Vídeo de corpo divulgado por Flávio Bolsonaro é falso, diz governador da Bahia

Segundo Rui Costa, imagens não são do miliciano Adriano da Nóbrega, como afirmou o senador

Brasília

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), disse nesta quarta-feira (19) que o corpo que aparece em vídeo divulgado na terça-feira (18) pelo senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) nas redes sociais não é de Adriano da Nóbrega.

O ex-capitão do Bope do Rio de Janeiro é acusado de chefiar uma milícia no Rio e foi morto no último dia 9, durante operação policial na Bahia.

"São falsas. Posso garantir que aquilo não é nem do IML [Instituto Médico Legal] da Bahia nem do IML do Rio. Não são imagens dele. A imagem do corpo tem uma saída de bala nas costas e as costas dele estão lisas", disse Costa a jornalistas em Brasília.

O ex-capitão da Polícia Militar é ligado a Flávio, de quem recebeu homenagem na Assembleia Legislativa do Rio —o filho do presidente foi deputado de fevereiro 2003 a janeiro de 2019.

Na tarde de terça, Flávio publicou um vídeo com imagens de um corpo nu sobre uma mesa de necropsia.

"Perícia da Bahia (governo PT) diz não ser possível afirmar se Adriano foi torturado. Foram 7 costelas quebradas, coronhada na cabeça, queimadura com ferro quente no peito, dois tiros à queima-roupa (um na garganta de baixo para cima e outro no tórax, que perdurou coração e pulmões) e as costas desse jeito aí que estão vendo no vídeo", escreveu o senador.

"Desculpas aos mais sensíveis, mas a postagem do vídeo é necessária para que não haja dúvidas de que ele foi torturado e assassinado, como queima de arquivo. E parte da imprensa está querendo botar na nossa conta. Uma semana antes do assassinato, a esposa de Adriano foi à imprensa denunciar que seu marido poderia ser morto a mando do governador do Rio. O caso é muito sério e tem que ser investigado até as últimas consequências", prosseguiu Flávio na publicação.

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), também abordou o assunto na terça-feira. Ele defendeu uma perícia independente no corpo de Adriano e disse que uma eventual "queima de arquivo" não interessaria a ele.

​Bolsonaro pregou ainda a necessidade de que telefones celulares apreendidos com o miliciano morto passem por uma apuração separada, para evitar, segundo ele, que provas sejam forjadas e incluídas no aparelho telefônico.

A Justiça baiana determinou a realização de nova necropsia, a ser feita pelo IML do Rio. A decisão também obriga a conservação do corpo de Adriano até que seja realizado novo exame necrológico.

"O Ministério Público da Bahia está apurando, o Ministério Público do Rio seguirá apurando. Todos os telefones foram, com o chip, entregues ao Ministério Público do Rio de Janeiro, na íntegra, sem serem vistos. Quem vai investigar é o Ministério Público do Rio. Vai ser feita uma nova perícia amanhã no Rio de Janeiro pelo IML do Rio. Agora está entregue às autoridades", disse Rui Costa. 

"A grande pergunta é por que o presidente sonha, acorda, almoça, dorme só pensando naquilo. Do que será que ele está com medo? Esta é a grande pergunta que todo mundo deveria fazer", afirmou o governador da Bahia.

Foragido havia mais de um ano, Adriano teve a mãe e a ex-mulher nomeadas no gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia do Rio

Segundo o MP-RJ, contas do ex-PM foram usadas para transferir dinheiro a Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio e suspeito de comandar o esquema de devolução de salários (conhecido como "rachadinha").

Adriano foi expulso da PM em 2014 pela ligação com jogo de máquinas caça-níqueis, mas esteve preso três vezes como policial. A primeira prisão foi em 2004 pelo homicídio do guardador de carros Leandro dos Santos Silva, 24 —o ex-PM já respondia pelo crime quando foi homenageado por Flávio na Assembleia do Rio.

Por esse crime, Adriano chegou a ser condenado em 2005, mas recorreu e foi absolvido em 2007.

No ano seguinte, foi preso pela tentativa de assassinato do pecuarista Rogério Mesquita, mas foi solto após o fim do prazo da prisão temporária. Em 2011, voltou a ser preso por esse crime. Posteriormente, foi inocentado por falta de provas. 

Em entrevista à Folha, o advogado de Flávio e de Jair Bolsonaro, Frederick Wassef disse que o ex-capitão do Bope era um cidadão inocente.

Afirmou ainda que o caso é "muitíssimo mais grave" do que o de Ágatha Félix, de 8 anos, morta por um tiro de um PM no Complexo do Alemão, no Rio, no ano passado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.