Imprensa brasileira sofreu pelo menos 7 ataques virtuais por minuto em 2019, aponta entidade

Ao todo, foram 4 milhões de ataques em 2019, 10% do que foi produzido sobre mídia no Twitter; dados são de relatório da Abert

São Paulo

As agressões online a jornalistas, mais visíveis com os ataques de integrantes do governo federal, ganhou um número: 4 milhões. Essa é a quantidade de tuítes que desacreditam o jornalismo ou tem palavras de baixo calão dirigidas à imprensa em 2019.

Por dia, são 11 mil ataques; por minuto, sete. Isso representa 10% de todo o conteúdo que foi produzido sobre mídia profissional no Twitter em 2019.

As informações são de relatório anual da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (Abert), divulgado nesta quarta-feira (11). O monitoramento dos ataques virtuais no Twitter foi feito pela empresa de consultoria Bites.

Os ataques vêm de pessoas identificadas com a direita e com a esquerda, mas, no primeiro grupo, o número é significativamente maior.

Em 2019, perfis e sites conservadores foram responsáveis por 3,2 milhões das publicações negativas, ou seis por minuto. Já a esquerda publicou 714 mil agressões —uma por minuto.

O presidente Jair Bolsonaro insulta repórter da Folha com insinuações sexuais - Reprodução - 18.fev.2020/Facebook

Influenciadores digitais conservadores produziram 128 mil posts ao longo do ano. Desses, 2.560 posts, 2%, são de ataque à imprensa.

Entre os membros do Poder Legislativo, os ataques se concentram na antiga sigla do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Das 4.506 postagens, 1.575 são do PSL e 1.156, do PT. Os 1.775 restantes ficaram na conta de outros partidos.

Levantamento da Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj) de janeiro de 2020 mostrou que Bolsonaro foi autor de 58% dos ataques contra jornalistas em 2019.

Diferentemente do da Abert, porém, para chegar a esse número a Fenaj contabilizou casos que ocorreram tanto em redes sociais quanto fora delas. A entidade contabilizou agressões que se tornaram públicas por meios de comunicação oficiais ou imprensa e denunciados à federação ou aos sindicatos.

Segundo a Fenaj, o presidente foi o responsável por 121 dos 208 ataques contra veículos de comunicação e jornalistas em 2019. A maioria dos ataques de Bolsonaro ocorreu em divulgações oficiais da Presidência da República. Entre esses ataques, houve discursos e entrevistas —transcritos no site do Palácio do Planalto— ou por meio do Twitter oficial de Bolsonaro.

Além dos ataques virtuais, o ressurgimento da censura no relatório da Abert chama a atenção. Em 2018, nenhum caso havia sido registrado, ante 5, que fizeram 16 vítimas, em 2019.

Um dos indicadores que caíram foi o do número de agressões físicas, como socos, tapas e chutes. Foram 24 ao longo de 2019, uma queda de 38% em relação a 2018. Ao todo, 30 repórteres foram agredidos. A região Sudeste foi a mais violenta e concentrou 11 dos casos.

Política, cidade e esportes são as áreas mais perigosas para os profissionais da imprensa trabalharem: as duas primeiras tiveram repórteres agredidos oito vezes cada e, a última, seis vezes.

Apesar de, na introdução, o relatório destacar a inédita ausência de mortes de jornalistas em decorrência do exercício da profissão, nas páginas seguintes há uma informação preocupante: a investigação do assassinato de dois comunicadores em Maricá, no Rio de Janeiro, ainda não concluída pela Divisão de Homicídios de Niterói.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.