Descrição de chapéu DeltaFolha

Bolsonaro se isola com direita em rede social após pronunciamento, e centro e esquerda se unem de novo

Usuários de centro tiveram volume de retuítes semelhante ao da direita, algo inédito

São Paulo

Ao criticar o combate ao coronavírus no país, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) inflamou usuários de centro no Twitter, que atacaram o mandatário e, de forma inédita, passaram a ter volume de mensagens semelhante aos perfis de direita.

A Folha analisou 950 mil tuítes feitos entre as 19h de terça (24), pouco antes do pronunciamento do presidente em cadeia nacional, e as 6h desta quarta (25). Foram consideradas mensagens que continham termos como “Bolsonaro”, “pronunciamento” e correlatos.

É um levantamento feito desde maio do ano passado, sempre que há eventos relevantes politicamente. Em nenhum momento até esta semana o centro havia tido atividade semelhante aos perfis de direita.

Na terça e quarta, 59 mil usuários de direita postaram sobre o pronunciamento; no centro, foram 58 mil.

Quando o STF (Supremo Tribunal Federal) voltou a barrar a prisão em segunda instância, em novembro passado, o que permitiu a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foram apenas 15 mil centristas comentando a decisão, num período de coleta maior —um dia inteiro (nesta semana, foram 11 horas consideradas).

Naquele momento de novembro, a presença da direita foi duas vezes maior que a do centro comentando a liberdade do petista.

A classificação dos usuários entre centro, direita e esquerda é feita pelo GPS Ideológico, ferramenta da Folha que categorizou 1,7 milhão de perfis no Twitter, com interesse em política. Os usuários são distribuídos numa reta, do ponto mais à direita ao mais à esquerda, de acordo com quem eles seguem na rede social.

Repetindo o que houve na semana passada, quando Bolsonaro concedeu entrevista coletiva sobre o vírus ao lado de ministros usando máscaras de proteção, as mensagens mais populares no centro foram em grande parte iguais às que mais circularam na esquerda —todas críticas ao mandatário.

Dos dez tuítes mais populares no centro nesta semana, nove também estavam na lista da esquerda.

A mensagem mais retuitada em ambos os espectros foi “agora, definitivamente e de uma vez por todas, o lugar do Bolsonaro é na CADEIA!”.

Na direita, majoritariamente os tuítes que mais circularam foram de apoio ao presidente, como “aqueles que torcem para que o vírus vença o Brasil estão revoltados com a coragem do Presidente @jairbolsonaro de escancarar a verdade! Vamos sair do isolamento horizontal para o vertical, protegendo os mais vulneráveis e permitindo que pessoas voltem a trabalhar”.

O tuíte se refere à ideia do presidente de que a política de isolamento deveria ser restrita às populações mais vulneráveis, não à toda a população, para que haja menos danos econômicos. É uma estratégia tida como ineficaz por especialistas e pelos governadores, que afirmam que o vírus continuaria a circular e atingiria os vulneráveis de qualquer forma.

Apesar do apoio na maior parte dos tuítes mais populares, o quinto mais retuitado foi crítico ao presidente: “Um presidente que num momento de crise faz um pronunciamento oficial em cadeia nacional para falar sobre ele e não sobre o seu povo não merece a cadeira que pediu pra gente”.

Além de inflamar o centro, o discurso do Bolsonaro fez a esquerda disparar no número de pessoas comentando o evento. Nesta semana, houve mais que o dobro de perfis de esquerda no debate, em relação aos de direita.

Na época da soltura de Lula, em novembro, eles tiveram praticamente o mesmo montante.

O que disse Bolsonaro

Em seu terceiro pronunciamento em rádio e televisão sobre a crise do coronavírus, o presidente atacou governadores e disse que eles precisam "abandonar o conceito de terra arrasada", com a proibição de transporte, o fechamento do comércio e o que chamou de confinamento em massa.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro seguiu no mesmo tom e voltou a criticar medidas adotadas por estados e municípios para reduzir circulação de pessoas.

"O povo tem que parar de deixar tudo nas costas do poder público. Aqui não é uma ditadura, é uma democracia", disse o presidente a jornalistas na saída do Palácio da Alvorada. "Os responsáveis pela minha mãe de 92 são seus meia-dúzia [de] filhos."

Reportagem da Folha mostrou que a estratégia do pronunciamento de terça-feira foi definida pelo chamado “gabinete do ódio”, núcleo formado por aliados do presidente que defendem confrontos para mobilizar a base bolsonarista.

A avaliação deles é a de que, diante do clima de animosidade, era hora de orientar a militância digital apontando inimigos, no caso os veículos de imprensa e os governos estaduais, mobilizando os eleitores fiéis a responderem às críticas contra a gestão federal.

Além disso, ao criticar o desaquecimento da atividade econômica, o presidente, segundo deputados aliados, tentou criar uma vacina: a de que um eventual aumento do desemprego no futuro não é responsabilidade sua, mas dos governos estaduais que adotaram medidas de contenção.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.