Descrição de chapéu DeltaFolha

Em postagens, Bolsonaro tem um celular pró-Carlos e outro pró-ministros

Parte das postagens partem de um iPhone, mesmo celular de Carlos, que já admitiu ter publicado na conta do pai

Brasília e São Paulo

Nas redes sociais, há dois presidentes Jair Bolsonaro.

Um deles prioriza a comunicação institucional, ao prestigiar iniciativas do governo e páginas de ministros. O outro prefere embate e polêmica, ao compartilhar mensagens dos filhos e de contas identificadas com a direita.

Além da diferença no perfil de postagem, cada um deles publica conteúdos de diferentes tipos de aparelho celular. O presidente apaziguador usa um Android, do modelo Galaxy, enquanto o controverso recorre ao iOS, um iPhone.

A diferença nos padrões de mensagem foi identificada por levantamento promovido pela Folha na conta oficial de Bolsonaro no Twitter.

O presidente Jair Bolsonaro durante solenidade de lançamento de linha de crédito do BNDES para organizações filantrópicas, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) - André Coelho - 13.jun.2019/Folhapress

Em pouco mais de um ano de mandato, o presidente transformou as redes sociais em uma ferramenta de governo. Por meio delas, ele antecipa medidas e anuncia demissões.

Segundo assessores presidenciais, Bolsonaro tem mais de um celular. Porém, ele usa com mais frequência um Galaxy Note. O aparelho opera sistema Android.

Em outubro, no entanto, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, admitiu que já postara conteúdo na conta oficial do pai.

A maioria das postagens do vereador feitas no ano passado, como aponta o levantamento da Folha, era feita de um iPhone, assim como a mensagem que ele publicou e apagou do perfil do presidente em defesa da execução de pena após a condenação em segunda instância.

"Eu escrevi o tweet sobre segunda instância sem autorização do presidente. Me desculpem a todos! A intenção jamais foi atacar ninguém! Apenas expor o que acontece na Casa Legislativa!", escreveu Carlos.

A mensagem criou um desentendimento entre pai e filho, uma vez que o presidente queria evitar o assunto na esfera pública para não se indispor com o STF (Supremo Tribunal Federal), que analisava a questão e decidiu por rejeitar a possibilidade.

Segundo um aliado de Bolsonaro, após o episódio, Carlos chegou a ficar cerca de 45 dias sem falar com Bolsonaro. Eles fizeram as pazes no fim do ano.

No início de fevereiro, as postagens do perfil oficial de Carlos, que antes eram feitas na maioria por iPhone, passaram a ser realizadas por Android.

Carlos foi responsável pela estratégia de comunicação online que ajudou a eleger o pai. Mesmo após a vitória de Bolsonaro, o vereador continuou o ajudando nas redes sociais.

O 02 ou pitbull, como foi apelidado, é o mais agressivo dos filhos do presidente nos canais digitais. Por lá, costuma rechaçar a imprensa, criticar adversários e desautorizar aliados do pai.

Foi de um iPhone também que foram publicadas na conta oficial do presidente outras mensagens consideradas controversas. Uma delas é a em que Bolsonaro questionava o que era "golden shower", no Carnaval de 2019.

Após repercussão negativa, sobretudo na base bolsonarista e no público evangélico, o vídeo com cenas eróticas que acompanhava a pergunta foi apagado.

Outra mensagem, também publicada pelo mesmo sistema operacional, foi o vídeo compartilhado em outubro que comparava a hienas o STF (Supremo Tribunal Federal) e a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

O conteúdo gerou mal-estar no Poder Judiciário. Isso levou o presidente a apagar a mensagem.

"Me desculpo publicamente ao STF, a quem porventura ficou ofendido. Foi uma injustiça, sim, corrigimos e vamos publicar uma matéria que leva para esse lado das desculpas", disse em entrevista.

O levantamento aponta que as postagens feitas por iOS retuitaram mais do que as realizadas por Android as contas oficiais dos filhos do presidente, sobretudo de Carlos e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Já o sistema Android deu mais destaque que o iOS na divulgação das mensagens de ministros, como Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), Sergio Moro (Justiça) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

Ele também fez uma maior divulgação de conteúdo publicado pela rede social da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) da Presidência da República, que já foi mais de uma vez criticada por Carlos.

Em dezembro, por exemplo, o vereador se referiu à comunicação institucional como uma "bela de uma porcaria". A estrutura é subordinada à Secretaria de Governo, comandada pelo general Luiz Eduardo Ramos.

O antecessor do ministro, o também general Carlos Santos Cruz, foi exonerado do cargo. A saída ocorreu após justamente ele ter protagonizado um desentendimento com o filho do presidente.

Desde o segundo semestre de 2019, Bolsonaro tem tomado decisões e definido recuos administrativos com base na reação das redes sociais, sobretudo do eleitorado bolsonarista.

As posições adotadas por ele, que tenta evitar a todo o custo uma deterioração de sua base de apoio, contrariaram muitas vezes recomendações até mesmo de sua equipe de ministros.

O comportamento se tornou mais acentuado após ele ter enfrentado um aumento de sua reprovação em setembro, como mostrou o Datafolha.

O levantamento apontou que o núcleo duro de apoio a Bolsonaro era de 12% da população. Isso levou o Palácio do Planalto a iniciar uma estratégia de reação para tentar aumentar o percentual do chamado "bolsonarista heavy".

Em dezembro, a taxa de bolsonaristas que aprovam e apoiam tudo o que ele diz passou para 14%.

Para evitar a perda de mobilização, o presidente resolveu atuar como porta-voz de seu próprio governo. Ele municia a militância digital com declarações diárias, concedidas na entrada do Palácio da Alvorada.

Em paralelo, o chamado "gabinete da raiva", bunker digital que atua no terceiro andar do Planalto sob a tutela de Carlos, trabalhou mais ativamente na produção de conteúdo digital que alimente apoiadores do presidente.

Os protestos marcados para o dia 15 de março, por exemplo, fazem parte da estratégia de manter a militância mobilizada. Bolsonaro até compartilhou vídeo, em grupo de WhatsApp, que faz uma convocação para o protesto.

O gesto causou uma crise institucional, uma vez que os organizadores carregam bandeiras contra o Legislativo e o Judiciário.

Bolsonaro e congressistas chegaram a um acordo para uma nova divisão do chamado Orçamento impositivo. A disputa por dinheiro público foi pivô de mais uma crise entre Executivo e Legislativo, o que inflamou ainda mais os atos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.