Descrição de chapéu Coronavírus

Bolsonaro diz que não contraiu coronavírus; equipe médica orienta protocolo de segurança

Presidente fez teste após chefe da Secom contrair a doença; expectativa é de novo exame após 7 dias

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro informou nesta sexta-feira (13) que o exame da contraprova realizado por ele na quinta-feira (12) comprovou que ele não foi contaminado pelo coronavírus durante viagem aos Estados Unidos.

Como medida de precaução, no entanto, ele começou a seguir protocolo de segurança orientado pela equipe médica da Presidência da República para evitar o risco de contágio.

A expectativa é que Bolsonaro faça dois novos exames —o primeiro em 7 dias, e o segundo em 14—, seguindo parte do protocolo da Operação Regresso (que trouxe 34 brasileiros que estavam em Wuhan, na China). Esse é o período de incubação do vírus.

Antes do resultado definitivo, o presidente demonstrou preocupação em estar contaminado. Ele voltou da viagem com um leve resfriado, segundo relatos de aliados, mas não apresentou demais sintomas como tosse e febre.

Na quinta, ao receber telefonemas de deputados, ele os orientou a não visitá-lo por receio de estar doente. Ao longo do dia, inclusive durante live semanal, usou máscara cirúrgica, que também foi adotada por assessores e seguranças.

O anúncio de que não contraiu a doença foi feito pelo presidente em suas redes sociais. Ele fez o teste após a informação de que o chefe de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten, 44, havia contraído coronavírus.

Os dois viajaram juntos aos Estados Unidos de sábado (7) a terça-feira (10) e estiveram reunidos com o presidente americano, Donald Trump.

Segundo assessores palacianos, durante viagens presidenciais, o celular do presidente costuma ficar em posse do secretário, o que aumentou o receio de uma contaminação.

Além de Wajngarten, a advogada Karina Kufa, que presta serviços para o presidente, também foi diagnosticada com coronavírus. Ela acompanhou a comitiva presidencial durante a viagem aos EUA.

O presidente Jair Bolsonaro cumprimenta apoiadores na saída do palácio da alvorada após a confirmação negativa do teste de Coronavírus que ele fez - Pedro Ladeira - 13.mar.2020/Folhapress

Kufa participa da fundação do novo partido do presidente, a Aliança pelo Brasil. Ela é a tesoureira da legenda.

Procurada pela reportagem com questionamentos sobre as próximas etapas de monitoramento de Bolsonaro, a Secom não quis comentar.

Já foram divulgadas as agendas dos próximos dias, e não há compromissos previstos para este fim de semana nem segunda-feira (16).

Na terça, Bolsonaro chegou a chamar os impactos do coronavírus de "mais fantasia".

Ao saber da contaminação de Wajngarten, a Casa Branca afirmou que Trump e o vice-presidente Mike Pence não seriam testados. "Deixa eu colocar da seguinte maneira: não estou preocupado", afirmou Trump a jornalistas.

O exame para coronavírus foi realizado por outros integrantes da comitiva presidencial. Fizeram o teste os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Fernando Azevedo (Defesa), Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), além da primeira-dama Michelle Bolsonaro e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

"Todo mundo deu negativo. Todo mundo. O presidente está ótimo, feliz e animado", afirmou o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, em entrevista à Folha.

O ministro disse que o Palácio do Planalto discute a edição de uma MP (medida provisória) para garantir ao menos R$ 5 bilhões para o combate ao avanço do coronavírus.

A iniciativa já tem sido elaborada pela SAJ (Subchefia para Assuntos Jurídicos). E a expectativa é de que seja publicada na próxima semana.

A medida, de caráter orçamentário emergencial, atende a demanda do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Em audiência no Congresso, o ministro solicitou aos deputados e senadores que destinassem os recursos para o combate à pandemia por meio das emendas de relator.

Ramos afirmou ainda que o governo federal também está em fase de tratativa na elaboração de iniciativa para socorrer as empresas aéreas, que têm sido afetadas pela pandemia de coronavírus.

O presidente Jair Bolsonaro, de máscara
O presidente Jair Bolsonaro, de máscara - Reprodução

Uma das ideias em análise é a edição de um pacote de socorro que inclua uma desoneração temporária da folha de pagamento.

"Está tudo normal. O presidente vai trabalhar normal. Normal como o Carnaval. Está tudo bem", disse o ministro.

Apesar da declaração de Ramos, o presidente foi recomendado a adotar medidas para evitar o risco de contágio.

Nesta sexta, por exemplo, ele manteve uma distância segura de um grupo de eleitores que o esperava na frente do Palácio da Alvorada.

"Apesar do meu teste ter dado negativo, não vou apertar a mão de vocês", disse. "Nunca tinha visto ali qualquer problema, se bem que para a imprensa que está ouvindo ali, se eu estivesse com o vírus ou não estivesse, não estaria sentindo nada", acrescentou.

Bolsonaro costuma cumprimentar os apoiadores e a fazer selfies com eles.

A partir de agora, o acesso de pessoas ao Palácio do Planalto deve também ser mais restrito, assim como a realização de eventos e solenidades. Eles devem ser suspensos.

Bolsonaro foi aconselhado ainda a evitar aglomeração até pelo menos o mês de maio.

Após ter minimizado os impactos do vírus dias atrás, Bolsonaro fez nesta quinta-feira uma live em redes sociais de máscara e sugeriu a seus apoiadores a suspensão dos atos marcados para domingo (15) com pauta em defesa do governo e de ataques ao Congresso e Judiciário.

"Tem um aspecto que precisa ser levado em conta. Existe [a manifestação], é mais um agrupamento de pessoas. Então a população está um tanto quanto dividida", disse Bolsonaro.

"O que devemos fazer agora é evitar que haja uma explosão de pessoas infectadas [pelo coronavírus], porque os hospitais não dariam vazão a atender tanta gente. Se o governo não tomar nenhuma providência, sobe e depois de um certo limite o sistema não suporta", acrescentou.

"Como presidente da República, eu tenho que tomar uma posição, contra ou a favor. Se bem que o movimento não é meu, é espontâneo e popular."

O presidente comandou sua tradicional live nas redes ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que também usou máscaras.

Na transmissão, ele também disse que político que tem medo do povo "não tem que ser político". "O povo nas ruas se manifestando como sempre se manifestou de maneira calma, pacífica e ordeira é um direito dele. Contra ou a favor a quem quer que seja", disse.

Mais tarde, desta vez em pronunciamento em rede nacional, o presidente disse que os movimentos são "espontâneos e legítimos", "atendem aos interesses da nação" e "demonstram o amadurecimento da nossa democracia presidencialista".

"Precisam, no entanto, diante dos fatos recentes, ser repensados."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.