Polícia diz que esconderijo de miliciano ligado a Flávio tinha 4 armas e 13 celulares

Bope da Bahia e inteligência do Rio atuaram juntos em ação que matou ex-capitão

Rio de Janeiro e Salvador

Foragido havia um ano, um ex-capitão da PM acusado de comandar a mais antiga milícia do Rio e que tinha um histórico de ligações com Flávio Bolsonaro, senador e filho do presidente da República, foi morto na madrugada deste domingo (9) no município de Esplanada (BA) ao ser alvo de operação que envolveu as polícias baiana e fluminense.

Adriano Magalhães da Nóbrega, 43, também era suspeito de integrar um grupo de assassinos profissionais do Rio. O advogado do miliciano disse que ele relatou a preocupação nos últimos dias de que pudesse ser morto como “queima de arquivo”.

Segundo a versão oficial, Adriano foi baleado após reagir a tiros contra a ação policial. A polícia da Bahia diz que ele tinha em sua mão uma pistola austríaca 9 mm e que, em diferentes cômodos da casa onde ele estava sozinho, foram achadas mais duas espingardas, um revólver e 13 celulares.

Armas apreendidas em local onde Adriano da Nóbrega foi morto
Armas apreendidas em local onde Adriano da Nóbrega foi morto - Divulgação SSP /BA

Homenageado duas vezes na Assembleia Legislativa fluminense pelo hoje senador Flávio Bolsonaro, Adriano é citado na investigação que apura a prática de “rachadinha” (esquema de devolução de salários) no gabinete do então deputado estadual. O miliciano, que já foi capitão do Bope (tropa de elite), teve duas 
parentes nomeadas por Flávio.

A ação que terminou na morte de Adriano em Esplanada, município de 37 mil habitantes a 160 km de Salvador, foi resultado de uma integração entre as polícias da Bahia e do Rio —com participação do setor de inteligência da corporação fluminense e do Bope da Polícia Militar baiana.

O miliciano estava escondido no sítio do vereador Gilson Batista Lima Neto, conhecido como Gilsinho da Dedé, do PSL —partido pelo qual Jair e Flávio Bolsonaro foram eleitos em 2018 e do qual saíram no final de 2019 para criar um novo, a Aliança pelo Brasil

Um vídeo do local obtido pela Folha mostra a sala com piso ensanguentado e roupas e objetos revirados em outro cômodo com um colchão no chão. Gilsinho disse que não conhecia Adriano e não sabia da presença dele no local. Afirmou que estava em Recife e que a última vez em que esteve no sítio foi há 15 ou 20 dias.

As polícias dos dois estados já haviam tentado capturar Adriano no dia 1º, num condomínio de luxo na Costa do Sauípe, mas ele fugiu.

O governo baiano chegou a divulgar, após a prisão, que Adriano estava “envolvido na morte de Marielle Franco”, vereadora do PSOL assassinada em março de 2018. Embora fosse investigado no caso, no entanto, as apurações não foram conclusivas até agora, e ele nunca foi acusado oficialmente por esse crime.

A polícia afirmou que Adriano foi levado com vida a um hospital da região, onde não teria resistido aos ferimentos e morrido. Uma funcionária do local disse à Folha que ele já chegou morto.

No rol de acusações contra Adriano estão a participação em diversos homicídios no Rio e envolvimento no jogo de máquinas caça-níqueis. Foragido, Adriano vinha sendo investigado pela polícia e pelo grupo de combate ao crime organizado do Ministério Público do Rio. 

De acordo com a Promotoria fluminense, contas bancárias controladas por Adriano foram usadas para abastecer Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro que é suspeito de ser operador da “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual .

Questionada, a polícia baiana, ligada ao governo Rui Costa (PT), não respondeu quantos tiros Adriano levou e em que parte do corpo foi atingido.

“Procuramos sempre apoiar as polícias dos outros estados e, desta vez, priorizamos o caso por ser de relevância nacional. Buscamos efetuar a prisão, mas o procurado preferiu reagir atirando”, disse o secretário da Segurança Pública da Bahia, Maurício Teles Barbosa, por meio de uma nota.
 

 

No mês passado, Barbosa participou do movimento para recriar o Ministério da Segurança. A iniciativa, encampada inicialmente por Jair Bolsonaro, estava em uma lista de reivindicações de secretários estaduais entregue ao Planalto. Dois dias depois o presidente descartou a volta da pasta.

O advogado Paulo Emilio Catta Preta, defensor de Adriano, disse que recebeu um telefonema de seu cliente nos últimos dias, após ele ser alvo da primeira operação policial. Antes eles se comunicavam por meio de parentes, já que Adriano estava foragido.

“Causou surpresa ele me ligar diretamente. Se apresentou e disse que estava receoso pela vida dele. Disse que tinha certeza de que a operação para prender era para matar”, afirmou Catta Preta. “Falou, inclusive, que seria queima de arquivo”, completou.

A viúva de Adriano também ligou ao advogado e disse que esteve com ele dias antes. De acordo com Catta Preta, a mulher acredita na versão de extermínio, disse que ele estava em condições precárias de fuga e não estaria armado, ao contrário do que diz a polícia.

“Tenho esses dois relatos [de Adriano e da esposa], que evidentemente me impõe representar aos órgãos responsáveis. Tem que haver uma perícia para afastar pelo menos a hipótese [de extermínio]”, disse Catta Preta. Questionada, a polícia não comentou.

Neste mês, reportagem da Folha mostrou que o Ministério da Justiça e Segurança Pública, sob o comando de Sergio Moro, não incluiu Adriano na lista dos foragidos mais procurados do Brasil.

De acordo com a pasta, “as acusações contra ele não possuem caráter interestadual, requisito essencial para figurar no banco de criminosos de caráter nacional”.

O advogado e a assessoria de Flávio Bolsonaro não comentaram a prisão de Adriano.
 

QUEM ERA ADRIANO DA NÓBREGA

O currículo do ex-capitão Adriano da Nóbrega é extenso. Inclui três prisões e solturas, uma expulsão da PM em 2014 e duas homenagens do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, hoje senador.

Ao ser acusado de homicídio, ele também foi defendido em 2005 pelo então deputado e hoje presidente Jair Bolsonaro.

Adriano também teve duas familiares nomeadas no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio. Sua ex-mulher, Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, foi empregada em 2007 e sua mãe, Raimunda Veras Magalhães, em 2016. Ambas foram exoneradas no fim de 2018 a pedido.

Quem as indicou para os cargos foi Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio que foi companheiro de Adriano no 18º Batalhão da PM fluminense e hoje é investigado por suspeita de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio.

O miliciano é citado nessa investigação, que apura a prática de “rachadinha” no gabinete do filho mais velho de Bolsonaro na Alerj. De acordo com a Promotoria, ele controlava contas bancárias usadas para abastecer Queiroz, suspeito de ser operador do esquema.

A primeira prisão preventiva de Adriano ocorreu em janeiro de 2004, pelo homicídio do guardador de carros Leandro dos Santos Silva, 24. O então policial chegou a ser condenado no Tribunal do Júri em outubro de 2005, mas conseguiu recurso para ter um novo julgamento, foi solto em 2006 e absolvido no ano seguinte.
Leandro era morador de Parada de Lucas, na zona norte carioca, e havia denunciado policiais no dia anterior pela prática de extorsão e ameaça.

Enquanto Adriano ainda estava preso, em junho de 2005, Flávio Bolsonaro o considerou merecedor da Medalha Tiradentes, mais alta honraria da Assembleia Legislativa do Rio. Uma das razões foi o êxito ao prender 12 suspeitos no morro da Coroa, além de apreender diversos armamentos e 90 trouxinhas de maconha.

O então deputado estadual também já havia homenageado o policial dois anos antes, quando apresentou moção de louvor em seu favor.

A segunda prisão de Adriano veio em 2008, um ano depois da absolvição. Desta vez a acusação era de tentativa de assassinato do pecuarista Rogério Mesquita. Ele foi novamente solto um mês depois, após o fim do prazo da prisão temporária. O atentado ocorreu devido a uma disputa pelo espólio do bicheiro Waldomir Paes Garcia, o Maninho.

A terceira prisão ocorreu em 2011, de novo terminando em sua soltura. A captura foi na Operação Tempestade do Deserto, resultado das investigações da mesma tentativa de assassinato que levou à denúncia contra os envolvidos.

No ano seguinte, ao alegar ausência de provas, o juiz Márcio Gava negou o seguimento do processo contra Adriano e a maioria dos acusados. As testemunhas ouvidas pela polícia que serviram como base para a denúncia não confirmaram os depoimentos à Justiça.

A relação com bicheiros levou Adriano a ser exonerado da PM em 2014. Em processo disciplinar, foi considerado culpado da acusação de atuar na segurança de um contraventor da máfia dos caça-níqueis.


Colaboraram Camila Mattoso, editora do Painel, e  Franco Adailton.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.