Bolsonaro faz live de máscara e desestimula ida a protesto por causa de coronavírus

Presidente sugere adiamento de ato de domingo (15) e diz que já 'foi dado um tremendo recado ao Parlamento'

Brasília e Rio de Janeiro

O presidente Jair Bolsonaro realizou nesta quinta-feira (12) sua live semanal nas redes sociais de máscara, disse que ainda aguarda resultado do teste para coronavírus e desestimulou os atos pró-governo e com ataques ao Congresso previstos para domingo (15).

Ele afirmou que, mesmo sem ser concretizada, a mobilização já provocou um "tremendo recado" ao Congresso.

"O recado ao Parlamento foi na questão das emendas de relatores, se ele vai ter autonomia para [controlar] R$ 15 bilhões ou não", disse.

Em transmissão ao vivo em rede social, ele afirmou que os apoiadores estavam divididos sobre manter ou não as manifestações, diante da pandemia, mas voltou a tentar se desvincular da organização dos atos.

"Uma das ideias é adiar, suspender, adiar. Daqui a um mês, dois meses, se faz."

O presidente Jair Bolsonaro, de máscara
O presidente Jair Bolsonaro, de máscara - Reprodução

O pedido do presidente, durante a transmissão ao vivo em redes sociais, foi repetido em pronunciamento na noite desta quinta-feira em rede nacional de rádio e TV.

Nesta quinta, organizadores decidiram cancelar os atos de ​domingo.

"Tem um aspecto que precisa ser levado em conta. Existe [a manifestação], é mais um agrupamento de pessoas. Então a população está um tanto quanto dividida", disse Bolsonaro.

"O que devemos fazer agora é evitar que haja uma explosão de pessoas infectadas [pelo coronavírus], porque os hospitais não dariam vazão a atender tanta gente. Se o governo não tomar nenhuma providência, sobe e depois de um certo limite o sistema não suporta", acrescentou.

"Como presidente da República, eu tenho que tomar uma posição, contra ou a favor. Se bem que o movimento não é meu, é espontâneo e popular."

O presidente comandou sua tradicional live nas redes ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que também usou máscaras.

Na transmissão, ele também disse que político que tem medo do povo "não tem que ser político". "O povo nas ruas se manifestando como sempre se manifestou de maneira calma, pacífica e ordeira é um direito dele. Contra ou a favor a quem quer que seja", disse.

Mais tarde, desta vez em pronunciamento em rede nacional, o presidente disse que os movimentos são "espontâneos e legítimos", "atendem aos interesses da nação" e "demonstram o amadurecimento da nossa democracia presidencialista".

"Precisam, no entanto, diante dos fatos recentes, ser repensados."

O protesto está previsto desde o fim de janeiro, mas mudou de pauta e foi insuflado após o ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, ter chamado o Congresso de chantagista na disputa entre Executivo e Legislativo pelo controle do orçamento deste ano.

Na quarta-feira (11), a Comissão Mista de Orçamento aprovou dois projetos de lei enviados pelo governo que repartem com o Congresso cerca de R$ 15 bilhões dos R$ 30,8 bilhões. Os dois textos, agora, vão a plenário do Congresso, e a discussão continua.

Durante o Carnaval, Bolsonaro compartilhou em um grupo de aliados um vídeo que convocava a população a ir às ruas para defendê-lo. Na semana seguinte, em discurso, chamou a população a participar do ato, o que mais uma vez irritou as cúpulas do Congresso e do Supremo.

Além de apoiar o presidente, os organizadores da manifestação carregam bandeiras contra o Legislativo e o Judiciário e a favor das Forças Armadas. Nas redes sociais, usuários compartilharam convocações com mensagens autoritárias, pedindo, por exemplo, intervenção militar.

Em viagem aos Estados Unidos, no início da semana, o presidente chegou a dizer que os presidentes da Câmara e do Senado poderiam colocar "um ponto final" nas manifestações se abrissem mão do controle de parte do Orçamento.

Nesta quinta, em declaração para esfriar os ânimos, Bolsonaro afirmou que "ninguém pode atacar o Parlamento, o Executivo e o Judiciário". "Tem pessoas que não estão de acordo com a crise e acha que tem que acontecer, tudo bem. Mas as instituições, em si, têm que ser preservadas".

Ao longo do dia, Bolsonaro consultou aliados sobre a hipótese de desestimular publicamente a presença de apoiadores no ato. Segundo interlocutores do presidente, o empresário Luciano Hang foi um dos que o aconselharam a desencorajar a participação dos simpatizantes.

Entre os argumentos apresentados a Bolsonaro estava a possibilidade de o medo do coronavírus inibir a mobilização a favor do governo. Nas conversas, o presidente citou a ameaça de aparição de black blocs, usando como exemplo o fato de o governador do Distrito Federal, por exemplo, ter informado que não enviaria policiais para a proteção do ato em Brasília.

O presidente realizou exames nesta quinta, depois da confirmação de que o chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação da Presidência), Fabio Wajngarten, está com a covid-19.

Wajngarten fez parte da comitiva liderada por Bolsonaro que, entre 7 e 10 de março, realizou uma visita oficial à Flórida (EUA).

Durante a viagem, o mandatário brasileiro jantou com o presidente americano, Donald Trump. Wajngarten também teve contato e posou para fotos com o líder dos EUA.

Durante a live, o ministro Mandetta disse que, caso o teste de Bolsonaro dê positivo para o coronavírus, o presidente receberá a recomendação de despachar do Palácio da Alvorada, a residência oficial da presidência. Caso contrário, ele será liberado para voltar ao trabalho no Planalto.

Mandetta também disse que Bolsonaro tem um sistema imunológico forte.

"Um homem de 64 anos, rígido, que faz suas caminhadas; que já passou seu organismo por agressão —que foi aquela facada mal explicada— tem o sistema imunológica forte. A grande maioria sai muito bem, obrigado".

Além de Bolsonaro e do secretário especial de comunicação, outros integrantes da comitiva também estão seguindo protocolos médicos e realizando exames para verificar se têm coronavírus. É o caso de um dos filhos do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e da primeira-dama Michelle Bolsonaro, que fizeram testes clínicos.

​Bolsonaro disse na transmissão que o resultado de um dos integrantes da comitiva já é conhecido e que o teste deu negativo. Interlocutores disseram à Folha que se trata do ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia).

A suspeita de que Wajngarten estava com a doença foi revelada pela coluna Mônica Bergamo, da Folha.
Com o risco de contágio, a rotina administrativa do Palácio do Planalto será alterada. Além da maior restrição ao acesso de pessoas, os eventos e solenidades devem ser suspensos e o cumprimento diário do presidente na entrada do Palácio da Alvorada deve ser modificado.

Bolsonaro foi advertido pela equipe médica a evitar interação diária com apoiadores na entrada da residência oficial. Desde meados do ano passado, ele costuma descer do comboio presidencial para saudar seus simpatizantes, momentos em que aperta mãos e tira fotos.

A orientação é para que, nas próximas semanas, Bolsonaro se limite a acenar e a conversar com o público a uma distância segura. A recomendação é para que ele também evite viagens pelo país para participar de inaugurações ou anúncios.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou na quinta que existe uma pandemia de coronavírus.

As primeiras modificações na rotina do presidente já ocorreram. Bolsonaro cancelou uma viagem a Mossoró (RN) prevista esta quinta.

Segundo relataram interlocutores à Folha, foi-lhe dito que tanto o deslocamento em aeronave quanto a participação em evento —em um ambiente com aglomeração— seriam problemáticos no cenário de avanço da doença.

há mais de cem casos de coronavírus confirmados no Brasil.​

Até o início da semana, a possibilidade de cancelar os atos era descartada. O fato de o coronavírus ser considerado agora uma pandemia pela OMS alterou o quadro.

Antes do agravamento da crise, os grupos obtiveram aval do Ministério da Saúde para a realização dos atos. A consulta à pasta foi feita pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das entusiastas da manifestação.

"Foi concluído que a melhor atitude é mudarmos nossa abordagem. É um momento de incertezas e riscos", afirmou a deputada do PSL. Ela disse ter atendido a pedido do presidente.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.