Eike Batista fecha delação que prevê até R$ 800 mi para saúde e contra coronavírus

Ex-bilionário, que foi preso na Lava Jato do Rio em 2017, firmou acordo com a Procuradoria-Geral

Brasília

O procurador-geral da República, Augusto Aras, fechou nesta segunda (23), com o empresário Eike Batista, o primeiro acordo de delação premiada de sua gestão perante o STF (Supremo Tribunal Federal).

A colaboração prevê que ele pague multa de R$ 800 milhões pelos crimes praticados, dos quais R$ 116 milhões à vista, a partir da homologação dos termos pelo Supremo.

O empresário Eike Batista, em 2019
O empresário Eike Batista, em 2019 - Mauro Pimentel - 8.ago.19/AFP

O montante será destinado ao Ministério da Saúde para ser gasto prioritariamente no combate ao novo coronavírus.

O modelo de delações proposto por Aras propõe carrear recursos para a pasta lidar com a crise sanitária, como antecipou a Folha na sexta (20).

A PGR (Procuradoria-Geral da República) também negocia a repactuação do acordo firmado por executivos da JBS em 2017 e sugere reservar ao menos R$ 500 milhões para a saúde.

A delação com Eike prevê que, após o pagamento de R$ 116 milhões, o restante da multa seja parcelado em quatro anos. As prestações desembolsadas nesse período também poderão ser aplicadas no enfrentamento à Covid-19, se necessário, ou gastas com outras prioridades da área.

O acordo será enviado ao Supremo porque, em seus depoimentos, Eike cita autoridades com direito a foro especial.

As declarações dele, bem como eventuais provas apresentadas, são mantidas em sigilo.

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado em título na homepage, o acordo feito por Eike Batista com a Procuradoria-Geral da República prevê doação de até R$ 800 milhões, e não de até R$ 800 mil, para o Ministério da Saúde. A chamada foi corrigida.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.