentava a academia do condomínio, circulava pelas áreas comuns e também ia à praia. Em dezembro, chegou a dar uma festa de Réveillon com casa cheia, segundo relato de uma testemunha.

Foi também em dezembro que a inteligência da Polícia Civil do Rio teve convicção de que Adriano estava na Bahia – antes, já havia tido a informação de que ele esteve em Minas Gerais.

Em 1º de fevereiro, agentes da inteligência das polícias do Rio e Bahia tiveram o primeiro contato visual com Adriano no condomínio em Costa do Sauípe. Acionaram a equipe operacional que estava a uma distância de cinco minutos dali. Nesse intervalo, a mulher de Adriano chegou ao local com os filhos.

A polícia ainda não sabe o que fez Adriano identificar a iminência de sua prisão. Mas o fato é que, quando os policiais chegaram à casa, ele já tinha fugido.

O treinamento que recebeu para situações de risco no Bope foi essencial na fuga. Adriano precisou atravessar um mangue, cruzou uma lagoa a nado e correu pela praia até chegar a um povoado onde alugou um carro.

Ao longo do caminho de 100 km até chegar a Esplanada, trocou de carro pelo menos duas vezes. A polícia diz acreditar que, como Adriano fugiu do condomínio apenas com a roupa do corpo, ele já tinha uma estrutura planejada para uma possível fuga.

“Era uma pessoa altamente treinada”, afirma o delegado Marcelo Sansão, responsável pelas investigações do caso na Bahia.

Quatro dias depois, as equipes de inteligência identificaram o paradeiro do miliciano na fazenda de Leandro Guimarães. O pecuarista alegou em depoimento que não sabia do passado de crimes de Adriano, mas a polícia tem dúvidas sobre esta versão.

Isso porque Leandro foi arrolado como testemunha de defesa de Adriano em uma ação penal que este respondia no Rio. O pecuarista foi notificado para a oitiva no dia 21 de outubro de 2019.

A partir das informações da polícia sobre a localização de Adriano, o Ministério Público do Estado do Rio pediu à Justiça um mandado de busca e apreensão na propriedade, que foi concedido.

Agentes da Polícia Civil do Rio desembarcaram em Salvador na sexta-feira (8) com o mandado em mãos e acertaram, no dia seguinte, detalhes da operação com membros da Secretaria da Segurança da Bahia.

A operarão eclodiu às 6h de domingo, quando um efetivo de 70 policiais chegou à fazenda de Leandro, mas não encontrou Adriano no local.

O pecuarista, que acabou preso por porte ilegal de armas, disse não saber onde estava o miliciano. Em depoimento, depois, Leandro voltou atrás e disse ter sido ameaçado por Adriano, que disse que o mataria caso contasse o seu paradeiro.

Na verdade, foi o próprio Leandro que levou Adriano ao novo esconderijo na noite de sábado. No mesmo dia, horas antes, a mulher de Adriano havia sido parada em uma blitz pela Polícia Rodoviária Federal na altura de Vitória da Conquista, sudoeste baiano – sem irregularidades, o carro foi liberado.

A polícia trabalha com a hipótese de que este episódio tenha acendido o alerta em Adriano, que resolveu mudar de esconderijo e ir para o sítio do vereador Gilsinho de Dedé (PSL). Segundo a polícia, ele já conhecia o local, visitado sob alegação de uma possível compra.

Na manhã de domingo, a polícia precisou da ajuda de moradores para localizar Adriano no sítio. Os vizinhos haviam percebido uma movimentação estranha no local desde a noite de sábado (8) e contaram aos policiais.

Ao chegar ao sítio, segundo a versão da polícia, Adriano estava do lado de fora e correu para dentro do imóvel. A polícia cercou a casa e teria dado voz de prisão. Não demorou a arrombar a porta de madeira da casa.

Sempre de acordo com a versão oficial, um policial usando um escudo a prova de balas foi à frente, enquanto outro dois policiais com fuzis ficaram na retaguarda. Adriano teria reagido com uma pistola austríaca 9mm. Diante da reação, os policiais atiraram, atingindo-o com dois tiros, um no tórax e um na altura do pescoço.

Advogado de Adriano, Paulo Emílio Catta Preta estava na academia na manhã de domingo, no Rio, quando recebeu a notícia da morte do miliciano em uma mensagem de texto de um repórter.

“No momento, pelo que ele havia me contado durante a semana, já intui o que era”, afirma Catta Preta. Em ligação ao advogado no meio da semana, Adriano havia afirmado temer ser morto pela polícia. A mulher de Adriano reforça a tese uma possível “queima de arquivo”.

A Polícia Técnica da Bahia analisa se as duas marcas identificadas no escudo usado na ação são tiros. A Folha esteve no local e identificou uma marca de bala no imóvel, em uma janela, seguindo a trajetória de dentro para fora.

A Polícia Civil da Bahia estima concluir em 30 dias o inquérito sobre a ação polícia. Um novo procedimento investigatório deve ser aberto para verificar a movimentação financeira do miliciano na Bahia e a possível lavagem de dinheiro com a compra de terras e animais.

No sítio em Esplanada, a polícia apreendeu 13 celulares com o miliciano. Dois deles não eram de Adriano e foram devolvidos aos seus donos. Os telefones são considerados peças-chave nos próximos passos da investigação.

O corpo de Adriano não havia sido enterrado até a tarde desta sexta-feira (14). A mãe e a irmã do ex-capitão, inicialmente, tentaram cremá-lo. A Justiça impediu porque a morte havia ocorrido em circunstâncias violentas, o que impede esse tipo de cerimônia.

A companheira de Adriano pediu à Justiça, na quinta (13), para que o corpo fosse levado para o IML do Rio de Janeiro para ser submetido a nova perícia. O juiz Gustavo Kalil, que conduz o processo contra Adriano, concordou com a transferência mas não determinou nova necrópsia, delegando essa decisão aos investigadores do caso.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.